História, política e prática poética em Angola

Agostinho Neto e Sagrada Esperança

Palavras-chave: Fontes Literárias, Angola, Agostinho Neto

Resumo

Este artigo trata do debate em torno da fonte literária dentro da disciplina da história, como ferramenta para compreender os imaginários e as representações hegemônicas e contra-hegemônicas. A partir daí, este artigo analisa como os angolanos, como subordinados no processo de descolonização, conseguiram exercer sua capacidade de agência através da ressignificação da literatura e, assim, resistiram ao processo de sujeição colonial. Para isso, a obra Sagrada Esperança, de Agostinho Neto, é analisada como ferramenta política dos dominados durante o processo de independência de Angola e como forma de conscientização e construção de identidade. Neste sentido, em primeiro lugar, a história de Angola e a sua literatura serão brevemente apresentadas e, a partir daí, se analisa a obra Sagrada Esperança e a sua relação com o processo de independência angolano.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origen e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ALCOY, David. Los portugueses de Angola durante los siglos XIX y XX. Revista Novaafrica, n. 20, 2007, p. 59-72.

BERND, Zilá. Literatura e identidade nacional. Porto Alegre: Martins Livreiro Editor, 1992.

CHAVES, Rita. Angola e Moçambique, Experiência Colonial e Territórios Literários. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

CHAVES, Rita. O romance em Angola: a identidade entre a história e a poesia, Anais. Belo Horizonte: PUC Minas, 2003.

CRESCENTINO, Diego S. “Hacia la consolidación de las identidades globales: Antiimperialismo y Sur Global”. In: LÓPEZ ZAPICO, Misael Arturo; RODRÍGUEZ CAMPESINO, Aida; VITÓN, Gonzalo (Orgs.). Nuevas miradas sobre el antiimperialismo y/o el antiamericanismo desde la Historia, la Literatura y el Arte. Madrid: Instituto de Estudios Internacionales y Europeos Francisco de Vitoria de la Universidad Carlos III de Madrid, 2019, p. 112-132.

CRESCENTINO, Diego S.; VITÓN, Gonzalo. “História do tempo presente: A tríplice fronteira entre passado, presente e futuro. Uma análise a partir da história oral e dos marcos normativos”. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 13, n. 33, 2020, p. 273-308.

LEÃO, Ângela Vaz. Contatos e ressonâncias: literaturas africanas de língua portuguesa. Belo Horizonte: PUC Minas, 2003.

CHAGASTELLES, Tânia. “A partilha da África e os impérios coloniais”. Ciências & Letras, n. 21/22, 1998, p. 29-49.

COOPER, Frederick. Africa since 1940. The past of the present. Nueva York: Cambridge University Press, 2002.

ERVEDOSA, Carlos. Roteiro da literatura angolana. Lisboa: Edições 70, 1985.

FRY, Peter. “Culturas da diferença: sequelas das políticas coloniais portuguesas e britânicas na África Austral”. Afro-Ásia, n. 29/30, 2003, p. 271-316.

GRECCO, Gabriela de Lima. “História e literatura: entre narrativas literárias e históricas, uma análise através do conceito de representação”, Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, v. 6, n. 11, 2014, p. 39-53.

GRECCO, Gabriela de Lima. “Da pós-modernidade ao cânone literário: a identidade sul-rio-grandense construída através dos textos literários”, Revista Educação, Ciência e Cultura, v. 20, 2015, p. 51-69.

GRECCO, Gabriela de Lima. De la pluma como oficio a la pluma oficial: estado y literatura durante los nuevos estados de Getúlio Vargas y Francisco Franco (1936-1945). Tese de Doutorado, Universidad Autónoma de Madrid, 2017.

KANDJIMBO, Luis. Ideogramas de Nganji. Lisboa: Novo Imbondeiro, 2003.

NETO, Agostinho. Sagrada Esperança. São Paulo: Editora Ática, 1985.

RIBEIRO, Djamila. “Breves reflexiones sobre Lugar de Enunciación”, Relaciones Internacionales, n. 39, 2018, pp. 13-18.

SAID, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SANTOS, Daniel dos. “Economia, Democracia e Justiça em Angola: O Efêmero e o Permanente”. Estudos Afro-Asiáticos, v. 23, nº 1, 2001, p. 99-133.

SHMITE, Stella Maris. “Del Estado poscolonial al Estado contemporáneo. ¿Una trayectoria de construcción social?” In: SHMITE, Stella Maris y NIN, María Cristina (Orgs.). África como espacio geográfico de análisis. La Pampa: Universidad Nacional de La Pampa, 2009. p. 95-118.

TAYLOR, Ian. African politics. A very short Introduction. Oxford: Oxford University Press, 2018.

THIONG'O, Ngũgĩ wa. Descolonizar la mente: La política lingüística de la literatura africana. Barcelona: Contemporánea, 2015.

TRIGO, Salvato. Ensaios de literatura comparada afro-luso-brasileira. Lisboa: Vega, 1986.

VIZENTINI, Paulo G. Fagundes. “A África (in)dependente/ 1945-98: processos políticos, desenvolvimento e relações internacionais”. Ciências & Letras, n. 21/22, 1998, p. 73-111.
Publicado
2021-08-24
Como Citar
de Lima Grecco, G., & Crescentino, D. (2021). História, política e prática poética em Angola. Revista História: Debates E Tendências, 21(3), 298 - 313. https://doi.org/10.5335/hdtv.21n.3.9908