Associações entre aspectos psicossociais e agravos odontológicos em pessoas com doença Falciforme no Brasil: uma revisão de literatura

Autores

  • Mateus Zilch Scheuermann Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Marlise Ladvocat Bartholomei-Santos Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.5335/rfo.v29i1.15864

Palavras-chave:

Odontologia, Doença Falciforme, Intervenção Psicossocial

Resumo

Objetivos: sintetizar dados relativos à prevalência da Doença Falciforme (DF) no Brasil; identificar como os aspectos psicossociais impactam na qualidade de vida (QV) desses indivíduos; analisar as ações públicas dirigidas para o bem-estar dos pacientes com DF; e avaliar as diretrizes do tratamento odontológico para os pacientes com DF. Revisão de literatura: a DF é uma doença comum no Brasil e no mundo, sendo que pessoas pretas e pardas são as mais acometidas. Fatores como baixa escolaridade, desemprego e habitação periférica estão presentes na vida de muitos indivíduos com DF. Além disso, essas pessoas podem estar sujeitas a ambientes de preconceito. Assim sendo, o meio social pode interferir diretamente nas condições psicológicas. Há políticas públicas voltadas para portadores de DF, no entanto, mesmo assim, muitas dificuldades perpetuam-se. Nesse contexto, o cirurgião-dentista (CD) deve conhecer essas características da DF e as possíveis implicações clínicas, para planejar adequadamente os tratamentos. Considerações finais: há uma significativa interação entre os fatores sociais e psicológicos no que tange às manifestações clínicas da doença. A análise dos determinantes contextuais, as peculiaridades de cada paciente e as diferenças regionais são fatores que devem ser considerados a fim de aumentar a QV desses pacientes; somado a isso, é preciso que o CD tenha conhecimento sobre esse tema, forneça tratamento adequado aos pacientes com DF e contribua para o esclarecimento da população, auxiliando a extinguir estereótipos e preconceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlise Ladvocat Bartholomei-Santos, Universidade Federal de Santa Maria

Professora do Departamento de Ecologia e Evolução - Centro de Ciências Naturais e Exatas - UFSM.

Referências

Guimarães CTL, Coelho GO. A importância do aconselhamento genético na anemia falciforme. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15(1):1733-1740.

Soares LF, Leal JMA, Vieira JFPN, Oliveira EH. Prevalência das hemoglobinas S e C em heterozigose em duas comunidades de povos de Terreiros na cidade de Teresina, Piauí. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2015; 36(1):91-95.

Paiva e Silva RB, Ramalho AS, Cassoria RMS. A anemia falciforme como problema de saúde pública no Brasil. Rev. Saúde Pública 1993; 27(1):54-58.

Brasil. Doença Falciforme conhecer para cuidar. Ministério da Saúde, Brasília, 2015, p. 1-40.

Thompson & Thompson genética médica. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.

Di Nuzzo DVP, Fonseca SF. Anemia falciforme e infecções. Jornal de Pediatria 2004; 80(5):347-354.

Serjeant GR. A doença da célula falciforme. Anais Nestlè. 1999;58:11-22.

Costa FF. Anemia Falciforme. In: Zago MA, Falcão RP, Pasquini R. Hematologia Fundamentos e Prática. 1a ed. Rio de Janeiro: Atheneu; 2001. p. 289-307.

Lopes WSL, Gomes R. A participação dos conviventes com a doença falciforme na atenção à saúde: um estudo bibliográfico. Ciência & Saúde Coletiva 2020; 25(8):3239-3250.

Silva ACR. Compartilhando genes e identidades: orientação genética, raça e políticas de saúde para pessoas com doença e traço falciforme em Pernambuco [Tese de Doutorado]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2013.

Brasil. Doença Falciforme saúde bucal: prevenção e cuidado. Ministério da Saúde, Brasília, 2014, p. 1-60.

Acacio NH, Machado C, Gursky LC, Milani CM. Cirurgia oral em paciente com anemia falciforme: o que o cirurgião-dentista precisa saber. Relato de caso. Odonto 2015; 23(45-46):83-88.

Hosni JS, Fonseca MS, Silva LCP, Cruz RA. Protocolo de atendimento odontológico para paciente com anemia falciforme. Arq bras odontol 2008; 4(2):104-112.

Brasil. Doença Falciforme atenção integral à saúde das mulheres. Ministério da Saúde, Brasília, 2015, p. 1-145.

Guedes C, Diniz D. Um caso de discriminação genética: o traço falciforme no Brasil. Rev. Saúde Coletiva 2007; 17(3):501-520.

Quais os cuidados devem ser tomados durante o tratamento odontológico de gestantes portadoras de anemia falciforme? – BVS Atenção Primária em Saúde [Internet]. Espírito Santo: publicado em 4 de junho de 2019. Disponível em : https://aps-repo.bvs.br/aps/quais-os-cuidados-devem-ser-tomados-durante-o-tratamento-odontologico-de-gestantes-portadoras-de-anemia-falciforme/

Berghs MJ, Horne F, Yates S, Graham S, Kemp R, Webster A, et al. Black sickle cell patients’ lives matter: healthcare, long-term shielding and psychological distress during a racialised pandemic in England - a mixed-methods study. BMJ Open 2022; 12(9):e057141.

Caprini FR, Motta AB. The psychological impact on family caregivers of children and adolescents with sickle cell anemia. Estud. psicol. 2021; 38:e190168.

Espinoza J, Shah P, Veluswamy S, Zeltzer L, Khoo MCK, Coates TD, et al. Aura and mental stress are associated with reports of pain in sickle cell disease - a pilot study using a mobile application. American Journal of Hematology 2020; 95(4):101-103.

Johnson YL, Woodward K, Dampier C, Cohen L, Sil S. Biopsychosocial factors associated with parenting stress in pediatric sickle cell disease. J Clin Psychol Med Settings 2022; 29(2):365–374.

Nascimento LCN, Souza TV, Oliveira ICS, Morais RCM, Andrade MAC. Interlização do cuidado: um estudo qualitativo com escolares que convivem com a doença falciforme. Esc Anna Nery 2021; 25(1):e20190337.

Reader SK, Keeler CN, Chen FF, Ruppe NM, Rash-Ellis DL, Wadman JR, et al. Psychosocial screening in sickle cell disease: validation of the psychosocial assessment tool. Journal of Pediatric Psychology 2020; 45(4):423–433.

Shah P, Khaleel M, Thuptimdang W, Sunwoo J, Veluswamy S, Chalacheva P, et al. Mental stress causes vasoconstriction in subjects with sickle cell disease and in normal controls. Haematologica 2020; 105(1):83-90.

Silva-Pinto AC, Costa FF, Gualandro SFM, Fonseca PBB, Grindler CM, Souza Filho HCR, et al. Economic burden of sickle cell disease in Brazil 2022; 17(6):e0269703.

Aulestia-Viera PV, Alves IDC, Chicrala GM, Santos PSS, Junior LAVS. Manejo odontológico del paciente con anemia falciforme: revisión integrativa. Odontología 2020; 22(2):92-107.

Yarboi J, Prussien KV, Bemis H, Williams E, Watson KH, McNally C. Responsive Parenting behaviors and cognitive function in children with sickle cell disease. Journal of Pediatric Psychology 2019; 44(10):1234–1243.

Brasil. Ministério da Saúde. Governo Federal reforça necessidade do diagnóstico precoce da Doença Falciforme [Internet]. Brasília: publicado em 20/06/2022 [atualizado em 03/11/2022]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/2022/junho/governo-federal-reforca-necessidade-do-diagnostico-precoce-da-doenca-falciforme

Amaral JL, Almeida NA, Santos PS, Oliveira PP, Lanza FM. Perfil sociodemográfico, econômico e de saúde de adultos com doença falciforme. Rev Rene. 2015; 16(3):296-305.

Cançado RD, Jesus JA. A doença falciforme no Brasil. Rev. bras. hematol. hemoter. 2007; 29(3):203-206.

Milhomem BM. Prevalência do traço e da anemia falciforme em recém-nascidos em várias regiões do país: revisão de literatura. Health Research Journal 2018; 1(1):77-91.

Torres FR, Bonini-Domingos CR. Hemoglobinas humanas - hipótese malária ou efeito materno? Rev. bras. hematol. hemoter. 2005; 27(1):53-60.

Santos TG, Santos TD, Santos Junior NN, Santos MS, Araújo TS, Almeida JS, et al. Origem da relação entre malária e anemia falciforme. Rev. Psic. 2022; 16(61):128-140.

Ramos EMB, Ramos PRB, Carvalho MHP, Silva DM, Dutra Júnior PHF. Portadores de doença falciforme: reflexos da história da população negra no acesso à saúde. Reciis – Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde 2020; 14(3):681-691.

Geller LN, Alper JS, Billings PR, Barash CI, Beckwith J, Natowicz MR. Individual, family, and societal dimensions of genetic discrimination: a case study analysis. Science and Engineering Ethics 1996; 2:71-88.

Laguardia J. No fio da navalha: anemia falciforme, raça e as implicações no cuidado à saúde. Estudos Feministas 2006. 14(1): 243-262.

Guerra A. Do holocausto nazista à nova eugenia no século XXI. Cienc. Cult. 2006; 58(1):4-5.

Fry PH. O significado da anemia falciforme no contexto da ‘política racial’ do governo brasileiro 1995-2004. História, Ciências, Saúde 2005; 12(2):347-370.

Pereira SAS, Cardoso CS, Brener S, Proietti ABFC. Doença falciforme e qualidade de vida: um estudo de percepção subjetiva dos pacientes da Fundação Hemominas, Minas Gerais, Brasil. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2008; 30(5):411-416.

Toledo SLO, Trindade GC, Pimenta CT, Lopes AF, Alpoim PN, Rios DRA, et al. Avaliação da qualidade de vida de pacientes com Doença Falciforme. Rev Med Minas Gerais 2020; 30:1-8.

Roberti MRF, Moreira CLNSO, Tavares RS, Borges Filho HM, Silva AG, Maia CHG, et al. Avaliação da qualidade de vida em portadores de doença falciforme do Hospital das Clínicas de Goiás, Brasil. Rev Bras Hematol Hemoter. 2010; 32(6):449-454.

Barroso LMFM, Nascimento C, Leal ELG, Carvalho GCN, Moura KF, Vieira ACS. Implicações sociais na vida da pessoa com anemia falciforme. R. pesq.: cuid. fundam. 2021; 13:705-710.

Alves SAA, Oliveira MLB. Aspectos socioculturais da saúde e da doença e suas repercussões pragmáticas. J Hum Growth Dev. 2018; 28(2):183-188.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva 2000; 5(1): 163-177.

Santos ARB, Miyazaki MCO. Grupo de sala de espera em ambulatório de doença falciforme. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva 1999; 1(1):41-48.

Felix AA, Souza HM, Ribeiro SBF. Aspectos epidemiológicos e sociais da doença falciforme. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010; 32(3):203-208.

Brasil. Portaria n. 1.018, de 1º de julho de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, 2005.

Brasil. Portaria n. 1.391, de 16 de agosto de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, 2005.

Máximo C. A Política de Atenção Integral à Pessoa com Doença Falciforme no Estado do Rio de Janeiro e os Desafios da Descentralização [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2009.

Brasil. Portaria Conjunta n. 5, de 19 de fevereiro de 2018. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Brasília, 2018.

Brasil. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Doença Falciforme. Ministério da Saúde, Brasília, 2016, p. 1-29.

Brasil. Doença Falciforme Manual do Paciente. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Brasília, p. 1-8.

Brasil. Manual da Anemia Falciforme para a População. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada, Brasília, 2007, p. 1-24.

Loggetto SR, Pellegrini-Braga JA, Costa-Carvalho BT, Solé D. Alterações imunológicas em pacientes com anemia falciforme. Rev. bras. alerg. imunopatol. 1999; 22(3):77-82.

Friedrisch JR. Cirurgia e anestesia na doença falciforme. Rev. bras. hematol. hemoter. 2007; 29(3):304-308.

Kawar N, Alrayyes S, Yang B, Aljewari H. Oral health management considerations for patients with sickle cell disease. Dis Mon 2018; 64(6):296-301.

Little JW, Falace DA, Millers CS, Rhodus NL. Dental Management of the Medically Compromised Patient. 6th ed. St. Louis: Mosby; 2002:365-386.

Rodrigues MJ, Menezes VA, Luna ACA. Saúde Bucal em portadores da anemia falciforme. RGO - Rev Gaúcha Odontol. 2013; 61:505-510.

Rodrigues WCC, Seibert CS, Silva KLF. Um olhar sobre a formação do aluno com doença falciforme. Revista Desafios 2017; 4(1):86-94.

Primeira Conferência Internacional Sobre Promoção de Saúde. Carta de Ottawa. Ottawa, 1986.

Barakat LP, Patterson CA, Daniel LC Dampier C. Quality of life among adolescents with sickle cell disease: mediation of pain by internalizing symptoms and parenting stress. Health and Quality of Life Outcomes 2008; 6(1):60-68.

Bulgin D, Tanabe P, Jenerette C. Stigma of sickle cell disease: a systematic review. Issues in Mental Health Nursing 2018; 39(8):675-686.

Lobo C. Doença falciforme - um grave problema de saúde pública mundial. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010; 32(4):280-281.

Sabino MF, Gradella DBT. Perfil epidemiológico de pacientes internados por doença falciforme no estado do Espírito Santo, Brasil (2001-2010). Rev. Bras. Pesq. Saúde 2016; 18(2):35-41.

Brasil. Clínica ampliada, equipe de referência e Projeto Terapêutico Singular. Ministério da Saúde, Brasília, 2007.

Downloads

Publicado

30-05-2024

Como Citar

Zilch Scheuermann, M., & Ladvocat Bartholomei-Santos, M. (2024). Associações entre aspectos psicossociais e agravos odontológicos em pessoas com doença Falciforme no Brasil: uma revisão de literatura. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 29(1). https://doi.org/10.5335/rfo.v29i1.15864

Edição

Seção

Revisão de Literatura