Doenças, Lutas Sociais, Medicina Tradicional e a Caça às Bruxas

Palavras-chave: Bruxas., Medicina Rústica., Mulheres.

Resumo

O objetivo deste estudo é discutir a medicina rústica em relação às lutas sociais ao longo da história noOcidente. Analisa, brevemente, a emergência do capitalismo, da violência das classes privilegiadas e o infortúnio dos trabalhadores expulsos das terras, alvos da Lei dos Pobres e submetidos a uma vida propícia a doenças como a peste negra. O ápice disso foi o fenômeno da caça às bruxas, que dizimou milhares de mulheres que exerciam a medicina popular no cuidado da saúde dos pobres. Discute as experiências acumuladas pelas mulheres no tratamento das doenças no Brasil, na sua diversidade étnica e cultural formada pelos povos indígenas,afro-descendentes e portugueses e a teia de conhecimentos materializados sob a forma de uma medicina rústica, parte da nossa cultura atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Alceu Maynard. Medicina Rústica. São Paulo: Editora Nacional, 1979.
AUGIER, Marie. Du créditpublic [Do Crédito Público]. EditoraFarmington Hills, Mich: Thomson Gale, 2005.
BRAUDEL, Fernand. História e Ciências Sociais: a longa duração. In: Escritos sobre a História. Trad. J. Guinburg e Tereza Cristina Silveira da Mota. São Paulo: Perspectiva, 2007
CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário.Petrópolis: 2ª Edição, Vozes, 1999
CORBIN, A. Bastidores. In: ARRIES e DUBY. História da vida privada. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. v. 4.
KARASH, M. C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). São Paulo: Editora Schwarcz Ltda., 2000.
KURZ, Robert. Escorrendo sangue e sujeira por todos os poros: o vilão capitalismo e sua barbárie (2001). Disponível em: Acesso em: 14/07/2020.
MURARO, Rose Marie. Introdução. In: KRAMER, Heinrich e SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras. Trad. de Paulo Fróes. Rio de Janeiro: BestBolso, 2015.
MARX, Karl.O Capital: Crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.
PEIXOTO, Afrânio. Miçangas. Rio de Janeiro: Catédra, 1977.
PERROT, Michele. As mulheres e os silêncios da história. Bauru: EDUSC, 2005.
PRIORE, Mary Del. Magia e medicina na Colônia: o corpo feminino. In: PRIORE, Mary Del. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: 2ª. Ed. Contexto, 1997.
PRIORE, Mary Del. Ao sul do corpo: Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro/RJ: Editora José Olympio, 1993.
REZENDE, JM. À sombra do plátano: crônicas de história da medicina [online]. São Paulo: Editora Unifesp, 2009. As grandes epidemias da história. pp. 73-82. ISBN 978-85-61673-63-5. Disponível em: http://books.scielo.org/. Acesso em 15/04/2020.
RIBEIRO, Berta G. O índio na cultura brasileira. Rio de Janeiro: UNIBRADE/UNESCO, 1987.
RIBEIRO, Márcia Moisés. A Ciência nos Trópicos: A arte médica no Brasil do século XVIII. São Paulo, SP: Hucitec, 1997.
SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
WEBER, Beatriz Teixeira. Fragmentos de um Mundo Oculto: práticas de cura no sul do Brasil. In: HOCHMAN, Gilberto (org). Cuidar, controlar, curar – ensaios histórico sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2004, p. 157-215.
WONG, J. Carreiras em Medicina Complementar e Alternativa: Um Panorama Geral. Universia Science. Disponível em: http://www.universia.com.br/nextwave /ver_materia.jsp?materia=100&subcanal=13. Acesso em: 22/12/2019
Publicado
2020-12-10
Como Citar
Tristão Maciel, R., & Pinheiro, V. (2020). Doenças, Lutas Sociais, Medicina Tradicional e a Caça às Bruxas. Revista História: Debates E Tendências, 21(1), 29 - 43. https://doi.org/10.5335/hdtv.21n.1.12116