Processo de implementação de uma política de gestão ambiental: o papel do sistemas de crenças de Simons (1995)

  • Lidiane Zambenedetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Erechim - IFRS Universidade de Passo Fundo - UPF
  • Rodrigo Angonese Universidade de Passo Fundo - UPF

Resumo

Esta pesquisa objetivou investigar o papel do sistema de crenças (SIMONS, 1995) na implementação de uma política de controle ambiental. O sistema de crenças inclui a descrição da missão, visão e credos da organização. A política de controle ambiental inclui planos, programas e procedimentos específicos, voltados ao meio ambiente. Pesquisa qualitativa, operacionalizada pelo método de estudo de caso. A coleta de dados ocorreu pela observação, análise documental e entrevistas. Constou-se que o sistema de crenças sempre esteve presente na empresa e foi formalizado a partir da implementação do projeto ambiental. Os resultados mostram que o sistema de crenças influenciou positivamente a implementação da política de controle ambiental na empresa.

Biografia do Autor

Lidiane Zambenedetti, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Erechim - IFRS Universidade de Passo Fundo - UPF
Contadora Mestre em Administração - UPF
Rodrigo Angonese, Universidade de Passo Fundo - UPF
Contador Mestre em Controladoria e Contabilidade - UNISINOS Doutor em Ciências Contábeis e Administração - FURB

Referências

ALVES, A. B. Desenho e uso dos sistemas de controle gerencial e sua contribuição para a formação e implementação da estratégia organizacional. 2010. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

ANTHONY, R. N. Planning and control systems: a framework for analysis. Boston: Harvard Business School Press, 1965.

ANTHONY, R. N.; GOVINDARAJAN, V. Sistemas de Controle Gerencial. São Paulo: Atlas, 2006.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14001:1996 - sistemas de gestão ambiental - especificações e diretrizes para uso. Rio de Janeiro, 1996.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1994.

BIANCHI, P. Meio ambiente: certificações ambientais e comércio internacional. 1 ed. Curitiba: Juruá, 2003.

BURNS, J.; SCAPENS, R. W. Conceptualizing management accounting change: an institutional framework. Management Accounting Research, v. 11, p. 3-25, 2000.

CALLENBACH, Ernest, et al. Gerenciamento ecológico. São Paulo: Cultrix, 1993.

CERVO, A. L. BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CHENHALL, R. H. Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, vol. 28, n. 2-3, p. 127–168, 2003.

DONAIRE, D. Gestão Ambiental na Empresa. São Paulo: Atlas, 1999.

FARIAS, N.R. de; ZIBETTI, R.A. Gestão Ambiental: Responsabilidade da Empresa. UNIVEL, Cascavel, 1997.

FLAMHOLTZ, E. Effective organizational control : a framework, applications, and implications. European Management Journal, v. 14, n. 6, p. 596-611, Dec. 1996.

FREZATTI, F.; JUNQUEIRA, E. R.; NASCIMENTO, A. R. do; RELVAS, T. R. S. . Proposta de tratamento abrangente dos problemas relacionados ao orçamento: análise substantiva com utilização da Grounded Theory. In: XXXIII Encontro da ANPAD, 2009, São Paulo. Anais XXXIII Encontro da ANPAD, São Paulo/SP, 2009.

HORNGREN, C. T., SUNDEM, G.L., STRATTON, W. O. Contabilidade Gerencial. 12 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

KAPLAN, R.S., NORTON, Organização Orientada para a Estratégia. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

KINLAW, Denis C. Empresa Competitiva e Ecológica, desempenho sustentado na área ambiental, São Paulo: Malthon Books, 1997.

MALMI, T.; BROWN, D. A. Management control systems as a package – Opportunities, challenges and research directions. Management Accounting Research, v. 19, p. 287-300, 2008.

MARGINSON, D. E. W. Management control systems and their effects on strategy formation at middle-management levels: evidence from a U.K. organization. Strategic Management Journal, 23, p. 1019-1031, 2002.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2016.

MERCHANT, K; VAN DER STEDE, W.A. Management Control Systems, 2.nd ed. England: Prentice Hall, Pearson Education Limited, Harlow, Essex, 2007.

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. The American Journal of Sociology, v. 83, n. 2, p. 340-363, 1977.

MUNDY, J. Creating dynamic tensions through a balanced use of management control system. Accounting, Organizations and Society, v. 35, n. 5, p. 499-523, 2010.

OTLEY, D.T.; BERRY, A.J.: Case Study Research in Management Accounting and Control, Management Accounting Research, v. 5, n. 1, p. 45-65, 1994.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e pesquisa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

SIMONS, R. Levers of control. Harvard Business School Press, Boston, Massachussets, Estados, 1995.

SIMONS, R. Performance Measurement and Control Systems for Implementing Strategy: Text and Cases. Prentice Hall, Upper Saddle River: NJ USA, 2000.

TACHIZAWA, T.; CARVALHO, A. B. Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. São Paulo: Makron Books. 2000.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Publicado
2018-12-12
Como Citar
Zambenedetti, L., & Angonese, R. (2018). Processo de implementação de uma política de gestão ambiental: o papel do sistemas de crenças de Simons (1995). Revista Teoria E Evidência Econômica, 24(50). https://doi.org/10.5335/rtee.v24i50.7795