Influências dos modelos de formação e prática médicas no Brasil:

o desenvolvimento da saúde global

Palavras-chave: Modelos de formação, Práticas médicas, Saúde global

Resumo

O presente estudo procura apontar algumas balizas para o entendimento dos modelos de formação no Brasil, partindo da noção de saúde internacional patrocinada por agências como a Fundação Rockefeller (FR) na primeira metade do século vinte, por meio de programas de educação médica e saúde pública. Ao discutir a formação de profissionais para a saúde pública no Brasil, ou em outros cenários mundiais, é fundamental a referência ao Relatório Flexner e ao papel que desempenhou na reformulação do ensino médico em vários países. Muitas de suas recomendações ainda são relevantes, especialmente as relativas ao papel social da prática médica, além das que enfatizam a importância da aprendizagem experimental - "aprender fazendo”. Contudo, o modelo de educação médica ainda hoje preponderante no Brasil se organiza por estruturas conceituais lineares, com matriz curricular disciplinar, formatos tradicionais de prática pedagógica e submissão à lógica profissional corporativa, características comuns do modelo cabanisiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA-FILHO, N. Reconhecer Flexner: inquérito sobre produção de mitos na educação médica no Brasil contemporâneo. Cad Saúde Pública, v. 26, n. 12, p.2234-2249, dez. 2010.

ALMEIDA-FILHO, N. Nunca fomos Flexnerianos: Anísio Teixeira e a educação superior em saúde no Brasil. Cad Saúde Pública, v. 30, n. 12, p. 2531-2553, dez. 2014.

ALMEIDA-FILHO, N. O legado de Cabanis: hipótese sobre raízes da educação médica no Brasil. Cad Saúde Pública, v. 33, n.7, p. 1-15, ago. 2017.

BAERTSCHI, B. Diderot, Cabanis and Lamarck on psycho-physical causality. History and philosophy of the life sciences, v. 27, n. 3/4, p. 451–63, jun. 2005.

BONNER, T. N. Iconoclast: Abraham Flexner and a life of learning. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2003.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CASTRO SANTOS, L. A.; FARIA, L. A Reforma Sanitária no Brasil: Ecos da Primeira República. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco - EDUSF, 2003.

CUETO, M. Saúde global: uma breve história. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2015.

FALEIROS, V. P. et al. A construção do SUS: Histórias da Reforma Sanitária e do Processo Participativo. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

FARIA, L. R. de. Os primeiros anos da reforma sanitária no Brasil e a atuação da Fundação Rockefeller (1915-1920). Physis, v. 5, n. 1, p. 109-130, 1995.

FARIA, L; COSTA, M. C. Cooperação Científica Internacional: Estilos de Atuação da Fundação Rockefeller e da Fundação Ford. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 49, n. 1, p. 159-191, 2006.

FARIA, L. Saúde e política: a Fundação Rockefeller e seus parceiros em São Paulo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

FARIA, L; PATIÑO, R. A. Violências, injustiças e sofrimento humano: o impacto das desigualdades sociais nas percepções de Martín-Baró, Ricoeur e Nietzsche. Cadernos IHU ideias, v. 18, n. 308, p. 1-33, 2020.

FARIA, L; OLIVEIRA-LIMA, J. A.; ALMEIDA-FILHO, N. Medicina baseada em evidências: breve aporte histórico sobre marcos conceituais e objetivos práticos do cuidado. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 28, n. 1, p. 59-78, jan./mar. 2021.

FLEXNER, A. Medical education in the United States and Canada. New York: Carnegie Foundation for the Advancement of Science, 1910.

FLEXNER, A. Medical Education: A Comparative Study. New York: Macmillan Company, 1925.

FRENK, J. et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. The Lancet, v. 376, n. 9756, p. 1923-1958, nov. 2010.

GIDDENS, A. O mundo na era da globalização. Lisboa: Editorial Presença, 2006.

GOURDOL, J. Y. Pierre-Jean-Georges Cabanis (1757-1808), médecin, philosophe et homme politique français. Paris: Medarus, 2010, p. 1-5.

KOIFMAN, L. O modelo biomédico e a reformulação do currículo médico da Universidade Federal Fluminense. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 8, n. 1, p. 49-70, mar./jun. 2001.

KOPLAN, J. P. et al. Towards a common definition of global health. Lancet, v. 373, n. 9679, p. 1993-1995, jun. 2009.

KORNDÖRFER, A.P. Uma “nova profissão”: A Fundação Rockefeller e a formação de profissionais para a saúde pública (primeira metade do século XX). Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, v.12, n.23, 2020.

LUDMERER, K. M. Understanding the Flexner Report. Academic Medicine, v. 85, n. 2, p. 193-196, fev. 2010.

MARTIMIANAKIS, M. A.; ALBERT, M. Confronting complexity: medical education, social theory and the ‘fate of our times’. Medical Education, v. 41, n. 1, p. 3-17, jan. 2013.

MASCARENHAS, R. dos S. Contribuição ao estudo da história do ensino de educação sanitária na Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Arquivos da Faculdade de Higiene e Saúde Pública, v. 13, n. 1, p. 243-262, jun. 1959.

MASCARENHAS, R. dos S. Contribuição para o estudo da administração sanitária estadual em São Paulo. 1949. Tese (Livre-docência em Saúde Pública) – Faculdade de Higiene e Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1949.

MASCARENHAS, R. dos S. História da saúde pública no Estado de São Paulo. Rev. Saúde Pública, v. 7, n. 4, p. 433-446, out./dez. 1973.

MCMICHAEL, T.; BEAGLEHOLE, R. The global context for public health. In: BEAGLEHOLE, R. Global public health: a new era. New York: Oxford University, 2003. p. 1-2.

MCNAUGHTON, N. Discourse(s) of emotion within medical education: the ever-present absence. Med Educ, v. 47, n. 1, p. 71-79, 2013.

MORIN, E. A necessidade de um pensamento complexo. In: MENDES, C. (Org.); LARRETA, E. (Ed.). Representação e complexidade. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2003. p. 69-78.
OMS. Organização Mundial da Saúde. Medical education in the United States and Canada. Bulletin of the World Health Organization, v. 80, n. 7, p. 594-602, 2002. Disponível em: . Acesso em mai. 2021.

PAGLIOSA, F. L.; DA ROS, M. A. O Relatório Flexner: Para o Bem e Para o Mal. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 32, n. 4, p. 492-499, out./dez. 2008.

PALMER, S. Gênese da Saúde Global: a Fundação Rockefeller no Caribe e na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2015.

RIGGS, G. Commentary: Are we ready to embrace the rest of the Flexner Report? Acad Med, v. 85, n. 11, p. 1669-1671, nov. 2010.

SACKETT, D. L. et al. Evidence based medicine: what it is and what it isn't. BMJ, v. 312, n. 7023, p. 71-72, jan. 1996a.

SACKETT, D. L. Using evidence-based medicine to help physicians keep up-to-date. Serials, v. 9, n. 2, p. 178-181, jul. 1996b.

SALES, C. S.; SCHLAFF, A. L. Reforming medical education: a review and synthesis of five critiques of medical practice. Social Sci Med, v. 70, n. 11, p. 1665-1668, jun. 2010.

SCLIAR, M. Os livros têm a ver com a condição humana. Entrevistas Brasil, 27 jan. 2010. Disponível em: . Acesso em mai. 2021.

STERN, B. J. Society and Medical Progress. Princeton: Princeton University Press, 1941.

WHITEHEAD, C. Scientist or science-stuffed? Discourses of science in North American medical education. Med Educ, v. 47, n. 1, p. 26-32, jan. 2013.
Publicado
2021-08-24
Como Citar
Faria, L., & Castro Santos, L. (2021). Influências dos modelos de formação e prática médicas no Brasil:. Revista História: Debates E Tendências, 21(3), 80 - 98. https://doi.org/10.5335/hdtv.21n.3.12685