Ditadura Militar Brasileira: o aparelhamento do sistema repressivo e a fabricação do informante

  • Reginaldo Cerqueira Sousa Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
Palavras-chave: Ditadura militar, Estado de exceção, Guerra psicológica, Repressão

Resumo

A Ditadura Militar instaurada por meio de um golpe de Estado, em 1964, pôs fim à jovem democracia brasileira iniciada em 1945. Para manterem-se no poder e garantir a legitimidade política e social, os militares aprimoraram os órgãos de repressão existentes no Brasil e criaram outros mecanismos de vigilância e repressão no intuito de manter o controle e a censura na sociedade. O presente artigo propõe uma análise sobre esse período de exceção brasileiro enfatizando, no contexto ditatorial, a organização do aparelho repressivo do Estado e o papel do informante dentro da dinâmica da repressão àqueles considerados subversivos pelos militares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reginaldo Cerqueira Sousa, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
Doutor em História pela Universidade Federal do Paraná (2016). Atualmente é professor magistério superior da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. E-mail: reginaldo.cerqueira@unifesspa.edu.br

Referências

ADORNO, T. La personalidad autoritaria. Buenos Aires: Editorial Proyección, 1965.

AGAMBEN, G. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

AGAMBEN, G. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

ARENDT, H. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

ARQUIVO PÚBLICO DO PARANÁ. Informantes, 1964-1977. BR PRAPPR.PB004.PT 797.94.

ARQUIVO PÚBLICO DO PARANÁ. Informes oriundos de denúncias anônimas. Curitiba. Informantes, 1964-1977. BR PRAPPR.PB004.PT 797.94.

ARQUIVO PÚBLICO DO PARANÁ. Ofício nº 140-E2. Assunto: informes. ARQUIVO PÚBLICO DO PARANÁ, Curitiba. Informantes, 1964-1977. BR PRAPPR.PB004.PT 797.94.

ARQUIVO PÚBLO DO PARANÁ. Lista de suspeitos. Curitiba. Informantes, 1964-1977. BR PRAPPR.PB004.PT 797.94. 1964-1977.

BRASIL. Ato Institucional Nº 2 (1965). Brasília, DF: Presidência da República, 27 de Outubro de 1965.

Carta ao delegado da DOPS. ARQUIVO PÚBLICO DO PARANÁ, Curitiba. Informantes, 1964-1977. BR PRAPPR.PB004.PT 797.94.

CODATO, A. N. O golpe de 1964 e o regime de 1968: aspectos conjunturais e variáveis históricas. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 40, p. 11-36, 2004. Editora UFPR.

CODATO, Adriano Nervo. Centralização política e processo decisório: o governo Geisel em perspectiva. Revista de Sociologia e Política, n. 2, 1994, p. 57-78.

D’ARAUJO, M. C.; SOARES, G. A. D.; CASTRO, C. (Orgs.). Os anos de chumbo: a memória militar sobre a repressão. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DOPS. José Isac Pilati. Ficha Individual nº FI 32.071. DOPS. Arquivo Público do Paraná, Curitiba, 1970.

DOPS. Nelson Olivas. Ficha Individual nº FI 28.891. DOPS. Arquivo Público do Paraná, Curitiba, 1972.

DOPS-SNI. Ofício nº 201/ACT/SNI. ARQUIVO PÚBLICO DO PARANÁ, Curitiba. DOPS-SNI. 1971. N. 003823.

DOPS-SNI. Pedido de busca n. 082/ACT/SNI/72. ARQUIVO PÚBLICO DO PARANÁ, Curitiba. DOPS-SNI. 1971. N. 003823.

ENRIQUEZ, E. As figuras do poder. São Paulo: Via Lettera Editora e Livraria, 2007.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal,1979.

GURGEL, J. A. A. Segurança e Democracia: uma reflexão política sobre a doutrina da Escola Superior de Guerra. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército; Livraria José Olympio Editora, 1975.

HUGGINS, M. K. Violência urbana e privatização do policiamento no brasil: uma mistura invisível. CADERNO CRH, Salvador, v. 23, n. 60, p. 541-558, Set./Dez. 2010.

KUCINSKI, B. Abertura: a história de uma crise. São Paulo: Ed. Brasil Debates, 1982.

KUCINSKI, B. K. – Relato de uma busca. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

LAGÔA, A. SNI: como nasceu como funciona. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.

MORIN, E. 1968-2008: o mundo que eu vi e vivi. In: AXT, G.; SCHÜLER, F. L. (Orgs.). Fronteiras do pensamento: ensaios sobre cultura e estética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

NAPOLITANO, M. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

NODARI, A. Censura: ensaio sobre a “servidão imaginária”. 252 p. Tese (Doutorado em Literatura), Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Florianópolis-SC, 2012.

QUADRAT, S. V. A preparação dos agentes de informação e a ditadura civil-militar no Brasil (1964-1985). Varia História, Belo Horizonte, vol. 28, n° 47, p. 19-41: jan./jun. 2012.

REICH, W. Psicologia de massa do fascismo. Porto: Escorpião, 1974.

SENNETT, R. Autoridade. Rio de Janeiro: Record, 2001.

TEIXEIRA, J. B. de C.; POLO, A. A personalidade autoritária. Componentes para uma gênese psicológica. Arq. Bras. Psic. Apl. Rio de Janeiro 27(4), 47-69, out./dez. 1975.

Publicado
2019-09-03
Como Citar
Cerqueira Sousa, R. (2019). Ditadura Militar Brasileira: o aparelhamento do sistema repressivo e a fabricação do informante. Revista História: Debates E Tendências, 3(19), 420-438. https://doi.org/10.5335/hdtv.3n.19.9865