O valor econômico da savana metalófita da Floresta Nacional de Carajás, estado do Pará: uma contribuição teórica e metodológica

  • Antônio Cordeiro De Santana http://orcid.org/0000-0002-4324-9178
  • Rafael Paiva Salomão
  • Ádamo Lima De Santana
  • Alexandre F. Castilho
  • Sérgio Castro Gomes

Resumo

O objetivo deste trabalho é estimar o valor econômico da vegetação de canga da Flona de Carajás, que inclui espécies raras e endêmicas. Utilizou-se uma abordagem econômica e ecológica na escolha das variáveis explanatórias do modelo integrado de avaliação contingente (MIAC), especificado pelas equações de disposição a pagar (DAP), pela preservação de disposição a receber (DAR) e pela indenização da canga. Os valores médios da DAP e da DAR foram, respectivamente, de R$ 4.073,84/ha e R$ 4.415,56/ha. A diferença entre esses valores médios foi de apenas 8,39% em função do esclarecimento feito aos entrevistados sobre as características e as potencialidades econômicas e ecológicas da canga. Os valores da DAP e da DAR foram compostos pelas dimensões econômica de 52,1% e de 59,5%, sociodemográfica de 11,7% e 10,2%, de serviços ecossistêmicos de 20,05% e 16,8% e a tácita de 15,7% e 13,6%.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-09-08
Como Citar
De Santana, A., Salomão, R., De Santana, Ádamo, Castilho, A., & Gomes, S. (2017). O valor econômico da savana metalófita da Floresta Nacional de Carajás, estado do Pará: uma contribuição teórica e metodológica. Revista Teoria E Evidência Econômica, 23(48). https://doi.org/10.5335/rtee.v23i48.7358

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##