A sustentabilidade do desempenho competitivo das madeireiras da região Mamuru-Arapiuns, estado do Pará

  • Antônio Cordeiro de Santana
  • Ismael Matos da Silva
  • Rubens Cardoso da Silva
  • Cyntia Meireles de Oliveira
  • Adriana GiselyTavares Barreto

Resumo

A economia madeireira do Estado do Pará é a segunda mais importante nas exporta-ções e no número de ocupações. Por outro lado, pratica uma exploração não sustentável dos recursos florestais madeireiros e não madeireiros. O nível de agregação de valor aos produtos, em média, ainda é baixo; a mão de obra apresenta insuficiente qualificação educacional e tecnológica, assim como é baixo o nível de capacidade empreendedora e da organização social dos empresários locais. A análise fatorial revelou a existência de quatro fatores capazes de explicar o desempenho competitivo das empresas de produtos madeireiros: capacidade empresarial, mercado, logística competitiva e desenvolvimento local. O índice sistêmico de desempenho competitivo revelou três empresas com alto desempenho competitivo, 33 com desempenho intermediário e 18 com baixo desempenho. A capacidade empresarial, geralmente traduzida no porte da empresa, no aparato tecnológico (máquinas e equipamentos para desdobrar madeira) e na inserção nos mercados nacional e internacional, domina a dinâmica competitiva dessas empresas, porém com baixo nível de sustentabilidade. Os resultados para o desenvolvimento local, que agrega a formação de capital humano, capital social e emprego de inovações tecnológicas apropriadas, apresentaram-se como as limitações concretas ao desenvolvimento local e sustentável da região pesquisada e, certamente, da Amazônia. Palavras-chave: Competitividade sistêmica. Sustentabilidade. Cadeia produtiva. Empresas madeireiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2009-09-01
Como Citar
Santana, A., Silva, I., Silva, R., Oliveira, C., & Barreto, A. (2009). A sustentabilidade do desempenho competitivo das madeireiras da região Mamuru-Arapiuns, estado do Pará. Revista Teoria E Evidência Econômica, 15(33). https://doi.org/10.5335/rtee.v15i33.4271