Avaliação da qualidade do sono em acadêmicos da Universidade Federal do Ceará – Campus Sobral

  • REV FO Universidade de Passo Fundo
Palavras-chave: sono; distúrbios do sono; sonolência; estudantes.

Resumo

Introdução: o sono é essencial à sobrevivência e sua função principal é a restauração física e mental. Objetivo:avaliar a qualidade do sono em alunos de graduação matriculados em cursos de diferentes áreas daUniversidade Federal do Ceará – Campus Sobral. Métodos: estudo transversal que investigou a qualidade dosono em alunos de Engenharia Elétrica, Odontologia e Música, por meio da aplicação de questionários: Índicede Qualidade do Sono de Pittsburgh e Escala de Sonolência de Epworth. Os dados foram decodificadosno programa Microsoft Office Excel e expressos em frequência absoluta ou relativa no software GraphPadPrism 5. Resultados: a frequência de boa qualidade de sono foi de 32,67%; de qualidade ruim, 45,54%; e21,78% pontuaram em distúrbios do sono. A Engenharia apresentou maior qualidade de sono ruim (54,55%)e distúrbio do sono (27,27%); a Odontologia, 44,93% de qualidade de sono ruim; já no curso de Música, aboa qualidade do sono foi consideravelmente alta (53,97%) em relação aos demais. Os piores índices foramdo início e do meio da graduação, sendo elevados para sonolência diurna excessiva em todos os cursos.Conclusão: acadêmicos, principalmente de Odontologia e Engenharia Elétrica, apresentaram qualidade desono ruim, altas prevalências de distúrbios do sono e sonolência diurna excessiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Coelho AT, Lorenzini LM, Reimão R, Rossini S, Suda EY.
Qualidade de sono, depressão e ansiedade em universitários
dos últimos semestres de cursos da área da saúde. Neurobiologia
2010; 73(1).
2. Gambelunghe C, Rossi R, Mariucci G, Tantucci M, Ambrosini
MV. Effects of light physical exercise on sleep regulation
in rats. Med Sci Sports Exerc 2001; 33(1):57-60.
3. Nascimento ACM, Oliveira ER, Santos LS, Pena LSO. Padrão
do sono e desempenho de estudantes: uma revisão sistemática.
São Cristóvão (SE) 2019; 18(3):93-104.
4. Cardoso HC, Bueno FCC, Mata JC, Alves APR, Jochims I,
Vaz Filho IHR, et al. Avaliação da qualidade do sono em estudantes
de Medicina. Rev bras educ med 2009; 33(3):349-55.
5. Ferreira CMG, Kluthcovsky ACGC, Dornelles CF, Stumpf
MAM, Cordeiro TMG. Qualidade de sono em estudantes de
medicina de uma universidade do Sul do Brasil. Conexão Ci
2017; 12(1):78-85.
6. Araújo MFM, Lima ACS, Alencar AMPG, Araújo TM, Fragoaso
LVC, Damasceno MMC. Avaliação da qualidade do
sono de estudantes universitários de Fortaleza-CE. Texto
Contexto Enferm 2013; 22(2):352-60.
7. Spiegel K, Knutson K, Leproult R, Tasali E, Cauter EV. Sleep
loss: a novel risk factor for insulin resistance and Type 2 diabetes.
J App Physiol 2005; 99(5):2008-19.
8. Henriques APFCM. Caracterização do sono dos estudantes
universitários do Instituto Superior Técnico. Dissertação
(Programa de Pós-Graduação em Medicina). Lisboa, PT: Universidade
de Lisboa, 2008. 107 f.
9. Romagnoli JAS, Barbosa DG, Ferrari Junior GJ, Santos MO,
Pelegrini A, Felden EPG. Hábitos de sono e sonolência diurna
excessiva em acadêmicos ingressantes de Educação Física.
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
2018; 12(73):140-7.
10. Chellappa SL. Sonolência excessiva diurna e depressão: causas,
implicações clínicas e manejo terapêutico. Rev Psiquiatr
Rio Gd Sul 2009; 31(3).
11. Plantinga L, Lee K, Inker LA, Saran R, Yee J, Gillespie B, et
al. Association of sleep-related problems with CKD in the United
States, 2005-2008. Am J Kidney Dis 2011; 58(4):554-64.
12. Quinhones MS, Gomes MM. Sono no envelhecimento normal
e patológico: aspectos clínicos e fisiopatológicos. Rev Bras
Neurol 2011; 47(1):31-42.
13. Hidalgo MPL, Souza CM, Zanette CB, Nunes PV. Association
of daytime sleepiness and the morningness/eveningness
dimension in young adult subjects in Brazil. Psycological Reports
2003; 93:427-34.
14. Almondes KM, Araújo JF. Padrão do ciclo sono vigília e sua
relação com a ansiedade em estudantes universitários. Estud
Psicol 2003; 8(1):37-43.
15. Montenegro NC, Bastos PL, Oliveira MTP, Pereira FGS, Figueiredo
VMG, Caram JM. Cognitive-Behavioral Therapy
in Sleep Dentistry: literature review. J Health Sci 2020;
22(1):39-42.
16. Depiere NB, Cícero LR, Guizellini VS, Bianchi LRO. Qualidade
do sono e sonolência entre universitários formandos.
Arquivos do MUDI 2016; 20(2):33-42.
17. Buysse DJ, Reynolds CF, Monk TH, Berman SR, Kupfer
DJ. The Pittsburgh Sleep Quality Index: a new instrument
for psychiatric practice and research. Psychiatry Res 1989;
28:193-213.
18. Johns MW. A new method for measuring daytime sleepiness:
the Epworth sleepiness scale. Sleep 1991;14(6):540-5.
19. Lima AM, Dutra JRM, Tolentino Junior JC, Cortez AF, Passos
RBF, Figueiredo WM. Correlação entre distúrbios do
sono e avaliação cognitiva em estudantes de medicina. CESUMAR
2016; 18(1):5-13.
20. Lopes HS, Meier DAP. Qualidade do sono entre estudantes
de enfermagem e fatores associados. Semina: Ciências Biológicas
e da Saúde 2018; 39(2):129-36.
21. Rosa TT, Rodrigues CD, Oliveira GC, Ferreira MVS, Sampaio
Netto O. Como e por que estudar a qualidade de vida
dos estudantes de medicina. Rev Med Saude Brasília 2014;
3(3):308-17.
22. Gomes AA, Tavares J, Azevedo MHP. Padrões de sono em
estudantes universitários portugueses. Acta Medica Portuguesa
2009; 22:545-52.
23. Pascotto AC, Santos BRM. Avaliação da qualidade de sono
de estudantes de ciências da saúde. J Health Sci Inst 2013;
31(3):306-10.
24. Fernandes AA, Melo PM, Fernandes R, Oliveira J, Dias L,
Brizzante L, et al. Prevalência da má qualidade de sono e
suas repercussões entre os acadêmicos que estudam no período
noturno e trabalham durante o dia e os que não trabalham.
Ensaios e Ciência 2013; 17(3):59-70.
Publicado
2022-02-13
Como Citar
FO, R. (2022). Avaliação da qualidade do sono em acadêmicos da Universidade Federal do Ceará – Campus Sobral. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 25(3), 436-442. https://doi.org/10.5335/rfo.v25i3.13335
Seção
Artigos