Prevalência e conhecimento do uso de protetores bucais personalizados em praticantes de esportes

  • Caroline Stein Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Danilo Madruga Garcia Universidade Federal de Pelotas
  • Eduardo Dickie de Castilhos Universidade Federal de Pelotas
  • Tania Izabel Bighetti, Dra. Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: Protetores bucais, Ferimentos e lesões, Esporte, Políticas públicas, Traumatismos em atletas

Resumo

Objetivo: descrever a prevalência e os conhecimentos sobre o uso de protetores bucais personalizados (PBP) por atletas e professores. Métodos: estudo transversal descritivo realizado em 2016 no município de Piratini, RS. Os participantes eram atletas e professores de escolas e centros de treinamento. Foram coletados dados socioeconômicos, sobre conhecimentos, práticas, experiências e uso de PBP. Os dados foram analisados de forma descritiva com o programa EpiData Analysis, V2.2.3.187. Resultados: a amostra foi composta por 40 atletas e 7 professores, com idades entre 17 e 45 anos. A prevalência do uso de PBP entre os atletas foi de 32,5% (13) e 55% (22) não tinham conhecimento sobre PBP. Além disso, 77,5% (31) dos atletas e 100% (7) dos professores não saberiam indicar um profissional para confeccioná-los. Conclusão: o conhecimento sobre o uso de PBP é escasso, mas, contudo, há uma parcela de atletas que faz uso para a prática de esportes. Destaca-se a importância da necessidade de se investir em políticas de educação em saúde sobre protetores bucais em escolas, academias e centros de treinamento esportivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Pellegrinotti IL. Atividade fisica e esporte: A importancia no contexto saude do ser humano. Rev Bras Atividade Física Saúde 1998; 3(1):22-8.
2. Brasil. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.
3. González FJ. Sistema de classificação de esportes com base nos critérios: cooperação, interação com o adversário, ambiente, desempenho comparado e objetivos táticos da ação. Lect Educ física y Deport 2004; (71):3. 4. Sizo SR, da Silva ES, da Rocha MP da C, Klautau EB. Avaliação do conhecimento em Odontologia e Educação Física acerca dos protetores bucais. Rev Bras Med do Esporte 2009; 15(4):282-6.
5. Zacca CAA. Investigação da prevalência de traumatismos dento-faciais em praticantes de boxe e a importância dos protetores bucais nas consequências dos traumas [Dissertação de Mestrado]. Belém: Universidade Federal do Pará, Curso de Odontologia; 2006.
6. Barberini AF, Aun CE, Caldeira CL. Incidência de injúrias orofaciais e utilização de protetores bucais em diversos esportes de contato. Rev Odontol UNICID 2002; 14(1):7-14.
7. de Paiva DMG. Protetores bucais [Dissertação de Mestrado]. Porto: Universidade Fernando Pessoa; 2012.
8. Assis C. Os rumos da Odontologia do esporte no Brasil. Rev Bras Odontol 2014; 70(2):160.
9. Conselho Federal de Odontologia. Odontologia do Esporte agora é especialidade. Odontol em Rev 2016; 6-7.
10. Bastos R da S, Vieira EMM, Simões CAD, Sales Peres SH de C, Caldana M de L, Lauris JRP, et al. Odontologia desportiva: proposta de um protocolo de atenção à saúde bucal do atleta. RGO Rev Gaúcha Odontol 2013; 61:461-8.
11. Peris AR, Mitsui FHO, Marchi GM. Intervenções Restauradoras Diretas em Dentes Anteriores Fraturados Associadas ao Uso de Protetor Bucal. J Bras Dentística Estética 2010; 1(4):306-13.
12. da Costa Marinho MR, Levy SC, Antunes LAA, de Abreu FV, Antunes LS. Avaliação do conhecimento de jogadores de futebol de Nova Friburgo-RJ e Mossoró-RN sobre traumatismo dentário. Rev Odontol da Univ Cid São Paulo 2017; 25(3):188-95.
13. Bastida EM, Peron RAF, Queiroz AF, Hayacibara MF, Terada RSS. Prevalência do uso de protetores bucais em praticantes de artes marciais de um município do Paraná. Rev Bras Odontol 2011; 67(2):194-8.
14. Rodrigues HJG. Padrão de conhecimento do atleta amador de Bauru-SP, relacionado aos cuidados da saúde bucal. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2005.
15. Collares K. Efeito do uso de protetores bucais no desempenho aeróbico de jogadores de futebol e futsal. [Monografia]. Pelotas; 2012.
16. Dias RB, da Silva CMF, Coto NP, Cardim RH. Custo e benefício dos protetores bucais em relação a traumas nas práticas esportivas. Rev odontol Univ St Amaro 2003; 8(1):60-7.
17. Costa S de S, Maia D de AC, Costa IS, Netto CJFC, Feitosa EA, Venâncio AEF, et al. Odontologia desportiva: melhor performance com a atuação do dentista na prática da atividade física. Coleção Pesqui em Educ Física 2015; 14(4):131-8.
18. Brasil. Política Nacional do Esporte. Resolução no 5 de 14 de junho de 2005. Diário Oficial da União, Seção 1, No 157, 16 de agosto de 2005. Brasília: Ministério do Esporte; 2005. p. 128-32.
19. Woodward T. A review of the effects of martial arts practice on health. Wisconsin Med J 2009; 108(1):40-3.
20. McPherson M, Pickett W. Characteristics of martial art injuries in a defined Canadian population: a descriptive epidemiological study. BMC Public Health 2010; 10(1):1-7.
21. Wulkan M, Parreira Jr JG, Botter DA. Epidemiologia do trauma facial. Rev Assoc Med Bras 2005; 51(5):290-5. 22. Carneiro SDRM, Bento FCB, Gomes F de A, Ramalho ALJ, Lima DLF. Conduta e conhecimento de professores de artes marciais/lutas frente aos casos de traumas dentoalveolares e utilização de protetores bucais. Rev Digit – Buenos Aires 2013; (181).
23. de Souza Costa S. Odontologia desportiva na luta pelo reconhecimento. Rev Odontol da Univ Cid São Paulo 2017; 21(2):162-8.
Publicado
2021-06-01
Como Citar
Stein, C., Garcia, D., Castilhos, E., & Bighetti, T. (2021). Prevalência e conhecimento do uso de protetores bucais personalizados em praticantes de esportes. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 25(2), 206-214. https://doi.org/10.5335/rfo.v25i2.10748
Seção
Investigação Científica