Odontopediatras e técnicas aversivas no controle do comportamento infantil

  • Talita Barbosa Minhoto Centro Universitário de João Pessoa
  • Matheus de França Perazzo Universidade Estadual da Paraíba
  • Érick Tássio Barbosa Neves Universidade Estadual da Paraíba
  • Ana Flávia Granville-Garcia Universidade Estadual da Paraíba
  • Bianca Oliveira Tôrres Centro Universitário de João Pessoa
  • Jainara Maria Soares Ferreira Faculdades Integradas de Patos (FIP) e Faculdades de Enfermagem e Medicina Nova Esperança (FACENE/FAMENE)

Resumo

Objetivo: avaliar o perfil dos odontopediatras e o uso das técnicas aversivas para o controle do comportamento no cotidiano clínico. Sujeitos e método: foi realizado um estudo transversal, censitário, realizado com 33 odontopediatras atuantes na cidade de João Pessoa, regularmente inscritos no Conselho Regional de Odontologia da Paraíba. Os dados foram coletados por meio de questionário, objetivando avaliar: dados sociodemográficos; seleção e indicação das técnicas aversivas; ansiedade do odontopediatra e o consentimento e aceitação das técnicas aversivas pelas crianças/responsáveis. A análise dos dados foi realizada por estatística descritiva. Resultados: os odontopediatras foram representados principalmente pelo sexo feminino (93,9%), graduados há mais de 10 anos (84,8%) e com especialização (45,5%). Entre os profissionais, 84,8% utilizavam as técnicas aversivas, destes, 75,0% utilizavam as técnicas em pelo menos dois a cada 10 pacientes. No entanto, apenas 66,6% consideraram a abordagem do assunto suficiente durante a pós/graduação. A técnica aversiva mais escolhida pelos profissionais foi a contenção de braços, pernas e cabeça sem dispositivos específicos (53,6%), a principal indicação foi para crianças birrentas e agressivas (39,3%) e os profissionais relataram baixa ansiedade para execução das técnicas (46,4%). A maioria dos odontopediatras (60,7%) não solicitava a assinatura do termo de consentimento. Além disso, 92,9% afirmaram que a estabilização protetora não era rejeitada pelos pais, como também, 92,9% não consideraram que a estabilização protetora prejudicasse a aceitação do tratamento odontológico posterior da família do paciente. Conclusão: foi comum os odontopediatras utilizarem as técnicas aversivas para o controle comportamental, porém poucos solicitavam a autorização pelo termo de consentimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Barbosa Minhoto, Centro Universitário de João Pessoa
Cirurgiã-dentista graduada pelo UNIPÊ
Matheus de França Perazzo, Universidade Estadual da Paraíba
Mestre em Odontologia pela UEPB, Departamento de Odontologia
Érick Tássio Barbosa Neves, Universidade Estadual da Paraíba
Mestrando em Odontologia pela UEPB, Departamento de Odontologia
Ana Flávia Granville-Garcia, Universidade Estadual da Paraíba
Doutora em Odontopediatria pela FOP/UPE e Professora do Departamento de Odontologia da UEPB
Bianca Oliveira Tôrres, Centro Universitário de João Pessoa
Mestre em Odontologia Social pela UFRN e Professora do curso de Odontologia do UNIPÊ
Jainara Maria Soares Ferreira, Faculdades Integradas de Patos (FIP) e Faculdades de Enfermagem e Medicina Nova Esperança (FACENE/FAMENE)
Doutora em Odontopediatria pela FOP/UPE e Professora da especialização das FIP e do curso de Odontologia da FACENE/FAMENE
Publicado
2017-06-27
Como Citar
Minhoto, T., Perazzo, M., Neves, Érick T., Granville-Garcia, A. F., Tôrres, B., & Ferreira, J. (2017). Odontopediatras e técnicas aversivas no controle do comportamento infantil. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 21(3). https://doi.org/10.5335/rfo.v21i3.6111
Seção
Artigos