Avaliação da efetividade de tratamentos conservadores para disfunções temporomandibulares miogênicas: revisão integrativa da literatura

  • Bruna Fonseca Duarte ULBRA
  • Raul Antonio Cruz ULBRA
  • Myrian Camara Brew ULBRA
  • Eduardo Grossmann UFRGS
  • Caren Serra Bavaresco Grupo Hospitalar Conceição Programa de Pós-graduação ULBRA
Palavras-chave: Aconselhamento, Articulação temporomandibular, Dor miofascial, Farmacoterapia

Resumo

Objetivo: revisão integrativa sobre os principais métodos de tratamento conservador para disfunção temporomandibular, sendo eles: placa oclusal, aconselhamento e farmacoterapia. Materiais e método: a busca foi feita nas bases de dados PubMed, SciELO, Lilacs e Google Acadêmico, utilizando os seguintes descritores: “counseling and temporomandibular joint”; “counseling and facial pain”; “counseling and temporomandibular joint dysfunction syndrome”; “counseling and temporomandibular joint and drug therapy”; e “counseling and drug therapy and facial pain”. Resultados: no total, foram encontrados 314 estudos nesta pesquisa, porém, somente 8 foram incluídos no estudo. Esses comprovam a eficácia desses métodos de tratamento, fazendo com que o paciente obtenha diminuição da sintomatologia dolorosa, melhora das funções mastigatórias, além de proporcionar um alívio na tensão muscular, devido ao relaxamento das estruturas relacionadas. A placa oclusal tende a diminuir as forças oclusais aplicadas, redistribuindo a carga mastigatória sobre as superfícies oclusais. Alguns fármacos (anti-inflamatórios, antidepressivos e relaxantes musculares) são capazes de minimizar a sintomatologia dolorosa, proporcionando uma melhora na qualidade do sono e a redução de episódios de dor intensa. Por sua vez, o aconselhamento orienta os pacientes para que possam evitar atitudes que piorem sua doença, educando-os e conscientizando-os sobre seus hábitos parafuncionais, além de reduzir os fatores causadores de sintomatologia dolorosa. Conclusão: conseguimos observar que esses tratamentos apresentam índices de sucesso relevantes, quando se referem à diminuição dos sintomas, especialmente o aconselhamento, que ainda é uma terapia conservadora pouco explorada. Faz-se necessária a realização de mais estudos neste campo, para que sejam obtidos resultados cada vez mais concretos e conclusivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Martins APVB, Aquino LMMD, Meloto CB, Barbosa CMR. Counseling and oral splint for conservative treatment of temporomandibular dysfunction: preliminary study. Rev de Odontol da Unesp 2016; 45(4):207-13.

Donnarumma MDC, Muzilli CA, Ferreira C, Nemr K. Temporomandibular disorders: signs, symptoms and multidisciplinary approach. Revista Cefac 2010; 12(5):788-94.

Freitas RFCP, Ferreira MAF, Barbosa GAS, Calderon PS. Counselling and self‐management therapies for temporomandibular disorders: a systematic review. Journal Oral Rehabilitation 2013; 40(11):864-74.

Okeson JP. Dor orofacial guia de avaliação, diagnóstico e tratamento. São Paulo: Quintessense; 1998.

Scully C. Medicina oral e maxilofacial: bases do diagnóstico e tratamento. Elsevier 2008; 2:392.

Oliveira AS, Bermudez CC, Souza RA, Souza CMF, Dias EM, Castro CES, et al. Impacto da dor na vida de portadores de disfunção temporomandibular. J Appl Oral Sci 2003; 11(2):138-4.

Cauás M, Alves IF, Tenório K, HC Filho JB, Guerra CMF. Incidências de hábitos parafuncionais e posturais em pacientes portadores de Disfunção da Articulação Craniomandibular. Revista de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial 2004; 4(2):121-9.

Favero EK. Disfunções da articulação temporomandibular: uma visão etiológica e terapêutica multidisciplinar [Monografia]. São Paulo: Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica; 1999.

Okeson J. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. São Paulo: Elsevier; 2013.

Neville BW. Patologia oral e maxilofacial. Elsevier 2009; 3(3):972.

Portero PP, Kern R, Kusma SZ, Grau-Grullón P. Placas oclusais no tratamento da disfunção temporomandibular (DTM). Rev Gestão & Saúde 2009; 1(1):36-40.

Júnior FGPA, Mendes CR, Guimarães MR. Avaliação longitudinal de pacientes com disfunções têmporomandibulares tratados com placas oclusais, aconselhamento e farmacoterapia. Rev Odontol do Brasil Central 2006; 15(40):63-70.

Alencar Jr. F, Becker A. Evaluation of different occlusal splints and counselling in the management of myofascial pain dysfunction. Journal of Oral Rehabilitation 2009; 36(2):79.

Nimelä K, Korpela M, Raustia A, Ylöstalo P, Sipilä K. Efficacy of stabilisation splint treatment on temporomandibular disorders. Journal of Oral Rehabilitation 2012; 39(11):799-804.

Katyayan PA, Katyayan MK, Shah RJ, Patel G. Efficacy of appliance therapy on temporomandibular disorder related facial pain and mandibular mobility: a randomized controlled study. The Journal of Indian Prosthodontic Society 2014; 14(3):251-61.

Qvintus V, Suominen AL, Huttunen J, Raustia A, Ylöstalo P, Sipilä K. Efficacy of stabilisation splint treatment on facial pain-1 year follow up. Journal Oral Rehabilitation 2015; 42(6):439-46.

Pficer JK, Dodic S, Lazic V, Trajkovic G, Milic N, Milicic B. Occlusal stabilization splint for patients with temporomandibular disorders: meta-analysis of short and long term effects. PloS One 2017; 12(2):e0171296.

Francesquini Jr. L, Francesquini MA, Daruge E, Gonçalves RJ, Ambrosano GMB, Barbosa CMR, Duz S. Disfunção de ATM: verificação do conhecimento do cirurgião-dentista sobre etiologia, incidência e diagnóstico. J Bras Ortodon Ortop Facial 1999; 4(19):67-79.

Publicado
2019-08-02
Como Citar
Duarte, B., Cruz, R., Brew, M., Grossmann, E., & Bavaresco, C. (2019). Avaliação da efetividade de tratamentos conservadores para disfunções temporomandibulares miogênicas: revisão integrativa da literatura. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 24(1), 141-147. https://doi.org/10.5335/rfo.v24i1.8626
Seção
Artigos