Lesão periférica de células gigantes em região palatina anterior: excisão cirúrgica e acompanhamento de um ano

Samuel Rocha França, Maria Franciele Soares Matos, Marcelo Bonifácio da Silva Sampieri, Filipe Nobre Chaves, Karuza Maria Alves Pereira, Ana Paula Negreiros Nunes Alves

Resumo


A lesão periférica de células gigantes (LPCG) é consideradaum processo proliferativo não neoplásico.Acredita-se que seu fator etiológico esteja associado aofator reacional, como o trauma ou a irritação local. Tallesão pode se desenvolver em região anterior e regiãoposterior de gengiva ou em rebordo alveolar, sendo amandíbula mais afetada do que a maxila. Objetivo: esteestudo relata o caso clínico de uma paciente do sexofeminino, 38 anos de idade, que possuía um crescimentoexofítico em região anterior de palato duro. Relatode caso: esse crescimento apresentava formato nodular,de superfície lobulada com áreas ulceradas, medindo20 mm, localizado na região de papila incisiva. Combase nas características clínicas, o tratamento realizadofoi a biópsia excisional, seguido de raspagem e alisamentoradicular. No exame histopatológico, foram evidenciadasáreas de proliferação de células gigantes ediscreta pigmentação por hemossiderina, confirmandoa hipótese diagnóstica de LPCG. Considerações finais:o acompanhamento pós-operatório evidenciou um ótimoprocesso de cicatrização sem recidiva após um anodesde o início do tratamento.
Palavras-chave: Biópsia. Lesão periférica de células gigantes.Placa dental.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5335/rfo.v22i3.7564