Lesões cervicais não cariosas: uma abordagem no controle da dor e tratamento

  • Larissa Moreira Faculdade Morgana Potrich
  • Carla Cristiane Andrade Silva Oliveira Faculdade Morgana Potrich
  • Victor da Mota Martins Universidade Federal de Uberlândia
  • Paulo César de Freitas Santos-Filho Universidade Federal de Uberlândia
  • Camila Ferreira Silva Faculdade Morgana Potrich
Palavras-chave: Hipersensibilidade da dentina, Dor, Tratamento

Resumo

Objetivo: o objetivo deste trabalho é relatar um caso clínico de hipersensibilidade severa associada a múltiplas lesões cervicais não cariosas, entender o mecanismo de ação e a eficácia dos agentes dessensibilizantes. Relato de caso: paciente do gênero masculino, 38 anos de idade, compareceu à clínica da Faculdade Morgana Potrich com um quadro de hipersensibilidade em vários elementos, bem como, a presença de lesão cervical não cariosa em alguns desses elementos. Durante a anamnese o paciente relatou o hábito de escovar os dentes várias vezes ao dia logo após se alimentar, exercendo muita força durante o ato, relatou também fazer consumo diário de cerveja que possui um pH ácido. Ao realizar análise da oclusão notou-se um desequilíbrio oclusal e contato prematuro nos dentes 24 e 34. O tratamento de escolha para esse caso foi o ajuste oclusal seguido do uso de dessensibilizantes e restaurações em resina composta nos dentes que havia a presença de lesões cervicais não cariosas com perda de estrutura dentária. Considerações finais: após esse tratamento, realizado em várias sessões, foi possível devolver ao paciente a função e eliminar a dor provocada pela hipersensibilidade, proporcionando uma melhor qualidade de vida para esse paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. West N, Seong J, Davies M. Dentine Hypersensitivity.
Monogr Oral Sci, 2014; 25 (1):108-22.

2. Silva MF, Perondi PR, Carvalho PR, Araújo BN, Carvalho
CF, Quintella BLB, et al. Hipersensibilidade dentinária: desafios
para diagnóstico e perspectivas de tratamento. Ver Assoc
Paul, 2017; 71 (1): 4- 11.

3. Oliveira JM, Oliveira M, Santos APM, Vadillo JG, Campos
CN, Chaves MGAM. Hipersensibilidade dentinária: considerações
para o sucesso em seu manejo clínico. HU Revista,
2012; 38 (2): 13-20.

4. Oliveira TMR, Ramos TM, Moretto SG, Freitas PM. Restabelecimento
estético e funcional de lesão cervical não cariosa
causada por trauma oclusal. Rev Assoc Paul Cir Dent, 2013;
67 (3): 238-24.

5. Soares PV, Zeola LF, Spini PHR, Machado AC, Pereira FA,
Pereira AG, et al. Lesões cervicais não cariosas e hipersensibilidade
dentinária: protocolos reabilitadores e estéticos.
Pro-odonto Estét, 2014; 2 (8): 43-73.

6. Peixoto LM, Daleprane B, Batitucci MHG, Sanglard L, Pazinatto
FB. Tatamento da hipersensibilidade dentinária cervical.
Rev Bras Pesq Saúde. 2010 12 (2): 69-74.

7. Figueiredo VMG, Santos RL, Batista AUD. Estudo das características
e da hipersensibilidade de lesões cervicais
não cariosas em pacientes com alterações oclusais. Rev Fac
Odontol Univ Passo Fundo 2016; 21 (3): 294-9.

8. Barbosa LPB, JR Prado RR, Mendes RF. Lesões cervicais
não-cariosas: etiologia e opções de tratamento restaurador.
Rev Dent on line [periódico on-line]. 2009 [citado 2009 janeiro-
março]; 18(8): [telas]. Disponível em URL: http://seer.upf.
br/index.php/rfo/article/view/4971/3313.

9. Andrade LP, Biscarde A, Moreira A, Ribeiro E, Bittencourt S.
Tratamento de dentes com recessão gengival e abrasão cervical.
Rev Bahiana Odontol, 2012; 3(1):86-99.

10. Santos APM, Pereira MN, Leite FPP, Oliveira JM, Chaves
MGAM. Um sintoma preocupante: a hipersensibilidade dentinária.
Rev Bras Odontologia, 2010; 67(2):242-6.

11. Querido MTA, Raslan AS, Scherma AP. Hipersensibilidade
dentinária - Revisão literária. Rev Periodontia, 2010;
20(20):39-46.

12. Kina M, Vilas Boas TS, Tomo S, Fabre AF, Simonato LE,
Boer NP, et al. Lesões cervicais não cariosas: protocolo clínico.
Rev Arch Health Invest, 2015; (4):21-8.

13. Sousa LX, Cruz JHA, Melo WOS, Freire SCP, Ribeiro ED,
Freire JCP. Abfração dentária: um enfoque sobre a etiologia
e o tratamento restaurador. Rev Arch Healt, 2018; (2):51-3.

14. Aguiar FHB, Giovanni EM, Monteiro FHL, Villalba H. Hipersensibilidade
dentinária- causas e tratamento. Uma revisão
da literatura. Rev Inst Ciências Saúde, 2005; 23(1):67-71.

15. Xavier AFC, Pinto TCA, Cavalcante AL. Lesões cervicais
não cariosas: um panorama atual. Rev Odontol Univ Cid São
Paulo, 2012; 24(1):57-66.

16. Ozlem K, Esad GM, Ayse A, Aslihan U. Eficiência de lasers
e um agente desensibilizantes na hipersensibilidade dentinária
Tratamento: Um Estudo Clínico. Niger J Clin Pract,
2018; 21:225-30.

17. Garcia CH, Kahn S, Galan JJR, Namen FM, Machado WAS.
Avaliação clínica da hipersensibilidade dentinária após tratamento
com dessensibilizantes comerciais. Rev Periodontia,
2009; 19(2):78-85.

18. Favretto CO, Delbem ACB, Moraes JCS, Camargo ER, De
Toledo PTA, Pedrini D. Dentinal tubule obliteration using
toothpastes containing sodium trimetaphosphate microparticles
or nanoparticles. Clinical Oral Invastigation, 2018;20:1-9.
Publicado
2020-04-28
Como Citar
Moreira, L., Oliveira, C., Martins, V., Santos-Filho, P., & Silva, C. (2020). Lesões cervicais não cariosas: uma abordagem no controle da dor e tratamento. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 24(3), 375 - 382. https://doi.org/10.5335/rfo.v24i3.8968
Seção
Artigos