Um vetor de ciência, tecnologia e governo da vida

O mosquito Aedes aegypti e constituição insecto-viral das políticas públicas de saúde

Palavras-chave: Etnografia multiespécie, Fundação Rockefeller, Governo da vida, Mosquitos, Políticas públicas

Resumo

Este trabalho intersecta os interesses de pesquisas antropológicas sobre políticas públicas de saúde que enfatizam os entrelaçamentos multiespécie, com o debate histórico sobre as relações entre Estado, ciência e mosquitos no Brasil dos séculos XIX e XX, como aquele relacionado ao trabalho da Fundação Rockefeller. Ele resulta de uma etnografia compostas por pesquisa documental, entrevistas e observação participante junto à então chamada Equipe de Vigilância de Roedores e Vetores (EVRV), órgão da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre (SMSPA) - a partir de onde descrevemos a implementação e consolidação de uma política de controle do Aedes aegypti. Tratam-se de situações empíricas com as quais exploraremos o debate sobre biopoder, “microbiopolítica” e “biopolítica em tempo real” explicitando emergência de estratégias particulares de produção de conhecimento e de novos mecanismos de governamentalidade de humanos, animais e ambientes no campo da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENCHIMOL, Jaime. Febre amarela: a doença e a vacina, uma história inacabada. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2001. Disponível em: . Acesso em: 29/06/2020.

______. Dos micróbios aos mosquitos: febre amarela e a revolução pasteuriana no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/Editora UFRJ, 1999. Disponível em: . Acesso em: 29/06/2020.

BEVILAQUA, Ciméa. Espécies invasoras e fronteiras nacionais: uma reflexão sobre limites do estado. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 17, volume 24(1), 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: . Acesso em: 29/06/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD). Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: . Acesso em: 29/06/2020.

CADUFF, Carlo. Sick weather ahead: on data-mining, crowd-sourcing and white noise. Cambridge Anthropology, v. 32, n. 1, p. 32-46, 2014.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na Corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CONSOLI, Rotraut; OLIVEIRA, Ricardo. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1994. Disponível em: . Acesso em: 29/06/2020.

DIAS, Caetano Kayuna Sordi Barbará. Presenças ferais: Invasão biológica, javalis asselvajados (Sus scrofa) e seus contextos no Brasil Meridional em perspectiva antropológica. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29/06/2020.

DINIZ, Débora. Zika: do Sertão nordestino à ameaça global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

HERZIG, Reebecca. Suffering for science: reason and sacrifice in modern America. Rutgers University Press: 2005.

INSTITUTO OSWALDO CRUZ. O mosquito Aedes aegypti faz parte da história e vem se espalhando pelo mundo desde o período das colonizações. Disponível em: http://www.ioc.fiocruz.br/dengue/textos/longatraje.html

KECK, Frédéric. Avian preparedness: simulations of bird diseases and reverse scenarios of extinction in Hong Kong, Taiwan, and Singapore. Journal of the Royal Anthropological Institute, (N.S.) 00, 1-18, April 2018. Disponível em: . Acesso em: 30/10/20.

KIRKSEY, Eben; HELMREICH, Stefan. The emergence of multispecies ethnography. Cultural Anthropology, v. 25, n. 4, p. 545–576, 2010. Disponível em: . Acesso em: 30/10/20.

LAKOFF, Andrew. Real-time biopolitics: the actuary and the sentinel in global public health. Economy and Society, v. 44, n. 1, p. 40-59, Feb. 2015. Disponível em: . Acesso em: 26/06/2020.

______. Preparing for the next emergency. Public Culture, v. 19, n. 2, p. 247-271, April 2007.

LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Trad. Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador/Bauru: Edufba/Edusc, 2012.

LÖWY, Ilana. Vírus, mosquitos e modernidade: a febre amarela no Brasil, entre ciência e política. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2006. Disponível em: . Acesso em: 29/06/2020.

MORENO, Sarah. As múltiplas maneiras de ser dos pombos e seus afetos: como pombos e outras aves cativam os seres humanos. Mediações – Revista de Ciências Sociais, v. 24, n. 3, set-dez 2019. Disponível em: . Acesso em: 30/10/20.

NADING, Alex. Mosquito trails: ecology, health, and the politics of entanglement. Oakland: University of California Press, 2014.

PAXSON, Heather. Post-Pasteurian cultures: the microbiopolitics of raw-milk cheese in the United States. Cultural Anthropology, v. 23, n. 1, p. 15-47, 2008. Disponível em: . Acesso em: 30/10/20.

PORTER, N. Bird flu biopower: strategies for multispecies coexistence in Vietnam. American Ethnologist, v. 40, n. 1, p. 132–148, 2013. Disponível em: . Acesso em: 30/06/2020.

PORTO ALEGRE (RS). PREFEITURA MUNICIPAL. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Vigilância em Saúde de Porto Alegre: a construção de uma história. Ana Cattani et al. (org.); redação Maria Lúcia Ricardo Souto, Naida Menezes. Porto Alegre: Gráfica: Finaliza Editora, 2011. Disponível em: . Acesso em: 29/06/2020.

PORTO ALEGRE (RS). PREFEITURA MUNICIPAL. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. EQUIPE DE CONTROLE EPIDEMIOLÓGICO. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, Ano IV, nº 10, fevereiro 2001a. Disponível em: . Acesso em 29/06/2020.

PORTO ALEGRE (RS). PREFEITURA MUNICIPAL. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. EQUIPE DE CONTROLE EPIDEMIOLÓGICO. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, Ano IV, nº 11, maio 2001b. Disponível em: . Acesso em 29/06/2020.

PORTO ALEGRE (RS). PREFEITURA MUNICIPAL. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. EQUIPE DE CONTROLE EPIDEMIOLÓGICO. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, Ano V, nº 15, maio 2002. Disponível em: . Acesso em 29/06/2020.

REIS-CASTRO, Luisa; HEIDRICKX, Kim. Winged promises: exploring the discourse on transgenic mosquitoes in Brazil. Technology in Society, v. 35, n. 2, p. 118-128, 2013. Disponível em: . Acesso em: 30/10/20

REIS-CASTRO, Luisa. Genetically modified insects as a public health tool: discussing the different bio-objectification within genetic strategies. Croatian Medical Journal, v. 53, p. 635-638, 2012. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3541591/>. Acesso em: 09/08/2018.

SEGATA, Jean. A doença socialista e o mosquito dos pobres. In: Iluminuras, v. 17, n.42, p. 372-389, 2016a. Disponível em: . Acesso em: 26/06/2020.

______. Os mosquitos vilões e as casas de ponta de lápis. VI Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia, Coimbra, Universidade de Coimbra, 2016b.

______. O Aedes aegypti e o digital. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 23, n. 48, p. 19-48, 2017a.

______. Performando epidemias: o Aedes aegypti, o DNA e outras infraestruturas da biossegurança. XI Simpósio Nacional da ABCiber, São Paulo, Pontifícia Universidade Católica, 2017b.

______. El mosquito-oráculo y otras tecnologías. In: Tabula Rasa, Bogotá – Colombia, n. 32, p. 103-125, 2019. Disponível em: . Acesso em: 26/06/2021.

______. Covid-19, biossegurança e antropologia, Horizontes Antropológicos, 26(57): 275-313, 2020. Disponível em : . Acesso em: 26/06/2021.

______. Enacting politics with mosquitoes: beyond eradication and control, in M. Hall and D. Tamir (ed.). Mosquitopia? The place of pests in a healthy world. London: Routledge, 2021, p. 165-182.

SEGATA, Jean; VARGAS, Elisa Oberst. Vírus, mosquitos e DNA: infraestruturas da performação do risco e da predição epidêmica. Apresentação oral em GT. XIII RAM – Reunião de Antropologia do Mercosul, 2019a.

______. O mosquito-oráculo e suas tecnologias: microbiopolítica e governo do futuro. Apresentação oral em GT. 43º Encontro Anual da ANPOCS, 2019b.

SEGATA, Jean; BECK, Luiza; MUCCILLO, Luísa. Beyond exotic wet markets: Covid-19 ecologies in the global meat-processing industry in Brazil. eTropic - Eletronic Journal of Studies in the Tropics, vol. 20(1): 94-115, 2021. Disponível em: . Acesso em: 27/06/2021.

STEPAN, Nancy. Eradication: ridding the world of diseases forever? Ithaca: Cornell University Press, 2011.

______. The interplay between socio-economic factors and medical research: yellow fever research, Cuba and the United States. Social Studies of Science, v. 8, n. 4, p. 397-423, 1978.

SILVA, Nathália dos Santos. O risco e suas materialidades na política de prevenção, controle e vigilância do Aedes aegypti em Porto Alegre. Trabalho oral. XXXI Salão de Iniciação Científica da UFRGS. Porto Alegre, 2019a.

______. Mapas, softwares e outras coisas que capturam mosquitos: modos de ver e fazer relações nas práticas de monitoramento do risco na política de combate ao Aedes aegypti em Porto Alegre. Trabalho oral. III Encontro Discente do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRGS. Porto Alegre, 2019b.

SILVA, Nathália dos Santos. SEGATA, Jean. Encontros improvisados: Humanos, mosquitos e novas tecnologias digitais em Porto Alegre. Trabalho oral. XIII Reunião de Antropologia do Mercosul (RAM), 2019. Disponível em: . Acesso em: 30/06/2020.

VARGAS, Elisa Oberst. Mosquitos, armadilhas e vírus: etnografia de uma política pública de controle ao Aedes aegypti. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20/04/2020.

______. Mosquitos insubordinados, emaranhamentos multiespécies e mundos que podem vir a ser. Apresentação oral em GT. III Encontro Discente do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS-UFRGS), 2019.
Publicado
2021-08-24
Como Citar
Segata, J., Vargas, E., & Silva, N. (2021). Um vetor de ciência, tecnologia e governo da vida. Revista História: Debates E Tendências, 21(3), 190 - 209. https://doi.org/10.5335/hdtv.21n.3.12768