Marsupialização de cisto dentígero após traumatismo

  • Sheinaz Farias Hassam Centro universitário Unifas-Unime, Lauro de Freitas, Bahia, Brasil.
  • Gabriel Fernandes Monteiro Centro universitário Unifas-Unime, Lauro de Freitas, Bahia, Brasil.
  • Antônio Varela Câncio Faculdade de Odontologia de Pernambuco (FOPUPE).
  • Cinthia Coelho Simões Universidade Federal da Bahia (ICS-UFBA), Salvador, Bahia.
  • Jener Gonçalves de Farias Centro Universitário Unifas-Unime, Lauro de Freitas, Bahia.
  • Juliana Andrade Cardoso Universitário Unifas-Unime, Lauro de Freitas, Bahia. Centro Universitário UniRuy Wyden, Salvador, Bahia e Uninassau, Lauro de Freitas, Bahia.
Palavras-chave: Traumatismos Dentários, Cisto Dentígero, Dentição Mista, Dente Decíduo

Resumo

Objetivo: as causas mais comuns das alterações na dentição permanente são os traumatismos alvéolo-dentários (TAD) na dentição decídua, ultrapassando, inclusive, as incidências de cárie ou doença periodontal. Estes podem levar a hipoplasia de esmalte, alterações na morfologia dentária e desenvolvimento de cistos, como o cisto dentígero, considerando ainda que o tratamento desta ocorrência diverge ao tratar da dentição decídua e não da permanente. O objetivo deste trabalho é ilustrar essas características e como elas podem ser manejadas através de um relato de caso. Relato de caso: no caso em questão, ocorreu o desenvolvimento de um cisto dentígero de grandes dimensões após traumatismo alvéolo-dentário em dentição decídua na região anterior da maxila com retenção de três dentes permanentes. Foram discutidas as formas terapêuticas para tal situação clínica, bem como a possibilidade de uma abordagem multidisciplinar da cirurgia-ortodontia. Considerações finais: os TADs na dentição decídua devem ser bem diagnosticados e tratados, visando a prevenção de sequelas na dentição permanente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Reddy LV, Bhattacharjee R, Misch E, Sokoya M, Ducic Y.
Dental Injuries and Management. Facial Plast Surg 2019;
35(6):607-13.
2. Mendoza-Mendoza A, González-Mallea E, Iglesias-Linares
A. Intrusive Luxation in Primary Teeth: A Case Report. J
Clin Pediatr Dent 2015; 39(3):215-8.
3. Losso EM, Tavares MCR, Bertoli FMP, Baratto Filho F.
Traumatismo dento-alveolar na dentição decídua. Revista
Sul-Americana de Odontologia 2011; 8(1):1-20.
4. Patil AS, Jathar PN, Panse AM, Bahutule SR, Patil RU, Patil
M. Infected Dentigerous Cyst and its Conservative Management:
A Report of Two Cases. Int J Clin Pediatr Dent
2019; 12(1):68-72.
5. Bastos EG, Cruz MCFN, Martins GAS, Mendes MC, Marques
RVCF. Marsupialização de cisto dentígero na mandíbula
em uma criança de sete anos de idade na dentição mista:
relato de caso. Rev Odontol UNESP 2011; 40(5):268-71.
6. Pant B, Carvalho K, Dhupar A, Spadigam A. Bilateral Nonsyndromic
Dentigerous Cyst in a 10-Year-Old Child: A Case
Report and Literature Review. Int J Appl Basic Med Res
2019; 9(1):58-61.
7. Castillo P, Andrade M, Americano G, Cruz L, Marsillac M,
Campos V. Tipos de lesões dentárias traumáticas na dentição
primária e na superfície contra a qual elas ocorreram. RGO
Rev Gaúch Odontol 2019; 67:00-53.
8. Vasconcelos MG, Oliveira DHIP, Avelar WV, Barboza CA,
Queiroz LMG, Vasconcelos RG. Localização incomum de
cisto dentígero - relato de caso. Odonto Clín-Cient 2017;
16(4):315-8.
9. Caliento R, Mannarino F, Hochuli-Vieira E. Cisto
dentígero: modalidades de tratamento. Rev Odontol
UNESP 2013; 42(6):458-62.
10. Bertolo-Domingues N, Girotto Bussaneli D, Jeremias F, Aparecida-
Giro EM, Aguiar-Pansani C. Diagnóstico y tratamiento
conservador de quiste dentígero: seguimiento a 3 años.
Rev CES Odont 2018; 31(1):57-65.
Publicado
2021-09-30
Como Citar
Hassam, S., Monteiro, G., Câncio, A., Coelho Simões, C., Gonçalves de Farias, J., & Andrade Cardoso, J. (2021). Marsupialização de cisto dentígero após traumatismo. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 25(3), 391-395. https://doi.org/10.5335/rfo.v25i3.11596
Seção
Artigos