Revista História: Debates e Tendências https://seer.upf.br/index.php/rhdt Revista História Debates e Tendências Universidade de Passo Fundo pt-BR Revista História: Debates e Tendências 1517-2856 <a rel="license" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/"><img alt="Licença Creative Commons" style="border-width:0" src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc-nd/4.0/88x31.png" /></a><br />Todos os artigos estão licenciados com a licença <a rel="license" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/">Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional</a>. Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista. Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista. Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre). Aliança para o Progresso e Peace Corps https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15817 <p>Os Estados Unidos da América passaram a acompanhar o político rio-grandense Leonel de Moura Brizola com maior atenção após o episódio da encampação da concessionária da empresa estadunidense AMFORP no Rio Grande do Sul em 1959 e após a Legalidade. A partir de 1962, documentos oficiais do Departamento de Estado dos Estados Unidos, em grande parte comunicações com as Embaixadas de Brasília e do Rio de Janeiro, passaram a descrever Leonel Brizola como “antiamericano”, “comunista”, “virulento”, “subversivo”, entre outros, além de acompanhar de perto os discursos e movimentações de Brizola. Dessa maneira, o objetivo desse artigo é discutir os programas <em>Aliança para o Progresso</em> e <em>Peace Corps</em>, implementados pelos Estados Unidos no Brasil durante o governo Kennedy, e a relação desses programas com Leonel Brizola, bem como sua visão sobre eles.</p> Marcelo Marcon Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 94 111 10.5335/hdtv.24n.1.15817 Sobre a educação pública e gratuita na República brasileira https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15818 <p>Neste artigo, procuramos analisar por meio de pesquisa bibliográfica o acesso à educação pública e gratuita no Brasil República. O estudo da história da educação brasileira é essencial para compreendermos os desafios da educação contemporânea. Os eventos pretéritos podem ser revisitados a partir de novas preocupações do tempo presente. Dito de outra forma, existe uma contínua relação dialógica entre o presente e o passado. A educação pública e gratuita é uma conquista da sociedade brasileira que não deve ser naturalizada, pois está inserida em contextos diversos e marcada por avanços e retrocessos, rupturas e continuidades.</p> Marcos Jovino Asturian Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 112 126 10.5335/hdtv.24n.1.15818 A instituição militar brasileira no século XIX: https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15342 <p>O objetivo deste artigo é apresentar um panorama do Exército brasileiro no século XIX pelo olhar dos periódicos militares, publicados entre 1854 e 1879. Os periódicos estão inseridos dentro do campo da imprensa periódica militar e configuram-se como fonte e objeto de pesquisa. Durante o século XIX, a imprensa periódica militar foi ativa, publicando diversos jornais em muitas províncias do Império. O estudo dos periódicos faz-se importante para compreender o discurso neles veiculado e sua análise traz importantes considerações sobre a história do Exército. Este estudo está inserido no campo da Nova História Militar que busca lidar com novos problemas e novas perspectivas no estudo das instituições militares. O discurso dos periódicos e da situação do Exército no período nos leva a pensar sobre as questões de profissionalização da força armada brasileira no século XIX e suas implicações.</p> Fernanda de Santos Nascimento Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 127 143 10.5335/hdtv.24n.1.15342 O debate historiográfico acerca da crise do século XIV https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15207 <p lang="de-DE" align="justify">A proposta do artigo é pensar como o século XIV foi compreendido pela historiografia europeia que se debruçou acerca desse período. Para tanto, serão colocadas, em cotejamento, perspectivas econômicas, políticas, sociais e culturais de análises que buscaram pensar o século XIV como um período de crises que culminaram no fim da Idade Média e início da Idade Moderna, com a emergência do capitalismo ou, então, que questionaram a ideia de crise e colocaram luz para os progressos do período e enfatizaram as permanências e continuidades. Sem a pretensão de esgotar o debate, a intenção, aqui, é, portanto, demonstrar as possibilidades interpretativas e revisões historiográficas acerca de um período histórico entendido como fundamental para se analisar o mundo ocidental.</p> Kátia Brasilino Michelan Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 144 163 10.5335/hdtv.24n.1.15207 A escrita da história da Farroupilha https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15819 <p>O presente artigo quer examinar como a operação historiográfica se articula com a construção de sentido na narrativa da historiografia. O período e espaço investigado é a primeira metade do século XIX no Brasil. Isto é, tem-se por objetivo analisar como foi construída a narrativa sobre a Farroupilha no contexto denominado “Construção da Ordem”. Para isso, são analisadas duas obras do político e integrante do IHGB Saturnino de Souza e Oliveira Coutinho, que foram publicadas no respectivo período. Portanto, o problema que norteia o artigo é saber como tais obras/fontes se articulam com a construção da ordem monárquica, por um lado, e, por outro lado, na disputa política palaciana em torno do monarca. Por fim, o artigo infere que, ao analisar tais obras a partir da operação historiográfica, política e historiografia correm em via única para o sentido narrativo das obras examinadas.</p> Fabrício Antônio Antunes Soares Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 164 185 10.5335/hdtv.24n.1.15819 O golpe de abril de 1964 e porque as datas importam https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15540 <p>Problematizando sobre a relevância política das datas históricas, este artigo retoma o dilema sobre qual é o exato dia do golpe de Estado de 1964: 31 de março ou 1° de abril? Defende que apesar do movimento militar golpista ter se iniciado na manhã do dia 31 de março, foi apenas no dia 1° de abril que o êxito do golpe se confirmou. Até o dia 1°, havia condições de resistência que, por vários motivos, foram desperdiçadas pelo governo federal e seus apoiadores.</p> Lineker Noberto Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 11 23 10.5335/hdtv.24n.1.15540 Prisioneiros no país do silêncio https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15539 <p>O artigo debate sobre um conjunto de fatores que edificam e caracterizam uma Cultura do Medo, e como esta foi peça planejada e fundamental na sustentação da ditadura civil-militar brasileira (1964-1985). Argumenta, pois, pela principalidade do conceito de Cultura do Medo, em associação com o de Terrorismo de Estado, para compreensão complexificada da dinâmica social do período, inclusivamente das relações entre Estado e sociedade civil.</p> Maicon Mauricio Vasconcelos Ferreira Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 24 39 10.5335/hdtv.24n.1.15539 Direito à memória e à verdade https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15346 <p>O presente artigo procura construir uma perspectiva narrativa que enfatiza o valor da memória como elemento fundamental para a noção de verdade no Brasil contemporâneo. Destaca-se, num primeiro momento, a elaboração de uma perspectiva mais teórica sobre as construções das memórias, onde um dos conceitos centrais é a noção de memória subterrânea para configurar um estudo de caso. Num segundo momento, ilustra-se o estudo de caso com narrativas testemunhais sobre pessoas desaparecidas na ditadura militar brasileira. Para estabelecer esse laço entre uma perspectiva teoria e os elementos testemunhais, utiliza-se da metodologia histórica crítica, com pesquisa documental, possibilitando-se a intensidade do estudo de caso e seus aspectos teóricos. Conclui-se a importância dos testemunhos de atores periféricos para a repactuação do Estado após período autoritário.</p> Ivo dos Santos Canabarro Bianca Strücker Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 40 60 10.5335/hdtv.24n.1.15346 “Para combater o ‘redil da fina flor comunista’” https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15564 <p>Este artigo propôs-se acompanhar as atividades de vigilância e repressão, promovidas pelo regime militar através do Serviço Nacional de Informações (SNI), no âmbito da Universidade Federal do Pará (UFPA). Tomamos, como objeto de pesquisa, a produção de dados a respeito da comunidade acadêmica durante esse período e, para isso, lançamos mão de documentos de acesso restrito no contexto de sua produção, cujo sigilo foi “quebrado” há poucos anos, além de fontes orais, fotografias e notícias divulgadas em jornais. As fontes permitem identificar os mecanismos autoritários usados pelo regime militar para frear a resistência estudantil universitária na Amazônia.</p> Renan Nascimento Reis Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 61 80 10.5335/hdtv.24n.1.15564 O legado de Carlos Marighella e as memórias sobre a resistência armada na música contemporânea https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15710 <p class="western" style="line-height: 150%; margin-bottom: 0cm;" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-weight: normal;">A p</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;">artir do conceito de </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>intelectual orgânico</em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"> de Antonio Gramsci o presente trabalho busca compreender a construção memorialística de diferentes agrupamentos sociais diante das heranças da luta armada contra a Ditadura Militar brasileira a partir da inscrição da figura de Carlos Marighella nas canções </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>Mil faces de um homem leal</em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"> (2012) do grupo Racionais MCs, e </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>Um comunista</em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"> (2012) de Caetano Veloso.</span></span></span> <span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-weight: normal;">A an</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times new roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">álise demonstra como distintas perspectivas de classe por parte dos artistas citados traduzem-se em apropriações diversas do legado de Carlos Marighella. </span></span></span></span></span></p> Diego Grossi Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 81 93 10.5335/hdtv.24n.1.15710 Sumário Trilíngue https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15814 Revista História Debates e Tendências (HDT) Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 01 05 10.5335/hdtv.24n.1.15814 Apresentação https://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/15815 Diorge Alceno Konrad Tatyana de Amaral Maia Copyright (c) 2024 Revista História: Debates e Tendências http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-27 2024-04-27 24 1 06 10 10.5335/hdtv.24n.1.15815