História dos Movimentos Sociais na Fronteira Sul: oportunização política, mobilização e enquadramento interpretativo na luta pela terra

Humberto Rocha

Resumo


A Fronteira Sul do Brasil é considerada um berço histórico de movimentos sociais de luta pela terra que são protagonistas nos dias atuais. Este artigo pretende assinalar este processo social tendo como referencial temporal as décadas de 1960 e 1980. Utilizando um referencial teórico englobando além do próprio conceito de “movimento social”, os conceitos de “modelo de mobilização”, “repertórios”, “quadros interpretativos” (frames) e “oportunização política”, compomos nossa análise tendo as ideias de “estrutura” e “conjuntura” brasileiras correspondentes aos períodos abordados como pano de fundo. O argumento é desenvolvido em cinco partes relacionadas: inicialmente é apresentada a conjuntura brasileira no período considerado de modo a estabelecer um pano fundo para a análise. A segunda seção contextualiza a região da Fronteira Sul enquanto potencial para mobilização social a partir da conjuntura nacional. A terceira seção destaca elementos teóricos para a compreensão da emergência dos movimentos na região tendo como eixo a luta pela terra. A quarta seção discute como as mobilizações sociais se transformam em movimentos sociais coesos a partir de uma estrutura de oportunização política. A última seção resgata a trajetória dos movimentos sociais a partir da referida estruturação até os dias atuais e apresenta as considerações finais.

Palavras-chave


Movimentos Sociais, Fronteira Sul do Brasil, Luta pela Terra, Atingidos por Barragens, Sem-Terra

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5335/hdtv.18n.1.6749