Prevalência de traumatismos maxilofaciais causados por agressão ou violência física em mulheres adultas e os fatores associados: uma revisão de literatura

  • Amandia dos Santos Chaves Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Avançado de Governador Valadares /Acadêmica
  • Rafael Guerra Lund Universidade Federal de Pelotas / Professor Associado
  • Josue Martos Universidade Federal de Pelotas / Professor Associado
  • Mabel Miluska Suca Salas Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Avançado de Governador Valadares / Professor Adjunto
  • Mônica Regina Pereira Senra Soares Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Avançado de Governador Valadares / Professor Adjunto

Resumo

O traumatismo maxilofacial de mulheres causado por violência tem sido mais abordado nos últimos anos. O aumento dos casos tem sido acompanhado do aumento das denúncias de violência contra a mulher, tornando o problema mais visível à sociedade. Objetivo: o presente trabalho teve o objetivo de fazer uma revisão de literatura que aborda a prevalência de traumas maxilofaciais decorrentes de violência física contra mulheres e os fatores relacionados às lesões. Revisão de literatura: os estudos reportaram prevalências entre 24,4% e 81,0% de traumatismos maxilofaciais em mulheres causados por violência. A maioria aponta o marido ou o companheiro como principal agressor e o uso de força física como principal tipo de agressão. Mulheres com idades entre 20 e 39 anos, dependentes econômicas ou de baixa renda e com nível de escolaridade inferior são mais susceptíveis a apresentar traumatismo maxilofacial mais prevalente nos tecidos moles. As consequências mais relatadas entre as mulheres com traumatismos maxilofaciais por violência incluem problemas de autopercepção, de inter-relação social e de baixa autoestima. Considerações finais: conclui-se que a prevalência de traumatismos maxilofaciais por violência em mulheres é alta, estando relacionada à idade, à dependência econômica, ao grau de escolaridade, à ocupação e a problemas psico afetivos que podem também influenciar a dinâmica familiar. Palavras-chave: Fatores de risco. Impacto psicossocial. Mulheres agredidas. Traumatismos maxilofaciais. Violência

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amandia dos Santos Chaves, Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Avançado de Governador Valadares /Acadêmica
Departamento de Odontologia
Rafael Guerra Lund, Universidade Federal de Pelotas / Professor Associado
Departamento de Odontologia Restauradora Faculdade de Odontologia
Josue Martos, Universidade Federal de Pelotas / Professor Associado
Departamento de Odontologia Restauradora Faculdade de Odontologia
Mabel Miluska Suca Salas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Avançado de Governador Valadares / Professor Adjunto
Departamento de Odontologia
Mônica Regina Pereira Senra Soares, Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Avançado de Governador Valadares / Professor Adjunto
Departamento de Odontologia

Referências

Marcondes AA, Ponzoni D, Garcia-Júnior IR, Clície VS, Magro-filho O. Etiologia e incidência de traumas faciais relacionados à violência doméstica à mulher. Rev Lab Estud Violên Seg 2010; 5(5):118-24.

Chiaperini A, Bérgamo AL, Bregagnolo LA, Bregagnolo JC, Watanabe MGC, Silva RHA. Correlações presentes entre danos bucomaxilofaciais e lesões corporais em mulheres. Saúde Étic Just 2008; 13(2):72-8.

Nascimento LS, Hage CA, Nakano AMS, Azevedo PSB, Lettiere A. Violência contra à mulher e consequências à saúde bucal. Gên Amazônia 2012; 2:149-56.

Dias IJ, Santiago BM. Violência de gênero contra a mulher: perfil de registros periciais da Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (GEMOL) João Pessoa/PB. Rev Bras Ciên Saúde 2014; 18(4):315-24.

Wong JY, Choi AW, Fong DY, Wong JK, Lau CL, Kam CW. Patterns, aetiology and risk factors of intimate partner violence-related injuries to head, neck and face in Chinese women. BMC Womens Health 2014; 10(1):6.

Netto LA, Moura MAV, Queiroz ABA, Tyrrell MAR, Bravo MMP. Violence against women and its consequences. Acta Paul Enferm 2014; 27(5):458-64.

Dourado SM, Noronha CV. Visible and invisible marks: facial injuries suffered by women as the result of acts of domestic violence. Ciên & Saúde Coletiva 2015; 20(9):2911-20.

Araújo RJG, Mendes MBBL, Castro TM, Júnior MTM, Araújo ABA, Pacheco LM. Análise dos traumas de face que acometem mulheres vítimas de violência doméstica. Full Dent Science 2011; 9(3):78-85.

Rezende EJC, Araújo TM, Moraes MAS, Santana JSDS, Radicchi R. Lesões buco-dentais em mulheres em situação de violência: um estudo piloto de casos periciados no IML de Belo Horizonte, MG. Rev Bras Epidemiol 2007; 10(2):202-14.

Junior JCM, Keim FS, Helena ETS. Epidemiological characteristics of trauma patients maxillofacial surgery at the Hospital Geral de Blumenau SC from 2004 to 2009. Int Arch Otorhinolaryngol 2010; 14(2):192-8.

Silva CJP, Ferreira EF, De Paula LPP, Naves MD, Gomes VE. Perfil dos traumas maxilofaciais em vítimas de violência interpessoal: uma análise retrospectiva dos casos registrados em um hospital público de Belo Horizonte (MG). Cad Saúde Colet 2011; 19(1):33-40.

Sastry SM, Sastry CM, Paul BK, Bain L, Champion HR. Leading causes of facial trauma in the major trauma outcome study. Plast Reconstr Surg 1995; 95(1):196-7.

Menezes MM, Yui KCM, Araujo MAM, Valera MC. Prevalência de traumatismos maxilo-faciais e dentais em pacientes atendidos no pronto-socorro municipal de São José dos Campos/SP. Rev Odonto Ciênc 2007; 22(5):57.

Schraiber LB, D’Oliveira AFPL, Couto MT, Hanada H, Kiss LB, Durand JG, et al. Violência contra mulheres entre usuárias de serviços públicos de saúde da Grande São Paulo. Rev Saúde Públ 2007; 41(3):359-67.

Castro TLD, Tinoco RLR, Lima LNC, Costa LRDS, Francesquini Júnior L, Daruge Júnior E. Violence against women: caracteristics of head and neck injuries. RGO - Rev Gaúcha Odontol 2017; 65(2):100-8.

De Macedo Bernardino I, Santos LM, Ferreira AVP, de Almeida Lima TLM, da Nóbrega LM, d’Avila S. Multiple correspondence analysis as a strategy to explore the association between categories of qualitative variables related to oral-maxillofacial trauma and violent crimes at the community level. Int J Oral Maxillofac Surg 2017; 47(3):339-44.

Costa MC, Cavalcante GM, Nobrega LM, Oliveira PA, Cavalcante JR, d’Avila S. Facial traumas among females through violent and non-violent mechanisms. Braz J Otorhinolaryngol 2014; 80(3):196-201.

Ferreira MC, Batista AM, Ferreira O, Ramos-Jorge ML, Marques LS. Pattern of oral-maxillofacial trauma stemming from interpersonal physical violence and determinant factors. Dent Traumatol 2014; 30(1):15-21.

Oliveira CKSSV. Violência contra mulher, prevalência e trauma facial: um estudo retrospectivo numa delegacia especializada da mulher em Campina Grande - PB [Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Odontologia]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba; 2013.

Santana JLB, Silva BS, dos Santos JC, de Andrade PO, Moreno BLG, Campello RIC, et al. Body and facial injuries in women submitted to check body of tort in Recife/PE, Brazil. Odontol Clín-Cient 2011; 10(2):133-6.

Hashemi HM, Beshkar M. The prevalence of maxillofacial fractures due to domestic violence--a retrospective study in a hospital in Tehran, Iran. Dent Traumatol 2011; 27(5):385-8.

Saddki N, Suhaimi AA, Daud R. Maxillofacial injuries associated with intimate partner violence in women. BMC Public Health 2010; 10:268.

Arosarena OA, Fritsch TA, Hsueh Y, Aynehchi B, Haug R. Maxillofacial injuries and violence against women. JAMA Facial Plast Surg 2009; 11(1):48-52.

Le BT, Dierks EJ, Ueeck BA, Homer LD, Potter BF. Maxillofacial injuries associated with domestic violence. J Oral Maxillofac Surg 2001; 59(11):1277-83.

Larsen OD, Nielsen A. Mandibular fractures. I. An analysis of their etiology and location in 286 patients. Scand J Plast Reconstr Surg Hand Surg Suppl 1976; 10(3):213-8.

Montovani JC. Etiologia e incidência das fraturas faciais em adultos e crianças: experiência em 513 casos. Rev Bras Otorrinolaringol 2006; 72(2):235-41.

Acosta DF, Gomes VLDO, Barlem ELD. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. Acta Paul Enferm 2013; 26(6):547-53.

Le Breton D. As paixões ordinárias: antropologia das emoções. Petrópolis: Editora Vozes; 2009.

Aranega AM, Ponzoni D, Garcia-Junior IR, Clìcie SV, Magro-Filho O. Etiologia e incidência de traumas faciais relacionados à violência doméstica à mulher. Rev LEVS/Unesp 2010; 5(5):118-24.

Manganello-Souza L. Trauma de partes moles: princípios de tratamento dos ferimentos cutâneos. Tratamento cirúrgico do trauma bucomaxilofacial. 3. ed. São Paulo: Roca; 2006.

Passos JC. As desigualdades na escolarização da população negra e a Educação de Jovens e Adultos. EJA Debate 2012; 1(1):1-7.

Casique L, Furegato ARF. Violence against women: theoretical reflections. Rev Latino Am Enfermagem 2006; 14(6):950-6.

Saffioti HIB. Já se mete a colher em briga de marido e mulher. São Paulo Perspec 1999; 13(4):82-91.

Publicado
2018-08-15
Como Citar
Chaves, A., Guerra Lund, R., Martos, J., Salas, M., & Soares, M. (2018). Prevalência de traumatismos maxilofaciais causados por agressão ou violência física em mulheres adultas e os fatores associados: uma revisão de literatura. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 23(1). https://doi.org/10.5335/rfo.v23i1.8081
Seção
Artigos