A indústria frigorífica no oeste catarinense e a participação dos ítalos (1940-1960)

  • José Carlos Radin Universidade Federal da Fronteira Sul
Palavras-chave: Frigoríficos, Pequena agricultura, Santa Catarina

Resumo

Analisa a participação dos ítalo-brasileiros no processo de desenvolvimento da indústria frigorífica do Oeste catarinense (1940-1960). Apresenta a região, enquanto fronteira agrícola ocupada por colonos e o perfil dos líderes na criação dos frigoríficos, bem como aponta razões da modernização dessa indústria. Evidencia os fatores da gênese de tal processo industrial, em particular os que favoreceram a acumulação de capital por algumas famílias e o reinvestimento na formação de sistemas produtivos que se especializaram no processamento de carne suína. Fundamenta-se principalmente na literatura existente sobre o tema, destacando que o surgimento e estruturação dos frigoríficos se deve sobretudo aos descendentes de italianos, cujas famílias, compuseram inicialmente os assentamentos agrícolas e, gradativamente, empreenderam no comércio e acumularam capital, o que lhes permitiu investir também na indústria frigorífica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBA, Rosa S. Cadernos do CEOM. Ano 15, nº 14, UNOCHAPECO, dez./2001.
ÁLBUM do Cinquentenário de Chapecó. Documentário Histórico. Acervo: Centro de Memória do Oeste – CEOM. Chapecó. 1967.
AMADOR, Milton C. P. A colonização na pequena propriedade familiar pelo descendente de imigrante e o desenvolvimento socioeconômico de Concórdia (1920 a 1960). Concórdia: Fundação Municipal de Cultura, 2015.
BRUM, Argemiro J. O desenvolvimento econômico brasileiro. 10. ed. Petrópolis, Ijuí: Vozes, FIDENE, 1991.
CARMO, Paulo S. do. A ideologia do trabalho. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2005.
CEAG: Centro de Assistência Gerencial de Santa Catarina. Evolução histórico-econômica de Santa Catarina: estudo das alterações estruturais. Florianópolis: CEAG-SC, 1980.
CORAZZA, Gentil. Traços da formação Socioeconômica do Oeste Catarinense. In: CORAZZA, G.; RADIN, J. C. (Orgs.). Fronteira Sul: ensaios socioeconômicos. Florianópolis: Insular, 2016, p. 59-90.
D’EÇA, Othon. Aos espanhóis confinantes. Florianópolis: FCC, Fundação Banco do Brasil, UFSC, 1992.
DALLA COSTA, Armando J. O Grupo Sadia e a Produção Integrada: o lugar do agricultor no complexo agroindustrial. Curitiba: Universidade Federal do Paraná (Dissertação História), 1993.
DE BONI, Luiz A.; COSTA, Rovilio. Os italianos do Rio Grande do Sul. 4. ed. Ver. e Atual. Porto Alegre: EST Edições, 2011.
ESPINDOLA, Carlos J. As agroindústrias do Oeste Catarinense: o caso Sadia. São Paulo: Universidade de São Paulo, (Dissertação Geografia), 1996.
FERREIRA DA COSTA, Arthur. O Oeste catharinense: visões e suggestões de um excursionista. Rio de janeiro: Villas Boas & Cia, 1929.
FERREIRA, Antenor G. Z. Concórdia: o rastro de sua história. Concórdia: Fundação Municipal de Cultura, 1992.
FONTANA, Attilio. História da minha vida. Petrópolis: Vozes, 1980.
FRANCO, Jr. Hilário. Cocanha: a história de um país imaginário. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
FRANZINA, Emilio. La terra ritrovata: Storiografia e memoria della prima immigrazione italiana in Brasile. Genova: Stefano Termanini Editore. 2014.
GOULARTI F., Alcides; ALMEIDA, A. Scholl; MESSIAS, Talita A. de. A trajetória da SUDESUL e as políticas de desenvolvimento regional para o sul do Brasil 1967-1990. In: V Encontro de Economia Catarinense. Florianópolis, 2011. http://www.apec.unesc.net/V_EEC/sessoes_tematicas/. 02 de julho de 2011. Acesso em 7/06/19.
KROTH, Darlan C. A Agroindústria do Oeste Catarinense e o Desenvolvimento Regional sustentável: os velhos e os novos desafios no novo século. In: CORAZZA, Gentil; RADIN, José Carlos (Orgs.). Fronteira Sul: ensaios socioeconômicos. Florianópolis: Insular, 2016, p. 129-162.
MARTINS, José S. Fronteira: degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto, 2009.
PALUDO, Biagio Aurelio. Álbum de Família. Chapecó: Graftsel.1985.
QUEIROZ, Alexandre M. de, et. Al. (Orgs.) Álbum comemorativo do cinquentenário de Joaçaba. 1967.
RADIN, J. C.; CORAZZA, G. “Formação de Capital” e “Modelo de Desenvolvimento”. Dicionário histórico-social do Oeste catarinense. 1. ed. Chapecó: Ed. Universidade Federal Fronteira Sul, 2018.
RETRATO de um Homem. Videira, SC: Perdigão S. A. Comércio e Indústria, 1982.
ROMANATO, G., In: ROMANATO, Giampaolo; HERÉDIA, Vania Beatriz Merlotti. L’emigrazione italiana nel Rio Grande o Sul brasiliano (1875-1914). Consiglio Regionale del Veneto. Ravenna: Longo Editore Ravenna, 2018.
SADIA 50 anos: construindo uma história. São Paulo: Prêmio, 1994.
SANTIN Silvino. Dimensão social do trabalho e da propriedade do imigrante italiano na ex-colônia de Silveira Martins. In: De Boni, Luiz A. A presença italiana no Brasil. Vol. II, Porto Alegre; Torino: Escola Superior de Teologia; Fondazione Giovanni Agnelli, 1990.
SILVA, E. Apud SILVA, Rosangela Cavallazzi da. Terras públicas e particulares: o impacto do capital estrangeiro sobre a institucionalização da propriedade privada (um estudo da “Brazil Railway Company” no Meio Oeste catarinense). (Dissertação Direito). Florianópolis, UFSC, 1983.
SILVESTRIN, Alvirio. Lunadri (Tottari): uma história de Foza - Itália, Fagundes Varela (RS) e Xaxim (SC). Chapecó: A. Silvestrin, 2002.
SUDESUL - Superintendência de Desenvolvimento da Região Sul. O fenômeno migratório na Região Sul. Porto Alegre: SUDESUL, 1975.
TESTA, Vilson M. et al. O desenvolvimento sustentável do Oeste Catarinense. Florianópolis: Epagri, 1996.
Publicado
2019-12-23
Como Citar
Radin, J. (2019). A indústria frigorífica no oeste catarinense e a participação dos ítalos (1940-1960). Revista História: Debates E Tendências, 19(4), 720-744. https://doi.org/10.5335/hdtv.19n.4.10495