O Instituto da Reserva em tratados multilaterais: Integridade e universalidade

  • Aline Almeida Coutinho Souza Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Reservas, Tratados Multilareais, Convenção de Viena, 1969, Corte Internacional de Justiça

Resumo

Esse artigo analisa o instituto das reservas em tratados multilaterais, para tanto, utiliza-se como parâmetro a Opinião Consultiva proferida pela Corte Internacional de Justiça, em 1951, a qual é considerada ainda hoje como um verdadeiro “divisor de águas”, pois foi a partir dela que grandes modificações foram feitas a respeito deste instituto jurídico e que inclusive culminou na redação dos artigos 19 a 23 da Convenção de Viena, 1969. Sabe-se que quando se abandona a antiga regra da integridade pelo princípio da liberdade, surgem grandes inconvenientes que a própria Convenção não conseguiu remediar, como o desequilíbrio dos tratados e o comprometimento da uniformização do direito internacional. Porém ao abordar este tema por outra perspectiva, é possível perceber que a flexibilização das reservas fez com que mais Estados participassem dos tratados, o que contribuiu para maior cooperação entre as nações.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-08-31
Como Citar
Almeida Coutinho Souza, A. (2019). O Instituto da Reserva em tratados multilaterais: Integridade e universalidade. Revista Justiça Do Direito, 33(2), 46-66. https://doi.org/10.5335/rjd.v33i2.9418