O domínio do código escrito em redações de vestibular

Autores

  • Telisa Furlanetto Graeff
  • Fabíola Onhatte

Palavras-chave:

Código escrito. Redação. Hipercorreção. Impropriedade vocabular. Uso de aspas.

Resumo

Verificou-se, em redações de vestibular, se, após 11 anos de estudo sistemático da língua portuguesa, os alunos usavam adequadamente o código escrito do dialeto padrão e, em caso de ocorrer o uso de expressões próprias de outras variedades, se essas estruturas eram mantidas a distância, pelo uso de aspas. Observou-se em cada redação o domínio da ortografia, das regras de concordância e de regência verbal e nominal e das regras de pontuação. Foi analisado também o léxico, no ponto de vista da propriedade do uso. Verificou-se, por fim, a ocorrência de hipercorreção. As redações dos alunos revelaram que a escola foi eficiente no ponto de vista do domínio do dialeto padrão escrito, uma vez que predominou o uso dessa variedade, tendo-se verificado o uso marcado de outros dialetos e registros. Percebeu-se, contudo, que o domínio do código padrão não garantiu a produção de textos bem formados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

18-08-2009

Como Citar

Graeff, T. F., & Onhatte, F. (2009). O domínio do código escrito em redações de vestibular. Revista Desenredo, 2(2). Recuperado de https://seer.upf.br/index.php/rd/article/view/517

Edição

Seção

Artigos