Ditadura, política nuclear e grupos empresariais: o caso da participação da KWU/Siemens e da Odebrecht na construção das usinas de Angra dos Reis

  • Pedro Henrique Pedreira Campos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Rafael Vaz da Motta Brandão Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Usina nuclear de Angra dos Reis, Ditadura empresarial-militar brasileira, Empresariado

Resumo

O artigo problematiza a relação entre grupos empresariais e a ditadura brasileira, analisando especificamente os interesses do capital privado nacional e estrangeiro em torno da política nuclear brasileira e da obra das usinas de Angra dos Reis. Usando fontes oficiais, imprensa e documentos das empresas envolvidas, discutimos os benefícios concedidos pela ditadura para o grupo alemão KWU/Siemens, responsável pelos reatores e equipamentos elétricos das usinas, e para a construtora brasileira Norberto Odebrecht, encarregada das suas obras civis. Entendemos que o caso estudado tem muito a revelar sobre o caráter da ditadura, que ao mesmo tempo beneficiou o capital estrangeiro, ampliou a dependência econômica e tecnológica do país e protegeu certos grupos empresariais domésticos, que ganharam projeção no país e no exterior a partir de então.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Pedreira Campos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Doutor em História pela UFF. Professor do Departamento de História (DHist) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), atuando no Programa de Pós-Graduação de História da UFRRJ (PPHR) e no Programa de Economia Política Internacional da UFRJ (Pepi). E-mail: phpcampos@yahoo.com.br
Rafael Vaz da Motta Brandão, Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Doutor em História pela UFF. É professor do Programa de Pós-Graduação em História Social PPGHS/UERJ-FFP), e docente visitante do Departamento de Ciências Humanas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com bolsa do Programa de Apoio à Pesquisa e Docência (PAPD - Docência). E-mail: rafabrandao@uol.com.br

Referências

BRANDÃO, Rafael Vaz da Motta. O Negócio do Século: o acordo de cooperação nuclear Brasil - Alemanha. Rio de Janeiro: Autografia, 2017.

BRASIL (1969). Presidência da República. Atos do Poder Executivo. Decreto no 64.345, de 10 de abril de 1969, p. 29. Disponível no portal da Câmara dos Deputados. Endereço: http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/republica/Colecao8.html acesso em 21 de novembro de 2018.

BRASIL (1975a). REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Acordo Entre o Governo da República Federativa do Brasil e do Governo da República Federal da Alemanha Sobre Cooperação no Campo dos Usos Pacíficos da Energia Nuclear, 1975. Arquivo Antônio Azeredo da Silveira, CPDOC.

BRASIL (1975b). REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Discurso do Ministro Genscher no Almoço Oferecido ao Ministro Azeredo da Silveira. Diário do Congresso Nacional, Seção II, 28/06/1975.

BRASIL (1975c). REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. “Relatório da Comissão de Relações Exteriores sobre o Projeto de Decreto Legislativo no 25 que Aprova o Texto do Acordo Sobre Cooperação nos Campo dos Usos Pacíficos da Energia Nuclear, assinado entre a RFA e o Brasil, em Bonn, em 27 de junho de 1975”. Arquivo Antônio Azeredo da Silveira, CPDOC.

BRASIL (1975d). REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Protocolo de Instrumentos Sobre a Implantação do Acordo Entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Federal da Alemanha Sobre Cooperação no Campo dos Usos Pacíficos da Energia Nuclear. Arquivo Antônio Azeredo da Silveira, CPDOC.

CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Estranhas Catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. Niterói: Eduff, 2014.

CASTRO, Antonio Barros de; SOUZA, Francisco Eduardo Pires de. A Economia Brasileira em Marcha Forçada. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

DREIFUSS, René Armand. 1964: a conquista do Estado. Petrópolis: Vozes, 1981.

ELETROBRÁS. Plano de Atendimento aos Requisitos de Energia Elétrica das Regiões Sul e Sudeste até 1990. Rio de Janeiro: Eletrobrás, 1974.

FONSECA, Pedro Cezar Dutra; MONTEIRO, Sergio Marley Modesto. O Estado e as suas razões: o II PND. Revista de Economia Política, v. 28, n. 109, p. 28-29, 2007.

GASPAR, Malu. “O código Odebrecht”. Piauí. Ano 11, no 121, outubro de 2016, p. 18-30.

GASPARI, Elio. A Ditadura Encurralada. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GIROTTI, Carlos A. Estado Nuclear no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1984.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Volume 3: Maquiavel; Notas sobre o Estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000 [1932-1934].

IANNI, Octavio. Estado e Planejamento Econômico no Brasil. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1986 [1971].

JORNAL DO BRASIL (1979a). “NUCLEN se adaptou às S.A., mas acordo não”. Jornal do Brasil, 24 de agosto de 1979.

JORNAL DO BRASIL (1979b). “Contrato de Acionistas da NUCLEN, assinado em 17 de dezembro de 1975, entre a Nuclebrás e a KWU”, Item 14. “Os pontos críticos do acordo da NUCLEN”. Jornal do Brasil, 26/08/1979, p. 30.

LESSA, Carlos. Estratégia de Desenvolvimento 1974-1976: sonho e fracasso. Brasília: Funcep, 1988.

MANTEGA, Guido; MORAES, Maria. Acumulação Monopolista e Crises no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

MELO, Jorge José de. Boilesen, um Empresário da Ditadura: a questão do apoio do empresariado paulista à Oban/Operação Bandeirantes. Dissertação de mestrado em História. Niterói: UFF, 2012.

MENDES, Murillo Valle; ATTUCH, Leonardo. Quebra de Contrato: o pesadelo dos brasileiros. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

MIROW, Kurt Rudolf. A Loucura Nuclear: enganos do Acordo Nuclear Brasil – Alemanha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

MORAES, Maria; MANTEGA, Guido. Acumulação Monopolista e Crises no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991 [1980].

ODEBRECHT Informa (1973). Ano I, no 1. Salvador, 20 de outubro de 1973.

O EMPREITEIRO (1972a). Edição de maio de 1972, no 52.

O EMPREITEIRO (1972b). Edição de outubro de 1972, no 57.

O EMPREITEIRO (1972c). Edição de novembro de 1972, no 58.

O EMPREITEIRO (1977). Edição de janeiro de 1977, no 108.

O EMPREITEIRO (1978). Edição de agosto de 1978, no 127.

O EMPREITEIRO (1979a). Edição de julho de 1979, no 138.

O EMPREITEIRO (1979b). Edição de novembro de 1979, no 142.

O EMPREITEIRO (1980a). Edição de maio de 1980, no 148.

O EMPREITEIRO (1980b). Edição de julho de 1980, no 150.

O EMPREITEIRO (1981). Edição de agosto de 1981, no 164.

O GLOBO (2009). Edição de 30 de agosto de 2009, p. 20. ‘Fator Odebrecht’ e ‘Segue...’. Coluna de Ancelmo Góis.

QUINTELLA, Wilson. Memórias do Brasil Grande: a história das maiores obras do país dos homens que as fizeram. São Paulo: Saraiva / Vigília, 2008.

ROSA, Luiz Pinguelli. A política nuclear e o caminho das armas atômicas. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ROSA, Luiz Pinguelli; SIGAUD, Lygia; MIELNIK, Otávio (org.). Impactos de Grandes Projetos Hidrelétricos e Nucleares: aspectos econômicos, tecnológicos, ambientais e sociais. São Paulo: Marco Zero, 1988.

SCHILLING, Paulo R. O Expansionismo Brasileiro: a geopolítica do general Golbery e a diplomacia do Itamarati. São Paulo: Global, 1981.

Publicado
2019-09-03
Como Citar
Pedreira Campos, P., & Vaz da Motta Brandão, R. (2019). Ditadura, política nuclear e grupos empresariais: o caso da participação da KWU/Siemens e da Odebrecht na construção das usinas de Angra dos Reis. Revista História: Debates E Tendências, 3(19), 439-456. https://doi.org/10.5335/hdtv.3n.19.9867