A identificação do louco e da loucura em Goiás na segunda metade do século XIX

Palavras-chave: Goiás., História., Loucura.

Resumo

O objetivo central deste artigo é observar o processo de constituição do louco e da loucura em Goiás na segunda metade do século XIX. Procura compreender os debates elaborados em torno do problema, os discursos construídos e, por fim, a definição do lugar para os sofredores de enfermidade mental na província/estado. O percurso metodológico percorrido foi a interpretação dos textos jornalísticos e dos relatórios dos administradores, buscando observar como nestas fontes o sofrimento mental é conceituado, como são classificados aqueles que o sofrem e quais as discussões sobre o modo e espaço para tratá-los? Ressaltamos que a busca pela loucura e pelo louco, no período em análise, encaminha, na maioria das vezes, para as páginas policiais, onde aparecem no papel de vítimas ou algozes. O reconhecimento da loucura neste período ocorre no encontro dos limites da humanidade; situa-se o enfermo em situações de violência, crime, suicídio e abandono.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leicy Francisca da Silva, Universidade Estadual de Goiás, Brasil
 

Referências

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. – Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1996, p. 37.

BASTIDE, Roger. Os suicídios em São Paulo, segundo a cor. Boletim de Sociologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, USP, n.71, p.1-49. 1943.

BERTHET (frei Michel). Uma viagem de missão pelo interior do Brasil. In Memórias Goianas I. – UCG. Goiânia. Centauro Graf. Ed., 1982.

BUENO, Jerônimo Carvalho. História da medicina em Goiás, 1979.

FOUCAULT, Michel. História da loucura: na idade clássica. – São Paulo: Perspectiva, 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2000.

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1805-1850). São Paulo:
Companhia das Letras. 2001.

LAPA, José Roberto do Amaral. Os excluídos: contribuição à história da pobreza no Brasil (1850-1930). Campinas, SP: Ed. Unicamp, 2008.

MATTOSO, Kátia Queiroz. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2001.

MEIRELES, Marilúcia Melo. Os “bobos em Goiás: enigmas e silêncios. Goiânia; Editora UFG, 2014.

MORAES, Maria Augusta de Sant’Anna. Dos primeiros tempos da saúde pública em Goiás à Faculdade de Medicina, 2012.

OLIVEIRA, Saulo Veiga; ODA, Ana Maria Galdini Raimundo. O suicídio de escravos em São Paulo nas últimas duas décadas da escravidão. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, n.2, p.371-388, abr.-jun. 2008.

PINTO, Luiz Maria da Silva. Dicionário da Língua Brasileira. – Typographia de Silva, Ouro Preto, 1932, p. 20 e 89.

PORTER, Roy. Uma história social da loucura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar E., 1990.
RABELO, Danilo. Os excessos do corpo: a normatização dos comportamentos na Cidade de Goiás, 1822-1889/Danilo Rabelo; Orientadora Olga Rosa Cabrera Garcia. - Goiânia, 1997.

SALLES, Gilka V. F. de. Saúde e doenças em Goiás (1826-1930). In Saúde e doenças em Goiás: a medicina possível – uma contribuição para a história da medicina em Goiás. Lena Castello Branco Ferreira de Freitas (org.) – Goiânia: Ed., da UFG, 1999.

SANTOS, Ronivaldo Oliveira Rego dos. O projeto do Manicômio Adauto Botelho de Goiânia. – São Paulo, Fonte Editorial, 2020.

SILVA, Leicy Francisca da. Eternos órfãos da saúde: medicina, política e construção da lepra em Goiás. Goiânia: Ed., da UFG, 2016.

SOUZA, Rildo Bento de. A lembrança dos esquecidos: o acerco fotográfico dos internos do Asilo São Vicente de Paulo na Cidade de Goiás. In Histórias das doenças: percepções, conhecimentos e práticas. Organização Sônia Maria de Magalhães, Leicy Francisca da Silva, Roseli Martins Tristão Maciel. – São Paulo: Alameda, 2017.

WADI, Yonissa Marmitt. “Eu gostaria que estas cartas fossem tudo num jornal, para todo o povo saber...”: a escrita epistolar como fonte para a história da loucura. In Uma história brasileira das doenças. Vol. 6. Organização Sebastião Pimentel Franco, Dilene Raimundo do Nascimento, Anny Jackeline Torres Silveira. – Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2016, p. 73.
Publicado
2020-12-10
Como Citar
Francisca da Silva, L. (2020). A identificação do louco e da loucura em Goiás na segunda metade do século XIX. Revista História: Debates E Tendências, 21(1), 10 - 28. https://doi.org/10.5335/hdtv.21n.1.12115