Interação entre disfunções temporomandibulares, diagnósticos e modalidades de tratamento

  • Renato dos Santos Hospital São Vicente de Paulo
  • Grasielli Varnier Montibeller
  • Mara Lucia Campos
  • Karen Correa Oliveira
Palavras-chave: Disfunções, Miofaciais, Temporomandibular

Resumo

Objetivo: esclarecer a importância de interação diagnóstica, tratamento e desordens temporomandibulares. Revisão de literatura: a necessidade de conhecimento para avaliar o funcionamento do sistema estomatognático identificando possíveis desordens temporomandibulares e mialgias faciais é de suma importância. Por meio de anamnese e exame clínico detalhado, é possível selecionar e instituir um plano de tratamento. Tratar desordens temporomandibulares e mialgias faciais associadas às deformidades dentoesqueléticas depende de um diagnóstico correto e, principalmente, de um plano de tratamento adequado, pois, havendo equívoco, poderá resultar em um mau prognóstico. As modalidades de tratamento das desordens articulares incluem os tratamentos conservadores e os não conservadores. Presume-se que a grande maioria dos pacientes que buscam um tratamento cirúrgico baseiam-se nas recomendações dos ortodontistas, porém, nem sempre enfocam os aspectos esqueletais de uma má oclusão severa, o que pode não ser conduzido da maneira mais adequada para o reestabelecimento da funcionalidade facial. Considerações finais: condutas terapêuticas instituídas nas desordens temporomandibulares não orientadas, descartando hipóteses fatoriais diversas, podem comprometer um futuro tratamento ou agravar a situação patológica presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato dos Santos, Hospital São Vicente de Paulo
Graduado em Odontologia pela Universidade de Passo Fundo (2012). Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial no Hospital São Vicente de Paulo – CEOM, Passo Fundo - RS (2014). Membro do Corpo Clínico e Plantonista no setor de Emergência do Hospital São Vicente de Paulo, Passo Fundo - RS. Credenciado para aplicação de Toxina Botulínica pelo Instituto Odontológico das Américas, Balneário Camboriú - SC (2012). Credenciado em Estética Oro-Maxilo-Facial no Centro de Estudos Odontológicos Meridional, Passo Fundo - RS (2013). Realizou o Curso de Atualização em Cirurgia Oral Menor pelo Centro de Estudos Odontológicos Meridional, Passo Fundo - RS (2012). Atualmente trabalha no Hospital São Vicente de Paulo em Passo Fundo abordando as seguintes áreas: Emergências Bucomaxilofaciais, Traumatologia Bucomaxilofacial, Cirurgia das Deformidades Dentofaciais, Cirurgia da Articulação Temporo-mandibular, Cirurgia Oral menor, Assistência Odontológica ao paciente Oncológico, Odontologia Hospitalar, Laserterapia e Estética Oro-Maxilo-Facial. Preceptor do Curso de Pós-graduação em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Centro de Estudos Odontológicos Meridional - HSVP (2014 a 2017). Participou de projetos de pesquisa como coordenador e orientador estabelecido no setor de Radioterapia e Quimioterapia do Hospital São Vicente de Paulo em Passo Fundo - RS (2012 a 2017). Professor nos cursos de Pós-graduação de Estética Oro-Maxilo-Facial no Instituto Odontológico das Américas - Balneário Camboriú / SC (2016, 2017). Professor do Curso de Pós Graduação em Cirurgia Oral Menor aperfeiçoamento em Bichectomia no Instituto Odontológico das Américas - Balneário Camboriú / SC (2016, 2017). Professor do Curso de Cirurgia Oral Menor no Instituto Odontológico das Américas - Balneário Camboriú / SC (2016, 2017). Professor nos cursos de Pós Graduação no Instituto de Ortopedia e Traumatologia HSVP - Passo Fundo / RS (2015 a 2017). Mestrando em Odontologia na Universidade de Passo Fundo / RS (2016 a 2017). Professor da Universidade Regional Integrada do alto Uruguai e das Missões, Erechim – RS (2017). Membro do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial. Membro da Sociedade Brasileira de Toxina Botulínica e Implantes Faciais na Odontologia.

Referências

Paduano S, Bucci R, Rongo R, Roberta Silva R, Ambra Michelotti A. Prevalence of temporomandibular disorders and oral parafunctions in adolescents from public schools in Southern Italy. The Journal of Craniomandibular e Sleep Practice. 2018; 14:1-6.

Nicot R, Vieira AR, Raoul G, Delmotte C, Duhamel A, Ferri J, et al. ENPP1 and ESR1 genotypes influence temporomandibular disorders development and surgical treatment response in dentofacial deformities. J Craniomaxillofac Surg 2016; 44(9):1226-37.

Neto OA, Costa CMC, Siqueira JTT, Teixeira MJ. Dor: princípios e prática. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Neto AJF, Neves FD, Junior PCS. Oclusão. São Paulo: Artes Médicas; 2013.

Coutinho T. Adaptações do sistema estomatognático em indivíduos com desproporções maxilo-mandibulares: revisão de literatura. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia 2009; 14:(2):275-9.

Silva M. Influência do tratamento ortodôntico-cirúrgico nos sinais e sintomas de disfunção temporomandibular em indivíduos com deformidades dentofaciais. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia 2011; 16(1):80-4.

Panagiotis K. Signs and Symptoms of Temporomandibular Joint Disorders Related to the Degree of Mouth Opening and Hearing Loss. Journal Indian Prosthodont Sociate 2011; 2(1):98-105.

Gonçalves DAG. Estudos sobre a relação entre disfunção temporomandibular e cefaléia primária: avaliações populacional e clínica [Tese de Doutorado]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; 2009.

Younger J. Chronic myofascial temporomandibular pain is associated with neural abnormalities in the trigeminal and limbic systems. Journal National Institutes of Health 2010; l(1):222-8.

Siqueira JT, Teixeira M. Dores orofaciais: diagnóstico e tratamento. São Paulo: Artes Médicas; 2012.

Machado L. Profiling the clinical presentation of diagnostic characteristics of a sample of symptomatic TMD patients. BMC Oral Health 2012; l(1):12-26.

Okeson J. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4. ed. São Paulo: Artes Médicas; 2000.

Gonsalez D. Correlação entre disfunção temporomandibular, postura e qualidade de vida. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano 2008; 18(1):79-86.

Azenha C. Protocolos em ortodontia: diagnóstico, planejamento e mecânica. Dental Press Journal of Orthodontics 2013; 18(1):9-10.

Moyers R. Ortodontia. 4. ed. São Paulo: Guanabara; 1991.

Ricketts R. Planning treatment on the basis of the facial pattern and na estimate of its growth. American Journal of Orthodontics 1957; 27(1):272-89.

Esteves A. Avaliação da profundidade do palato e das dimensões do arco dentário superior em indivíduos com maloclusão e diferentes tipos faciais. Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial 2007; 12(4):84-98.

Mezzomo C. As implicações da classe II de Angle e da desproporção esquelética no aspecto miofuncional. Revista Cefac 2011; 1(1):728-34.

Ambrizzi D. Avaliação das queixas estético-funcionais em pacientes portadores de deformidades dentofaciais. Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial 2007; 12(5):63-70.

Wolford L. Recognizing dental-facial deformities: an approach for the orthodontist. Orthodontic Science and Practice 2010; 3(10):150-8.

Simões W. Ortopedia funcional dos maxilares. 3. ed. São Paulo: Artes Médicas; 2003.

Pinho T. A Ortodontia interceptiva nas deformidades dento-maxilares. Nascer e Crescer, Revista do Hospital de Crianças Maria Pia 2011; 20(3):192-6.

Gregoret J. Ortodontia e cirurgia ortognática: diagnóstico e planejamento. 2. ed. São Paulo: Tota; 2007.

Costa K, Martins L, Gonçalves R. Avaliação da qualidade de vida de pacientes submetidos à cirurgia ortognática. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial 2012; 12(2):81-92.

Proffit, W. Ortodontia contemporânea. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2008.

Cardoso R. Cirurgia ortognática: orientações ortodônticas. International Journal of Dentistry 2009; 8(2):94-7.

Bagis B. Gender difference in the prevalence of signs and symptoms of temporomandibular dysfunction. International Journal of Medical Sciences 2012; 9(7):539-44.

Barrero M. The efficacy of acupuncture and decompression splints in the treatment of temporomandibular joint pain-dysfunction syndrome. Medicina Oral Patologia Oral y Cirugia Bucal 2012; 2(1):1028-33.

Lindem VD. Crescimento e ortopedia facial. São Paulo: Quintessence; 1990.

Publicado
2019-08-02
Como Citar
Santos, R., Montibeller, G., Campos, M., & Oliveira, K. (2019). Interação entre disfunções temporomandibulares, diagnósticos e modalidades de tratamento. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 24(1), 155-161. https://doi.org/10.5335/rfo.v24i1.9003
Seção
Artigos