A Lumber Company na região do Contestado:

Vilas operárias e o aparato institucional

Palavras-chave: Contestado, Lumber Company, Vilas operárias

Resumo

A madeireira Lumber Company manteve suas atividades na região do Contestado entre 1911 e 1940, tendo contribuído para a deflagração da Guerra do Contestado (1912-1916). Além da resistência imposta pelos rebeldes, a multinacional também enfrentou a insatisfação de seus trabalhadores. O objetivo deste artigo consiste em analisar as moradias ocupadas pelos trabalhadores da Lumber e a maneira como se apropriaram do “aparato institucional” da companhia. Para este fim, a pesquisa fundamentou-se no aporte teórico-metodológico da história social inglesa e promoveu revisão da literatura, pautando-se em variado conjunto de fontes: periódicos, fotos, documentos e um filme-propaganda da empresa. Conclui-se que a Lumber intentou controlar sua mão de obra, mas os “de baixo” resistiram e sua luta permaneceu vigente, reinventada de modo dinâmico e ininterrupto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARVALHO, Miguel Mundstock Xavier de. Uma grande empresa em meio à floresta: a história da devastação da floresta com araucária e a Southern Brazil Lumber and Colonization (1870-1970). Tese (Doutorado em História). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/93507. Acesso em 11 jun. 2021.

COMPANHIA Lumber. Produção de Alberto Botelho. 39 minutos, mudo, preto e branco.

DECCA, Maria Auxiliadora Guzzo de. Indústria, trabalho e cotidiano: Brasil, 1880 a 1930. São Paulo: Atual, 1987,

DIACON, Todd A Milenarian vision, capitalist reality. Brazil’s Contestado rebelion, 1912-1916. Durham: Duke University Press, 1991

KELLER, Paulo Fernandes. Cotidiano operário e complexo fabril: fábrica com vila operária em Paracambi/RJ. CEMOBA: Centro de Memória Oral da Baixada Fluminense: Rio de Janeiro: 2005.

LEITE LOPES, José Sérgio. A tecelagem dos conflitos de classe na cidade das chaminés. São Paulo: Marco Zero & Brasília: Editora da UnB, 1988.

MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado: a formação das chefias caboclas (1912-1916). Campinas, SP. Editora da Unicamp, 2004.

MATOS, Vanessa Cristina Santos. Uma história da vila operária: na perspectiva de gênero e classe (dispositivo de controle social?). Primeira República – Salvador – BA. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, 2008.

MOTTA DE CARVALHO, Tarcísio. “Nós não tem direito”. Costume e Direito a Terra no Contestado (1912-1916). Niterói. Dissertação (Mestrado em História). UFF. Niterói, 2002.

PINHEIRO, Paulo Sérgio; HALL, Michael M. A classe operária no Brasil, 1889-1930. Documentos. Volume II: Condições de vida e de trabalho, relações com os empresários e o Estado. São Paulo. Editora Brasiliense, 1981.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar. Utopia da cidade disciplinar, Brasil 1890-1930: Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

TOMPOROSKI, Alexandre Assis. O polvo e seus tentáculos: A Southern Brazil Lumber and
Colonization Company e as transformações impingidas ao planalto contestado,
1910-1940. Tese (Doutorado em História) – Florianópolis: UFSC, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/107414. Acesso em 11 jun. 2021.

THOMPON, Edward Palmer. Tradición, revuelta y consciencia de clase: Estudios sobre la crisis de la sociedad preindustrial. Barcelona: Editorial Critica. 2. Ed. 1984.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

VALDERRAMA, Berna Bruit; OLIVEIRA, Melissa Ramos da Silva. “Novos usos e significados das vilas operárias da antiga fábrica Brasital”. Revista do Centro de Preservação Cultural / USP: São Paulo, n.º 5, nov. 2007/abr.

VALENTINI, Delmir José. Atividades da Brazil Railway Company no sul do Brasil: a instalação da Lumber e a Guerra na região do Contestado (1906-1916). Porto Alegre. Tese (Doutorado em História). PUC/RS. Porto Alegre, 2009.

VINHAS DE QUEIROZ, Maurício. Messianismo e conflito social: a guerra sertaneja do Contestado (1912-1916). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.
Publicado
2022-05-21
Como Citar
Tomporoski, A. (2022). A Lumber Company na região do Contestado:. Revista História: Debates E Tendências, 22(2), 175-192. https://doi.org/10.5335/hdtv.22n.2.12657