O estigma da sífilis: Bahia, 1920-1930

Palavras-chave: representação, sífilis, estigma

Resumo

este texto tem como objetivo analisar as representações sobre a sífilis na Bahia, entre 1920 e 1930, com o intuito de compreender os elementos que contribuíram para construção e disseminação de um estigma sobre a doença. São utilizados como fontes textos médicos como a Gazeta médica da Bahia e as teses da Faculdade de Medicina da Bahia, além de jornais e relatórios médicos. Compreende-se que os ideias eugênicos, as concepções de deformidade e de monstruosidade foram elementos fundamentais nas representações analisadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, Afrânio do."Siphilis": moléstia e têrmo através da história. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, Ministério da Educação e Cultura, 1966.
BAHIA, Alvaro. Um caso de protosyphiloma de localização genital numa criança de quatro anos. Gazeta Médica da Bahia. v. LIV, n. 1, jul. 1923.
BAHIA. Lei 1.811, de 19 de julho de 1925. Cria a Subsecretaria de Saúde e Assistência Pública. Salvador, 1925.
BARRETO, Antônio Luis Cavalcanti de Albuquerque de Barros. Relatório da Secretaria de Saúde e Assistência Pública: anno de 1926. Bahia: Imprensa Oficial do Estado, 1927.
BARRETO, Antônio Luis Cavalcanti de Albuquerque de Barros. Relatório da Secretaria de Saúde e Assistência Pública: anno de 1927. Bahia: Imprensa Oficial do Estado, 1928.
BARROSO, Sebastião. Relatório apresentado pelo Dr. Sebastião Barroso chefe do Serviço de Saneamento e Prophylaxia Rural no Estado da Bahia relativamente aos trabalhos executados durante o anno de 1922. Papelaria Brazileira: Bahia, 1923.
BATISTA, Ricardo dos Santos. A formação inicial de Antônio Luis Cavalcanti de Albuquerque de Barros Barreto: uma trajetória rumo à saúde internacional. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 26, n. 3, p. 801-822, jul.-set. 2019a.
BATISTA, Ricardo dos Santos; SILVA, Maria Elisa Lemos Nunes da. A atuação de Antônio Luís Cavalcanti de Albuquerque de Barros Barreto na Reforma Sanitária da Bahia (1924-1930). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 40, n. 84, mai.-ago. p. 313-337, 2020a.
BATISTA, Ricardo dos Santos. De Baltimore às “Lavras Diamantinas”: internacionalização/interiorização da saúde na Bahia (1920-1930). Tempo, Niterói, v. 26, n. 2, p. 430-453, maio-ago, 2020b.

BATISTA, Ricardo dos Santos. Educação e propaganda sanitárias: desdobramentos da formação de um sanitarista brasileiro na Fundação Rockefeller. História, Ciências, Saúde – Manguinhos. v. 26, n. 4, out.-dez. 2019b.
BATISTA, Ricardo dos Santos. Mulheres livres: uma história sobre prostituição, sífilis, relações de gênero e sexualidade. Salvador: Edufba, 2014.
BATISTA, Ricardo dos Santos. Sífilis e reforma da saúde na Bahia (1920-1945). Salvador: Eduneb, 2017a.
BATISTA, Ricardo dos Santos. Sífilis e relações de gênero na Bahia. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; NASCIMENTO, Dilene Raimundo do; SILVEIRA, Anny Jackeline Torres (Orgs.). Uma história brasileira das doenças. Belo Horizonte: Fino Traço, 2017b. v. 7, p. 113-132.
CARRARA, Sérgio. Tributo a vênus: a luta contra a sífilis no Brasil da passagem do século aos anos 40. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1996.
COMBATE sem... A Tarde, Salvador-Bahia, 5 out. 1925.
ENGEL, Magali. Meretrizes de doutores: saber médico e prostituição no Rio de Janeiro (1840-1890). São Paulo: Brasiliense, 2004.
FERREIRA, Luiz Alberto Peregrino. O conceito de contágio de Girolamo Fracastoro nas teses sobre sífilis e tuberculose. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2008. 159 p.
FILHOS fortes e robustos..., Diário de Notícias, Salvador-Bahia 30 jun. 1927
FLECK, Ludwik. Gênese e desenvolvimento de um fato científico: introdução à doutrina do estilo de pensamento de do coletivo de pensamento. Belo horizonte: Fabrefactum, 2010.
FONSECA, Luís Adão da. O imaginário dos navegantes portugueses dos séculos 15 e 16. Estudos Avançados, São Paulo, v. 6, n. 16, p. 35-51, 1992.
FREIRE, Maria Martha de Luna. ‘Ser mãe é uma ciência’: mulheres, médicos e a construção da maternidade científica na década de 1920. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 15, suplemento, p. 153-171, jun. 2008.
FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 30. ed. Rio de Janeiro: Record, 1995.
GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução de Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. 4. ed. Rio de Janeiro: LCT, 1988.
HERZLICH, Claudine. A problemática da representação social e sua utilidade no campo da doença. Physis, v. 15, suppl., pp.57-70, 2005.
HOCHMAN, Gilberto. Logo ali, no final da avenida: os sertões redefinidos pelo movimento sanitarista da Primeira República. História, Ciências, Saúde – Manguinhos (Rio de Janeiro), v.5, supl.1998.
LEAL, Guttemberg José. A decadencia da humanidade. Bahia, 1926. These (Inaugural – Cadeira Hygiene) – Faculdade de Medicina da Bahia, 1926.
LIMA, Nísia Trindade; HOCHMAN, Gilberto. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da Primeira República. In: MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura (orgs.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz. 1996.
MARQUES, Vera Regina Beltrão. A espécie em risco: sífilis em Curitiba nos anos 1920. In: NASCIMENTO, Dilene Raimundo do; CARVALHO, Diana Maul de (Orgs.). Uma história brasileira das doenças. Brasília, DF: Paralelo 15, 2004.
MISKOLCI, Richard. O desejo da nação: masculinidade e branquitude no Brasil de fins do XIX. São Paulo: Annablume, 2012.
OLIVEIRA, Luiz Fabrício de. Da eugenia e o exame prenupcial obrigatório. Bahia, 1928. These (Inaugural – Cadeira Hygiene) – Faculdade de Medicina da Bahia, 1928.
OS Aleijões... Diário de Notícias, Salvador-Bahia, 21 jul. 1920.
QUANTOS suicídios..., Diário de Notícias, Salvador-Bahia, 1 ago. 1927.
SANTANA, Nélia de. A prostituição feminina em Salvador (1900-1940). 1996. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador,1996.
SILVA, Pirajá da. Relatório do serviço de profilaxia da Lepra e Doenças Venereas. Arquivo Público do Estado da Bahia. Caixa 4028, maço 18, 1925. p. 1-2.
SOUZA, João Prudêncio de. Syphilis e eugenia. Bahia, 1923. These (Inaugural) - Faculdade de Medicina da Bahia, Bahia, 1923.
STEPAN, Nancy Leys. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ, 2005.
TEIXEIRA, Luiz Antonio. Da raça à doença em Casa-grande e senzala. História, Ciências, Saude - Manguinhos, v. 4, n. 2, p. 231-243, 1997.
Publicado
2020-12-18
Como Citar
dos Santos Batista, R. (2020). O estigma da sífilis: Bahia, 1920-1930. Revista História: Debates E Tendências, 21(1), 100 - 119. https://doi.org/10.5335/hdtv.21n.1.12152