O Príncipe de Maquiavel como fonte histórica

Palavras-chave: O Príncipe, Maquiavel, Política, Fonte Histórica, Lugar de Produção

Resumo

O artigo busca discutir o livro O Príncipe, de Nicolau Maquiavel, analisando seus potenciais para tratamento historiográfico, Neste sentido, parte-se de um empenho de compreensão do lugar de produção da fonte O Príncipe – discutindo os aspectos sociais, culturais e identitários que envolvem seu autor, as circunstâncias de sua produção, a sociedade e mundo político no interior dos quais surge essa obra de realismo político. A Intertextualidade, considerada fundamental para a compreensão de O Príncipe como fonte histórica, expressa-se na contraposição desta obra ao circuito de textos conhecidos como ‘espelhos de príncipes’. Na metade final do artigo, evocamos diversos problemas historiográficos que podem ser aplicados ao Príncipe para a sua inserção em uma perspectiva de História-Problema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGLO, Sydney. (2005). Machiavelli: the first century: studies in enthusiasm, hostility and irrelevance. Oxford: Oxford University Press.

ASPREY, Robert B. (1986). Frederick the Great: The Magnificent Enigma. New York: History Book Club.

BARON, Hans. (1961). Machiavelli: The Republican Citizen and the Author of 'the Prince'. The English Historical Review, vol. 76, n° 299, p.217-253.

BIGNOTTO, Newton. (1991). Maquiavel Republicano. São Paulo: Loyola.

BLOCH, Marc. (1982). A Sociedade Feudal. Lisboa: Edições 70 [original: 1939].

BONAPARTE, Napoleão e MAQUIAVEL, Nicolau. (2000). O Príncipe – comentários de Napoleão Bonaparte. Curitiba: Hemus [originais das notas de Napoleão: 1796, 1802, 1804 e 1814].

BRUCIOLI, Antonio. (1526). Dialogi de Antonio Brucioli. Veneza: Gregorio di Gregori.
CERTEAU, Michel De. (2011). “A Operação Historiográfica” In A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária. p.45-111 [original: 1974].

COLLARES, M. A. (2010). Visões historiográficas sobre a obra de Tito Lívio. São Paulo: Editora UNESP.

DIDEROT, Denis. (2015). “Maquiavelismo” In: Enciclopédia – ou dicionário razoado das ciências, das artes e dos ofícios, vol.4 - Política.Tomo n° 9, São Paulo: Editora UNESP, p.230-232. [original: 1751].

DIDEROT, Denis, (2006). Verbetes Políticos da Enciclopédia. São Paulo: Discurso Editorial / UNESP [originais: 1751-1772].

ELIAS, Norbert. (1990). O Processo Civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor [original: 1939].

FERNÁNDEZ ALBADALEJO, Pablo. (1984). La transición política y la instauración del absolutismo. Zona Abierta, n° 30, p. 63-75.

FIRPO, Luigi. (1970), Le origini dell’anti-machiavellismo. Il Pensiero Politico, vol.2, n°3, p.337-367.

FREDERIC II. (2012). L'Anti-Machiavel: ou Essai de critique sur le Prince de Machiavel [avec toute les corrections de Voltaire]. Paris: Hachette [original: 1741].

GRAMSCI, Antonio (1988). Maquiavel, a Política e o Estado Moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira [original: 1949].

GUICCIARDINI, Francesco. (1983). Opere. Turim: Einaudi [original: 1528].

HESPANHA, António M. (1994). Às vésperas do Leviathan. Instituições e poder político. Portugal, séc. XVII. Coimbra: Almedina [original: 1989].

MAQUIAVEL, Nicolau. (2007-a). História de Florença. São Paulo: Martins Fontes [original: 1520-1525].

MAQUIAVEL, Nicolau. (2007-b). O Príncipe – comentários de Napoleão Bonaparte e Cristina da Suécia. São Paulo: Jardim dos Livros [original: 1513].

MAQUIAVEL, Nicolau. (2000). O Príncipe – comentários de Napoleão Bonaparte. Curitiba: Hemus [original: 1513; 1816].

MAQUIAVEL, Nicolau. (1989). O Príncipe: e dez cartas. Brasília: Editora Universidade de Brasília [original: 1513].

MAQUIAVEL, Nicolau. (1987). A Arte da Guerra (e outros ensaios). Brasília: Editora UNB [original: 1519-1520].

MAQUIAVEL, Nicolau. (1982). Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. Brasília: Ed. UNB [original: 1513-1521].

MUSSOLINI, Benito. (1934). “Preludio al Maquiavelli” In: Scriti I discorsi di Benito Mussolini. Milano: Ulrico Hoepli [original: 1924].
PROCACCI, Giuliano. (1965). Studi sulla fortuna del Machiavelli. Roma, Istituto Teorico Italiano.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. (1999). Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. São Paulo: Nova Cultural [original: 1754].

ROUSSEAU, Jean-Jacques. (1988). O Contrato Social e outros escritos. São Paulo: Cultrix [original: 1762].

SKINNER, Quentin. (1988). Maquiavel. São Paulo: Editora Brasiliense [original: 1981].

STRAYER, Joseph R. (1986). As Origens Medievais do Estado Moderno. Lisboa: Gradiva, s/d [original: 1961].

SUN TZU. (2012). A Arte da Guerra. São Paulo: Martins Fontes [sec.VI a.C].

TITO LÍVIO. (2008). História de Roma – Desde a fundação da Cidade. Belo Horizonte: Crisálida [original: 27-25 a.C].
Publicado
2020-09-22
Como Citar
Costa D’Assunção Barros, J. (2020). O Príncipe de Maquiavel como fonte histórica. Revista História: Debates E Tendências, 20(3), 229-261. https://doi.org/10.5335/hdtv.20n.3.11660