Da biópsia para o microscópio: processamento tecidual em odontologia

Autores

  • Gabriel Bassan Marinho Maciel UFSM
  • Taline Laura Guse UFSM
  • Roberto Marinho Maciel UFSM
  • Cristiane Cademartori Danesi UFSM

DOI:

https://doi.org/10.5335/rfo.v29i1.15611

Palavras-chave:

Hematoxilina, Histologia, Microtomia, Fixação de Tecidos

Resumo

Objetivo:  O objetivo desta revisão de literatura é descrever as etapas fundamentais do processamento tecidual para microscopia óptica com coloração de hematoxilina e eosina (HE) de interesse na odontologia. Revisão de Literatura: O processamento tecidual para coloração com HE é constituída basicamente por 7 etapas sequenciais. Imediatamente após a biópsia, o espécime é fixado em formol a fim de interromper a autólise tecidual. Em seguida, na etapa de clivagem, a peça sofre redução de tamanho para facilitar a penetração do agente fixador. Caso a amostra seja dente ou tecido ósseo, ela passa por um processo de descalcificação prévio à clivagem. Nas etapas de processamento e inclusão ocorre remoção de líquidos do interior das células para que em seu lugar entre parafina, e o tecido é incluido em um molde para formar um bloco rígido de parafina, o qual será cortado na fase de microtomia. Finas secções teciduais são então aderidas a uma lâmina, coloridas e seladas. Conclusão: Um ótimo resultado na obtenção de lâminas histológicas depende da execução correta de todas as etapas do processamento tecidual, sendo também influenciado pelos cuidados do cirurgião-dentista com a amostra a ser enviada ao laboratório.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gartner LP, Hiatt JL. Tratado de histologia em cores. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

Chan JKC. The Wonderful Colors of the Hematoxylin–Eosin Stain in Diagnostic Surgical Pathology. International Journal of Surgical Pathology. 2014;22(1):12-32.

Cook HC. Origins of...Tinctorial methods in histology. J Clin Pathol;50:716-720, 1997.

Nunes C de S, Cinsa LA. Princípios do processamento histológico de rotina. Revista interdisciplinar de estudos experimentais. v. 8. n. 1, 2016.

Timm L de L. Técnicas rotineiras de preparação e análise de lâminas histológicas. Canoas: Caderno La Salle XI. v. 2. n. 1, 2005.

Caputo LFG, Gitirana L de B, Manso PP de A. Técnicas Histológicas. In: Conceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; IOC, 2010.

Pereira FEL. Degenerações/ morte celular. In: FILHO, G. B. Bogliolo, patologia geral. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara e Koogan, 2013.

Musiał A, Gryglewski RW, Kielczewski S, Loukas M, Wajda J. Formalin use in anatomical and histological science in the 19th and 20th centuries. Folia Medica Cracoviensia. v. 56. n. 3, 2016.

Barbosa RP de S, Paiva MDEB, Rodrigues TLC, Rodrigues FG. Valorizando a biópsia na clínica odontológica. Belo Horizonte: Arquivos em odontologia. v. 4. n.4, 2005.

Slaoui M, Fiette L. Histopathology procedures: from tissue sampling to histopathological evaluation. In: GAUTIER, J. Drug Safety Evaluation: Methods and Protocols, Methods in Molecular Biology, v. 691, 2011.

Aarestrup BJ. Histologia essencial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.

Carvalho LF das CS, Neves ACC, Ricardo LH, Rode S de M. Tempo de descalcificação e preservação do núcleo celular de tecido mineralizado descalcificado com ácido nítrico a 5%, EDTA a 7% e Biodec-R. Revista Periodontia, v. 18. n. 2, 2008.

Pittella JEH, Pena GP. Pigmentações/ Calcificações. In: FILHO, G. B. Bogliolo, patologia geral. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara e Koogan, 2013.

Choube A, Astekar M, Choube A, Sapra G, Agarwal A, Rana A. Comparison of decalcifying agents and techniques for human dental tissues. Biotechnic & Histochemistry. v. 93. n. 2, 2018.

R15. Bumalee D, Lapthanasupkul P, Songkampol K, Srimaneekarn N, Kitkumthorn N, Arayapisit T. Qualitative Histological Evaluation of Various Decalcifying Agents on Human Dental Tissue. Eur J Dent.v. 17 n. 3, 2023.

Prophet EB, Mills B, Arrington JB, Sobin LH. Laboratory methods in histotechnology. Washington, D.C: Armed Forces Institute of Pathology. American Registry of Pathology, 1994.

Costa KNS, Pinheiro IO, Calazans GT, Nascimento MS. Avaliação dos riscos associados ao uso do xilol em laboratórios de anatomia patológica e citologia. São Paulo: Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. v. 32. n. 116, 2007.

Mohammed F, Arishiya TF, Mohamed S. Microtomes and microtome knives – A review and proposed classification. Annals of Dentistry. University of Malaya. v. 19, n. 2, 2012.

Bezerra H de L, Rizzo LV, Yu MCZ, Freitas D. Utilização da albumina na citologia esfoliativa em pacientes com conjuntivite alérgica. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. v. 66. n. 6, 2003.

Titford M. A short history of histopathology technique. The Journal of Histotechnology. v. 29. n. 21, 2006.

Almeida LM de, Pires CE de BM, Coelho AB. Microscopia: contexto histórico, técnicas e procedimentos para observação de amostras biológicas. São Paulo: Érica 2014.

Downloads

Publicado

25-03-2024

Como Citar

Bassan Marinho Maciel, G. ., Guse, T. L., Marinho Maciel, R. ., & Cademartori Danesi, C. . (2024). Da biópsia para o microscópio: processamento tecidual em odontologia. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 29(1). https://doi.org/10.5335/rfo.v29i1.15611

Edição

Seção

Revisão de Literatura