Estudo epidemiológico de pacientes portadores de infecção do complexo bucomaxilofacial tratados no Hospital Universitário de Maringá: estudo retrospectivo ao longo de 8 anos

  • Gustavo Jacobucci Farah Universidade Estadual de Maringá
  • José Henrique Santana Quinto Universidade Estadual de Maringá
  • Izabella Giannasi Farah Universidade Estadual de Maringá
  • Marcelly Tupan Chistoffoli Universidade Estadual de Maringá
  • Caroline Resquetti Luppi Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Infecções buco-maxilo-faciais, infecções odontogênicas, análise epidemiológica.

Resumo

Infecções agudas bucomaxilofaciais podem ser condições clínicas graves e de ocorrência comum, caracterizadas pela disseminação do processo infeccioso a tecidos adjacentes e espaços faciais da região de cabeça e pescoço, podendo resultar em várias complicações, até mesmo em óbito, embora seja raro. Objetivo: realizar uma análise epidemiológica de infecções maxilofaciais, relacionando os dados ao tratamento instituído e à sua efetividade, bem como analisar dados referentes a idade, sexo, principais dentes envolvidos e tempo total de internação. Sujeito e método: foram analisados retrospectivamente 240 prontuários de pacientes admitidos no Hospital Universitário de Maringá com infecção odontogênica, atendidos pela equipe de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial no período de janeiro de 2009 a janeiro de 2017. Resultados: a média de idade dos pacientes foi de 38 anos, com 57 mulheres e 54 homens. A média de temperatura de admissão foi38,5°C. A região mais acometida foi o ramo posterior da mandíbula, tendo uma média de duração de infecçãoe hospitalização de 6,1 dias. A principal conduta foi drenagem e antibioticoterapia, sendo que cerca de 13pacientes não precisaram desse tipo de intervenção, e um paciente evoluiu a óbito. Conclusão: com base nestes resultados e na literatura, infecções odontogênicas merecem atenção, pois podem ser fatais e requerem internação rápida e tratamento adequado. Esse, portanto, é um assunto de grande importância para o cirurgião-dentista, que exerce papel fundamental na prevenção e no tratamento. A resolução precoce ainda é a forma mais adequada para evitar complicações mais graves.

Biografia do Autor

Gustavo Jacobucci Farah, Universidade Estadual de Maringá
Professor doutor da área de cirurgia e traumatologia Buco-Maxilo-Facial da Universidade Estadual de Maringá
José Henrique Santana Quinto, Universidade Estadual de Maringá
Residente da área de cirurgia e traumatologia Buco-Maxilo-Facial da Universidade Estadual de Maringá
Izabella Giannasi Farah, Universidade Estadual de Maringá
Academica do curso de odontologia da Universidade Estadual de Maringá
Marcelly Tupan Chistoffoli, Universidade Estadual de Maringá
Academica do curso de odontologia da Universidade Estadual de Maringá
Caroline Resquetti Luppi, Universidade Estadual de Maringá
Cirurgiã Dentista formada pela Universidade Estadual de Maringá
Publicado
2018-12-18
Como Citar
Farah, G., Quinto, J. H., Farah, I., Chistoffoli, M., & Luppi, C. (2018). Estudo epidemiológico de pacientes portadores de infecção do complexo bucomaxilofacial tratados no Hospital Universitário de Maringá: estudo retrospectivo ao longo de 8 anos. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 23(3), 280-283. https://doi.org/10.5335/rfo.v23i3.8560
Seção
Artigos