Una experiencia plástica desde mi cotidianidad vinculada a los Diablos Danzantes de Yare

  • Carlos José Morgado Delgado ULAC Caracas-Venezuela
Palavras-chave: Autobiografia. Corpus Christi. Patrimônio Pictórico.

Resumo

Este artigo aborda uma experiência de plástico da minha vida diária ligada aos Diabos Dançantes de Yare (parte da festa de Corpus Christi, declarado como património cultural imaterial da Humanidade pela Unesco, 12.06.2012,). De minhas visões, crenças e percepções presentes no meu trabalho pictórico, descobertas da experiência vividas a partir da década de 1960 até o presente. Esta autobiografia foi localizada na cidade de São Francisco de Yare, grande palco ligado a estudos relacionados ao patrimônio imaterial. Importante, as complexidades formalizada e pesquisa orientada, aqui eu embarquei, são transformadas em identidades que são expressas a partir do imaterial ao rito, mito, sincretismo, causando euforia e as emoções transmitidas através da lona no espaço e época de Corpus Christi na enunciação pictórica como autor. A contribuição teórica foi destinado para desenhar nesta pesquisa é orientada para a expansão de uma realidade pictórica sociocultural e histórico pouco abordado na Venezuela, emergindo da minha experiência como associado e ator social, identificar-me como parte desta manifestação mítico-religiosa.
Publicado
2019-01-17
Como Citar
Morgado Delgado, C. (2019). Una experiencia plástica desde mi cotidianidad vinculada a los Diablos Danzantes de Yare. Revista História: Debates E Tendências, 19(1), 49-65. https://doi.org/10.5335/hdtv.19n.1.8908