Estudo epidemiológico de pacientes portadores de infecção do complexo bucomaxilofacial tratados no Hospital Universitário de Maringá: estudo retrospectivo ao longo de 8 anos

  • Gustavo Jacobucci Farah Universidade Estadual de Maringá
  • José Henrique Santana Quinto Universidade Estadual de Maringá
  • Izabella Giannasi Farah Universidade Estadual de Maringá
  • Marcelly Tupan Chistoffoli Universidade Estadual de Maringá
  • Caroline Resquetti Luppi Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Infecções buco-maxilo-faciais, infecções odontogênicas, análise epidemiológica.

Resumo

Infecções agudas bucomaxilofaciais podem ser condições clínicas graves e de ocorrência comum, caracterizadas pela disseminação do processo infeccioso a tecidos adjacentes e espaços faciais da região de cabeça e pescoço, podendo resultar em várias complicações, até mesmo em óbito, embora seja raro. Objetivo: realizar uma análise epidemiológica de infecções maxilofaciais, relacionando os dados ao tratamento instituído e à sua efetividade, bem como analisar dados referentes a idade, sexo, principais dentes envolvidos e tempo total de internação. Sujeito e método: foram analisados retrospectivamente 240 prontuários de pacientes admitidos no Hospital Universitário de Maringá com infecção odontogênica, atendidos pela equipe de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial no período de janeiro de 2009 a janeiro de 2017. Resultados: a média de idade dos pacientes foi de 38 anos, com 57 mulheres e 54 homens. A média de temperatura de admissão foi38,5°C. A região mais acometida foi o ramo posterior da mandíbula, tendo uma média de duração de infecçãoe hospitalização de 6,1 dias. A principal conduta foi drenagem e antibioticoterapia, sendo que cerca de 13pacientes não precisaram desse tipo de intervenção, e um paciente evoluiu a óbito. Conclusão: com base nestes resultados e na literatura, infecções odontogênicas merecem atenção, pois podem ser fatais e requerem internação rápida e tratamento adequado. Esse, portanto, é um assunto de grande importância para o cirurgião-dentista, que exerce papel fundamental na prevenção e no tratamento. A resolução precoce ainda é a forma mais adequada para evitar complicações mais graves.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Jacobucci Farah, Universidade Estadual de Maringá
Professor doutor da área de cirurgia e traumatologia Buco-Maxilo-Facial da Universidade Estadual de Maringá
José Henrique Santana Quinto, Universidade Estadual de Maringá
Residente da área de cirurgia e traumatologia Buco-Maxilo-Facial da Universidade Estadual de Maringá
Izabella Giannasi Farah, Universidade Estadual de Maringá
Academica do curso de odontologia da Universidade Estadual de Maringá
Marcelly Tupan Chistoffoli, Universidade Estadual de Maringá
Academica do curso de odontologia da Universidade Estadual de Maringá
Caroline Resquetti Luppi, Universidade Estadual de Maringá
Cirurgiã Dentista formada pela Universidade Estadual de Maringá

Referências

Wang J, Ahani A, Pogrel MA. A five-year retrospective study of odontogenic maxillofacial infections in a large urban public hospital. Int J Oral Maxillofac Surg 2005; 6:646-9.

Bullock JD, Fleishman JA. The spread of odontogenic infections to the orbit: diagnosis and management. J Oral Maxillofac Surg 1985; 43:749-55.

Cai XY, Zhang WJ, Zhang ZY, Yang C, Zhou LN, Chen ZM. Cervical infection with descending mediastinitis: a review of six cases. Int J Oral MaxillofacSurg 2006; 35:1021-5.

Kim I, Kim J, Jang K, Moon Y, Park S. Orbital abscess from an odontogenic origin. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod 2007; 103:e1-e6.

Ogundiya DA, Keith DA, Mirowski J. Cavernous sinus thrombosis and blindness as complications of an odontogenic infection: report of a case and review of the literature. J Oral Maxillofac Surg 1989; 47:1317-21.

Larawin V, Naipao J, Dubey SP. Head and neck infections. Otolaryngol Head Neck Surg 2006; 135:889-93.

Lian HT, Tsai CS, Chen YL, Liang JG. Influence of diabetes mellitus on deep neck infection. J Laryngol Otol 2006; 8:650-4.

Peterson LJ, Ellis IIIE, Tucker MR. Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara koogan; 2003.

Dodson TB, Barton JA, Kaban LB. Predictors of outcome in children hospitalized with maxiloffacial infections: a linear logistic model. J Oral Maxillofac Surg 1991; 49:838-42.

Flynn TR, Shanti RM, Levi MH. Severe odontogenic infections, part 1: prospective report. J Oral Maxillofac Surg 2006; 7:1093-103.

Flynn TR, Shanti RM, Hayes C. Severe Odontogenic Infections, Part 2: Prospective Outcomes Study. J Oral Maxillofac Surg 2006; 64(7):1104-13.

Kannangara DW, Thadepalli H, Mcquirter JL. Bacteriology and treatment of dental infections. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1980; 2:103-9.

Ariji Y, Gotoh M, Kimura Y, Naitoh K, Kurita K, Natsume N. Odontogenic infection pathway to the submandibular space: imaging assessment. Int J Oral Maxillofac Surg 2002; 31:165-9.

Sánchez R, Mirada E, Arias J. Severeodontogenicinfections: Epidemiological, microbiologicalandtherapeuticfactors. Med Oral Patol Oral Cir Bucal 2011; 16(5):670-6.

Sette-Dias AC, Maldonado AJ, Aguiar EG. Profile of patients hospitalized with odontogenic infections in a public hospital in Belo Horizonte. Brazil. J Cln Exp Dent 2012; 4:271-4.

Krishnan V, Johnson JV, Helfrick JF. Managemento of maxillofacial infections: a review of 50 cases. J Oral Maxillofac Surg 1991; 51:868.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Farah, G., Quinto, J. H., Farah, I., Chistoffoli, M., & Luppi, C. (2018). Estudo epidemiológico de pacientes portadores de infecção do complexo bucomaxilofacial tratados no Hospital Universitário de Maringá: estudo retrospectivo ao longo de 8 anos. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 23(3), 280-283. https://doi.org/10.5335/rfo.v23i3.8560
Seção
Artigos