Paracoccidioidomicose com repercussão oral: relato de caso em zona urbana

  • Ana Flávia Barros Souza Aluna de Graduação da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Rennan Luiz Oliveira Dos Santos Mestre em Ciências. Doutorando em Diagnóstico Bucal pela Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Thaís Gimenez Miniello Mestre e doutoranda em Diagnóstico Bucal pela Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Claudete Rodrigues Paula Doutora em Microbiologia. Professora Sênior do Departamento de Estomatologia Clínica da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Carina Domaneschi Doutora em Diagnóstico Bucal. Professora Doutora da Disciplina de Clínica Integrada da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Camila de Barros Gallo Doutora em Diagnóstico Bucal. Professora Doutora da Disciplina de Estomatologia Clínica da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: Medicina bucal, Micoses, Paracoccidioidomicose, Úlcera oral

Resumo

 Objetivo: relatar um caso de paracoccidioidomicose (Pbmicose), diagnosticado pelo cirurgião-dentista, e o tratamento instituído a um morador de zona urba­na. Relato de caso: paciente do sexo masculino, com 59 anos de idade, leucoderma, compareceu à clínica odontológica com lesão em boca há cerca de vinte dias e queixa de mobilidade dental na região anteroinferior. Durante a anamnese, constatou-se dificuldade respi­ratória, hipertensão controlada, tabagismo e etilismo crônico. No exame físico, foi observado aumento de volume do lábio inferior, linfadenopatia bilateral sub­mandibular e lesões ulceradas com aspecto moriforme em mucosa bucal e gengiva inserida do elemento 31 ao 45. Foi realizada biópsia incisional na lesão com resultado positivo para Pbmicose. O paciente foi me­dicado com itraconazol e apresenta-se periodicamente para acompanhamento. Considerações finais: as lesões bucais dessa doença correspondem a úlceras crônicas e granulomatosas, semelhantes à lesão provocada pelo carcinoma epidermoide oral, assim, o cirurgião-dentista deve conhecer esta micose e considerá-la na elabora­ção do diagnóstico diferencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lucinda LR, Polanski JF. Unusual otolaryngologic manifestations of paracoccidioidomycosis: a case report and review of literature. Am J Trop Med Hyg 2017; 96(5):1136-8.

Trindade AH, Meira HC, Pereira IF, de Lacerda JCT, de Mesquita RA, Santos VR.

Oral paracoccidioidomycosis: retrospective analysis of 55 Brazilian patients. Mycoses 2017; 60(8):521-5.

Petroni TF, Souza LAP, Esteves DC, Oliveira ED, Ono MA. Paracoccidioidomicose: revisão. Rev Conexão Eletrônica 2013; 1(2). [08 de janeiro de 2018]. Disponível em URL: http://www.aems.edu.br/conexao/edicaoanterior/Sumario/2013/downloads/2013/1/2.pdf.

Almeida OP, Junior JJ, Scully C. Paracoccidioidomycosis of the mouth: an emerging deep mycosis. Crit Rev Oral Biol Med 2013; 14:268-74.

Shikanai-Yasuda MA, Telles FFQ, Mendes RP, Colombo AL, Moretti ML. Consenso em paracoccidioidomicose. Rev Soc Bras Med Trop 2006; 39(3):297-310.

De Souza SP, Jorge VM, Xavier MO. Paracoccidioidomycosis in southern Rio Grande do Sul: a retrospective study of histopathologically diagnosed cases. Braz J Microbiology 2014; 45(1):243-7.

Marques AS, Cortez DB, Lastória JC, Camargo RMP, Marques ME. Paracoccidioidomicose: freqüência, morfologia e patogênese de lesões tegumentares. An Bras Dermatol 2007; 82(5):411-7.

Pedroso VPS, Vilela MC, Pedroso ERP, Teixeira AL. Paracoccidioidomicose com comprometimento do sistema nervoso central: revisão sistemática da literatura. Rev Soc Bras Med Trop 2009; 42(6):691-7.

Moreira APV. Paracoccidioidomicose: histórico, etiologia, epidemiologia, patogênese, formas clínicas, diagnóstico laboratorial e antígenos. Bol Epidemiol Paulista 2008; 5(51):11-24.

Palmeiro M, Cherubini K, Yurgel LS. Paracoccidioidomicose – revisão da literatura. Scient Med Porto Alegre 2005; 15(4):274-8.

Sargenti Neto S, Paulo LF, Rosa RR. Oral paracoccidioidomycosis as a differential diagnosis of oral cancer. Rev Soc Bras Med Trop 2012; 45(6):777.

de Oliveira Gondak R, Mariano FV, dos Santos Silva AR, Vargas PA, Lopes MA. Single oral paracoccidioidomycosis mimicking other lesions: report of eight cases. Mycopathologia 2012; 173(1):47-52.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Gomes E, Wingeter MA, Svidzinski TI. Clinical-radiological dissociation in lung manifestations of paracoccidioidomycosis. Rev Soc Bras Med Trop 2008; 41(5):454-8.

Publicado
2018-10-22
Como Citar
Souza, A., Dos Santos, R., Miniello, T., Paula, C., Domaneschi, C., & Gallo, C. (2018). Paracoccidioidomicose com repercussão oral: relato de caso em zona urbana. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 23(2). https://doi.org/10.5335/rfo.v23i2.8090
Seção
Artigos