A União Central dos Poloneses do Brasil e a imposição cultural nacional (1930 – 1938)

Palavras-chave: Poloneses, Redes de Sociabilidade, Nacionalização

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar a União Central dos Poloneses do Brasil, na sua perspectiva de promoção da cultura étnica, como forma de manutenção da nacionalidade polonesa nos núcleos étnicos e o fechamento compulsório por meio da nacionalização, como forma de imposição cultural promovida pelas instâncias políticas ideológicas do Estado Novo no Brasil. A organização de instituições étnicas fora importante para a propagação e manutenção de uma cultura trazida com os imigrantes, porém, transformada e atualizada nos espaços culturais de inserção, com inferências decisivas tanto das instâncias governamentais polonesas, na promoção da cultura étnica entre os imigrantes que aqui estavam, quanto, dos processos nacionalizadores brasileiro na Era Vargas. Para a escrita deste artigo foram analisadas documentações consulares do MSZ polonês do ano de 1938, bem como artigos de periódicos étnicos que circulavam nos núcleos de imigração polonesa do Brasil. No entanto, a investigação histórica de instituições étnicas demanda alguns cuidados na apropriação de sentidos e organizações das informações possíveis das fontes de pesquisa. A história de instituições ou rede mais amplas de sociabilidade não se pautam pelas simples análises de documentos, sejam eles oficiais ou de quaisquer outras fontes. Pode-se questionar, sobretudo, se os conhecimentos históricos podem fornecer verdades. Para Reis (2000, p 325), há diversas contestações que relativizam as verdades históricas: o conhecimento está ligado à época de produção e à subjetividade do autor; verdades inverificáveis pela experiência e fontes produzidas e manipuladas conforme as expectativas direcionadas. Para Foucault (2000, p. 14), a própria ideologia é a verdade representada numa perspectiva de relação de poder, nos chamados regimes de verdades1 e em suas representações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTH, Fredrik. Introducción. In BARTH, Fredrik. (org.), Los grupos étnicos y sus fronteras. México: Fondo de Cultura Económica, 1976. pp. 5-69.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.
CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, p. 173-191, abril de 1991.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro, Graal, 2000.
GARDOLINSKI, Edmundo. Escolas da Colonização Polonesa no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindes: Caxias do Sul, UCS, 1977.

GELINSKI, Pedro. Et Al. 75 Anos de presença dos Padres Vicentinos. Curitiba: Gráfica Vicentina, 1978.

GŁUCHOWSKI, Kazimierz. Os poloneses no Brasil. Porto Alegre: Rodycz & Ordakowski, 2005.
KRASICKI, Marek. Sytuacja Polonii brazylijskiej w dobie ustaw nacjonalistycznych prezydenta Getulia Vargasa. Dzieje Polonii w Ameryce Łacińskiej. Wrocław, v.3 n. 5, pp. 411-441, 1983.
KULA, Marcin. Brazylijski żetulizm jako ustrój autorytarny. Dzieje Najnowsze, n. 1, pp. 117-129, 1978.
MALIKOSKI, Adriano. Escolas étnicas polonesas no Rio Grande do Sul. Caxias do Sul: EDUCS, 2018.
MAZUREK, Jerzy. A Polônia e seus emigrados na América Latina (até 1939). Goiânia: Espaço Acadêmico, 2016.
REIS, José Carlos. História e Verdade: proposições. Síntese: Revista de Filosofia. Belo Horizonte, v.27, n. 89, fev. /jun. pp. 1-33, 2000.
SILVA, Fabiana Regina da. Associações Polonesas União das Sociedades Kultura e Oświata (Curitiba - PR): Antagonismos e polonidade (s) na diáspora (1890 1939). Tese de doutorado do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Federal de Santa Maria. Santa Maria: UFSM, PPGH, 2019. 394 p
VIEIRA, Carlos Eduardo. Intelligentsia e intelectuais sentidos, conceitos e possibilidades para a história intelectual. Revista Brasileira de História da Educação. Londrina: n° 16 jan./abr., pp. 63-85, 2008.
IANNI, Otavio. A formação do proletariado rural no Brasil. In: STEDILE (Org.). A questão agrária no Brasil: o debate na esquerda: 1960-1980. São Paulo: Expressão Popular, 2005. p. 127-144.
WACHOWICZ, Ruy Christovam. As Escolas da Colonização Polonesa no Brasil. Curitiba: Ed Champagnat, 2002.
WACHOWICZ, Ruy Christovam. O camponês polonês no Brasil. Curitiba: Fundação Cultural, Casa Romário Martins, 1981.
Publicado
2020-09-22
Como Citar
Malikoski, A. (2020). A União Central dos Poloneses do Brasil e a imposição cultural nacional (1930 – 1938). Revista História: Debates E Tendências, 20(3), 86-114. https://doi.org/10.5335/hdtv.20n.3.11652