Maçonaria: um lugar para a sociabilidade de homens de cor, nascidos livres e libertos

  • Renata Ribeiro Francisco Universidade de São Paulo
Palavras-chave: maçonaria, libertos, “homens livres de cor”

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de analisar a experiência maçônica de homens de “cor”, nascidos livres e libertos, nos templos maçônicos da segunda metade do século XIX. A organização iniciática estabelecida em todos os cantos do país, difundiu-se e consolidou-se como espaço de sociabilidade, principalmente, entre as camadas sociais mais abastadas da sociedade. A participação de homens provenientes de camadas mais pobres na organização, como revela a documentação analisada, ganhou o respaldo da própria legislação maçônica. Para além de discutir a presença de homens de “cor” na maçonaria, buscou-se compreender o significado social que esses homens atribuíam a organização.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, Célia Maria Marinho. Abolicionismo e Memória das Relações Raciais. In: Estudos Afro-Asiáticos, n.26, set.1994.

______. Célia Maria Marinho de. A recusa da ‘raça’: antirracismo e cidadania no Brasil dos anos 1830. In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre. Ano11, n 24. Jul./dez. 2005

_____. Maçonaria, Anti-racismo e Cidadania: uma história de lutas e debates transnacionais. São Paulo: Annablume, 2010.

______. Etíope resgatado: abolicionismo e suas conexões internacionais. São Paulo: Annablume, 2016.

AZEVEDO, Elciene. Orfeu de Carapinha: a trajetória de Luiz Gama na imperial cidade de São Paulo. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, Centro de Pesquisa em História Social da Cultura, 1999.

______. O direito dos escravos: lutas jurídicas e abolicionismos na província de São Paulo. Campinas. São Paulo: Editora da Unicamp, 2010.

BARATA, Alexandre Mansur. A maçonaria e a ilustração brasileira. In: História, Ciência, Saúde. Manguinhos. pp. 78-99, jul-oct, 1994.

______. Os maçons e o movimento republicano (1870-1970). Locus, Revista de História, 1995. Vol. 1. n.1. pp.125-141.

______. Luzes e sombras: a ação da Maçonaria Brasileira (1870-1920). Campinas, São Paulo: Editora Unicamp, Centro de Memória Unicamp. (Coleção Tempo e Memória), 1999.

BARROS, Surya Aaronovich Pombo de. Negrinhos que por ahi andão: a escolarização da população negra em São Paulo (1870-1920) . Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, 2005.

BERTIN, Enidelce. Alforrias na São Paulo do século XIX: liberdade e dominação. São Paulo: Humanidades/FFCH/USP, 2004.

______. Os meias-caras: africanos livres em São Paulo no século XIX. Salto, São Paulo: Schoba, 2013.

CAMINO, Rizzardo da. Dicionário Maçônico. São Paulo: Madras, 2010. pp.251-251.

CARVALHO, William Dálbio Almeida de. Maçonaria Negra. Londrina, Paraná: Editora Trolha, 1999.

CASTRO. Hebe Mattos. Racialização e cidadania no Império do Brasil. (org) José Murilo de Carvalho e Lúcia Maria Bastos Pereira das Neves. In: Repensando o Brasil do Oitocentos: cidadania, política e liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. pp. 349-392.

______. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no Sudeste escravista. 3 Ed. Campinas. São Paulo: Editora da Unicamp, 2013.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. 6 Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DIAS, Maria Odila L. da Silva. Nas fímbrias da escravidão urbana: negras de tabuleiro e de ganho. Estudos Econômicos, 15, 1985, p.89-109.

______. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. 2 Ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

EISENBERG, Peter. Ficando livre: as alforrias em Campinas no século XIX. Estudos Econômicos, 17(2), p.175-216, maio/ago, 1987.

FERREIRA, Ligia Fonseca. Trovas Burlescas e outros poemas. Organização e introdução Ligia Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

______. Luiz Gama: um abolicionista leitor de Renan. In: Estudos Avançados: São Paulo, vol. 21. n 60. Maio/ago, 2007.

______. Com a palavra, Luiz Gama: poemas, artigos, cartas, máximas. São Paulo: Imprensa oficial do Estado de São Paulo, 2011.

FREIRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. Rio de Janeiro: Editora José Olimpio, 1961.

MOREL, Marco; SOUZA, Françoise Jean de Oliveira. O poder da Maçonaria: a história de uma sociedade secreta no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

OLIVEIRA, Maria Inês Côrtes de. O liberto: o seu mundo e os outros. Salvador 1790-1890. São Paulo: Corrupio; Brasília CNPq, 1988.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Imprensa negra no Brasil do século XIX. São Paulo: Selo Negro, 2010.

______. Fortes laços em linhas rotas: literatos negros, racismo e cidadania na segunda metade do século XIX. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, 2014.

GRAHAM, Richard. Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Tradução Celina Brandt. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1997.

VERGER, Pierre. Os libertos: sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX. São Paulo: Currupio, 1992.

VIEIRA, David Gueiros. O protestantismo, a maçonaria e a questão religiosa no Brasil. Brasília: Universidade de Brasília, 1980.

WILLIAMS, Loretta J. Black Freemasonry and Middle-Class Realities. University of Missouri Press Columbia e London, 1980.

WISSENBACH, Maria Cristina Cortez. Sonhos africanos, vivências ladinas: escravos e forros em São Paulo (1850-1880). São Paulo: Hucitec, 1998.

ANDRADE, Euclides, CAMARA, Hely F. da. A Força Pública de São Paulo: esboço histórico: 1831-1931. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista, 1931.
Publicado
2020-04-29
Como Citar
Francisco, R. (2020). Maçonaria: um lugar para a sociabilidade de homens de cor, nascidos livres e libertos. Revista História: Debates E Tendências, 20(2), 160-178. https://doi.org/10.5335/hdtv.20n.2.10930