Os monumentos entre a Antiguidade e o culto das ruínas do século XVIII: um olhar sobre a obra de Giovanni Battista Piranesi

  • Eduardo Roberto Jordão Knack Universidade Federal de Campina Grande, Brasil
Palavras-chave: Monumentos, Ruínas, Piranesi

Resumo

O presente trabalho tem como principal objetivo promover um debate sobre os monumentos da Antiguidade romana e a percepção desses monumentos no século XVIII, marcada por um culto das ruínas, particularmente na obra do arquiteto e gravurista italiano Giovanni Battista Piranesi. Para isso é tecida uma breve revisão de literatura sobre a concepção e os usos dos monumentos em Roma para melhor compreender como foram ressignificados posteriormente. A análise dos trabalhos de Piranesi é realizada a partir da observação de exemplares de algumas séries que ele produziu, como as “Antiguidades Romanas”, “As ruínas do castelo de Acqua Giulia”, “Primeira parte de arquiteturas e de perspectivas” e os “Grotescos”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTIQUEIRA, Moisés. Fabula, monumentum e a fundação de Roma no prefácio de Tito Lívio (6-9). In: Revista Esboços, v.16, n.22, 2009.

ARIÈS, Philippe. História da morte no Ocidente: da Idade Média aos nossos dias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. 4. ed. São Paulo: Estação Liberdade; Unesp, 2006.

CORDARO, Michele. A veduta em Roma, de Giovani Battista Falda a Giuseppe Vasi. In: BARROS, A. M. T. de M. (Coord.). Giovanni Battista Piranesi: invenções, caprichos, arquitecturas – 1720/1778. Lisboa: Secretaria de Estado da Cultura, 1993.

DOMÉNECH, Eduardo. (coord.). Piranesi: Uma visão do artista através da coleção de gravuras da Real Academia de Belas Artes de São Carlos (Valência, Espanha). São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1997.

DUBIN, Nina L. Futures & ruins: eighteenth-century Paris and the art of Hubert Robert. Los Angeles: Getty Research Institute, 2010.

FICACCI, Luigi. Giovanni Battista Piranesi: Catálogo completo das águas-fortes. Köln: Taschen, 2016.

GRIMAL, Pierre. O século de Augusto. Lisboa: Edições 70, 1992.

GRIMAL, Pierre. A civilização Romana. Lisboa: Edições 70, 2009.

GRANDAZZI, Alexandre. As origens de Roma. São Paulo: ed. UNESP, 2010.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado presente: modernismo, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto; Museu de Arte do Rio, 2014.

MARTIN, Thomas R. Roma Antiga: de Rômulo a Justiniano. Porto Alegre: L&PM, 2019.

MENEGUELLO, Cristina. Da construção das ruínas: fragmentos do passado histórico. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA ANPUH, 22. João Pessoa, 2003

REIMER, Ivoni Richter. Nas catacumbas de Roma: uma ‘história da morte’ para reconstruir vidas. In: Revista Mosaico, v.2, n.2, 2009.

REIS, Telmo Corujo dos. Entre o céu e a terra, a glória de Roma: a estátua de Augusto da Prima Porta Revisitada. In: VERÍSSIMO, Nelson; SANTOS, Thierry Proença dos. (ed.). Universidade da Madeira: 25 anos. Funchal: Universidade da Madeira, 2005.

RODRIGUES, Angela Rosch. As Antichità Romane de Piranesi: um projeto para catalogação e conservação das ruínas da Antiguidade no século XVIII. In: Rev. CPC, n.27, 2019.

SALDANHA, Nuno. G.B. Piranesi e a poética da ruína no século XVIII. In: BARROS, A. M. T. de M. (Coord.). Giovanni Battista Piranesi: invenções, caprichos, arquitecturas – 1720/1778. Lisboa: Secretaria de Estado da Cultura, 1993.

TOSCANO, Odiléia Helena Setti. A cidade contemporânea. A visão de Piranesi. In: Pós – Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, v.1, n.1, 1990.

VEYNE, Paul. O Império Romano. In: VEYEN, Paul. (org.). História da vida privada – do império romano ao ano mil. v. 1. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.
Publicado
2020-12-05
Como Citar
Knack, E. (2020). Os monumentos entre a Antiguidade e o culto das ruínas do século XVIII: um olhar sobre a obra de Giovanni Battista Piranesi. Revista História: Debates E Tendências, 21(1), 216 - 239. https://doi.org/10.5335/hdtv.21n.1.10853