Aids a contrapelo: experiência da doença e relações de poder

Palavras-chave: História das doenças, HIV/Aids, experiência da doença

Resumo

O presente artigo tem por objetivo discutir a representação social da aids, considerando as relações de poder presentes na produção de discursos sobre a doença. Para tanto, analiso textos literários do escritor brasileiro Caio Fernando Abreu, em que a doença aparece como temática, principalmente abordando sua experiência de adoecimento. Tendo em vista a histórica importância da participação dos doentes no combate à epidemia de HIV/Aids, e ao preconceito a ela relacionado, acredito que a narrativa da experiência de adoecimento de Abreu traz importante contraposição nos discursos de culpabilização e preconceito presentes no contexto epidêmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARATA, Germana Fernandes. A primeira década da Aids no Brasil: o Fantástico apresenta a doença ao público (1983-1992). Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BARROS, José D’Assunção. Fernand Braudel e a geração dos Annales. Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados, v. 6, n. 11, jan. - jun. 2012, p. 1-18. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/historiaemreflexao/article/viewFile/1883/1051 Acesso em: 26 de setembro de 2020.

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1996.

BESSA, Marcelo Secron. Os Perigosos: autobiografias & AIDS. Rio de Janeiro: Aeroplano,
2002.

CARVALHO, Keila Auxiliadora. Discussões em torno da reconstrução do significado da lepra no período pós-sulfônico, Minas Gerais, na década de 1950. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.22, n.2, abr.-jun. 2015, p.541-557. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/hcsm/v22n2/0104-5970-hcsm-2014005000026.pdf. Acesso em: 26 de setembro de 2020.

CUETO, Marcos; LOPES, Gabriel. AIDS, Antiretrovirals, Brazil and the International Politics of Global Health, 1996–2008, Social History of Medicine, 2019, hkz044, https://doi.org/10.1093/shm/hkz044.

EPSTEIN, Steven. The construction of lay expertise: AIDS activism and the forging of credibility in the reform of clinical trials. Science, Technology and Human Values. V. 20, n. 4, 1995, p.408-437.

GOFFMAN, Erving, Estigma - Notas sobre a Manipulação da Identidade deteriorada. Rio de
Janeiro: Zahar Editores, 1980.
HERZLICH, Claudine. Saúde e doença no início do século XXI: entre a experiência privada e
a esfera pública. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.14, n.2, p. 383-394, 2004.
______; PIERRET, Janine. Uma doença no espaço público. A AIDS em seis jornais franceses. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15 (Supl.), p. 71-101, 2005.

LIMA, Ana Claudia Teixeira de. O câncer gay e o orgulho gay: a experiência da Aids para o movimento LGBT da cidade do Rio de Janeiro (1986-1995). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz: Rio de Janeiro, 2019.

MORAES, Eliane Robert. Topografia do risco: O erotismo literário no Brasil Contemporâneo. Cadernos Pagu, v. 31, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n31/n31a17.pdf.
Acesso em: 20 de dezembro de 2010.

MOULIN, Anne Marie. O corpo diante da medicina. In: CORBIN, Alain et al. (Orgs.). História do corpo: as mutações do olhar: o século XX. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo do. As pestes do século XX: tuberculose e Aids no Brasil, uma história comparada. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

______; SILVA, Matheus Alves Duarte da. A peste bubônica no Rio de Janeiro e as estratégias públicas no seu combate (1900-1906). Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, v. 6, n. 2, jul.-dez., 2013.

_______ et al., O indivíduo, a sociedade e a doença. Khronos, v.6, p. 17, 2018.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História [online], 2005, vol.24, n.1, p. 77-98.

PELÚCIO, Larissa; MISKOLCI, Richard. A prevenção do desvio: o dispositivo da Aids e a repatologização das sexualidades dissidentes, Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Lationoamericana, 1, 125-157, 2009.

POLLAK, Michael. L’Expérience concentrationnaire. Essai sur le maintien de l’identité sociale. Paris: Métailié, 1990.

RAMOS, Lissandra Queiroga. Da cara da morte para a cara viva da AIDS: a transição expressa nas campanhas do Dia Mundial de Luta contra a AIDS (1989-2014). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2016.

TREVISAN, João Silvério. In peste veritas. In: Devassos no paraíso: A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. Rio de Janeiro: Record, 2000, p. 435-468.

VIANNA, Eliza da Silva; NASCIMENTO, Dilene Raimundo do. “Nunca me senti tão maldito”: o estigma e a epidemia de aids no Brasil. In: In: Franco, SP, NASCIMENTO, DR, MACIEL, ELN (orgs). Uma história brasileira das doenças, volume 4. Belo Horizonte, Fino Traço, 2013, pp.237-253.
______;“Alguma coisa aconteceu comigo”: a experiência soropositiva nas obras de Caio Fernando Abreu e Hervé Guibert (1988 – 1996). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2014.

______; NASCIMENTO, Dilene Raimundo do. “Pela noite”: homossexualidade e aids nos anos 1980. In: SANTOS, Nádia Maria Weber; LIMA, Zilda Maria Menezes (Orgs.). Saúde e Doenças no Brasil: perspectivas entre a História e a Literatura. Porto Alegre: Editora Fi, 2018, p.167-182.

______. “Manda fazer o de HIV?”: narrativas de mulheres soropositivas na segunda década da epidemia de aids (1990). Cadernos de História da Ciência, v.12, p.208-229, 2018.

______. História da Aids na Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (ABIA) - anos 1990. In: FRANCO, Sebastião Pimentel et al. (Orgs.). Artes de Curar - Doenças em perspectiva. 1ed.Vitória: Editora Milfontes, 2019, v. 1, p. 369-384.
Publicado
2020-12-18
Como Citar
da Silva Vianna, E. (2020). Aids a contrapelo: experiência da doença e relações de poder. Revista História: Debates E Tendências, 21(1), 155 - 171. https://doi.org/10.5335/hdtv.21n.1.12155