Imigração e identidade familiar

  • Jorge Luiz da Cunha Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Imigração alemã, Identidade familiar, Colonização estrangeira

Resumo

No extremo sul do território brasileiro, são os imigrantes europeus que inauguram o trabalho familiar em médias e pequenas propriedade, voltadas para o abastecimento do mercado interno. Neste trabalho procura-se analisar e compreender os processos identitários relacionados com a constituição familiar, no caso da colônia de Santa Cruz, fundada pelo governo provincial do Rio Grande do Sul em 1849. As informações coletadas sobre o tema deste projeto revelam claramente um desvelamento (desocultamiento) de atores sociais que em função de seus interesses privados, suas necessidades sociais, as interferências externas (autoridades civis, militares, religiosas), e as articulações da elite tradicional (grandes proprietários) configuram organizações familiares distintas daquelas tradicionalmente associadas aos imigrantes, especialmente os alemães, e a cultura de seus países de origem.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Luiz da Cunha, Universidade Federal de Santa Maria
Doutor em História. E-mail: jlcunha11@yahoo.com.br
Publicado
2019-05-11
Como Citar
da Cunha, J. (2019). Imigração e identidade familiar. Revista História: Debates E Tendências, 19(2), 225-237. https://doi.org/10.5335/hdtv.2n.19.9427