Perfil de utilização de anestésicos locais de uma cidade brasileira com ênfase em diabéticos

  • Mariana Araújo dos Santos Centro Universitário Luterano de Palmas
  • Paula Vitória Bido Gellen
  • Hyara Luz Moreira Centro Universitário Luterano de Palmas
  • Tassia Silvana Borges Centro Universitário Luterano de Palmas
  • Rodrigo Ventura Rodrigues Centro Universitário Luterano de Palmas
Palavras-chave: Anestésico. Diabetes mellitus. Odontologia.

Resumo

Objetivo: avaliar o conhecimento de cirurgiões-dentistas que trabalham em consultórios particulares de Palmas, Tocantins, quanto à utilização de anestésicos locais em pacientes portadores de diabetes mellitus. Materiais e método: trata-se de um estudo descritivo qualitativo, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da FAMERP de São José do Rio Preto, sob o protocolo 032/2007 e CAAE: 0065.0.000.140-07, respeitando-se a Resolução 466/12, do Conselho Nacional de Saúde. A coleta de dados foi realizada por meio da aplicação de um questionário, utilizando um formulário estruturado. Resultados: de 113 participantes, 47 (41,6%) eram do sexo masculino e 66 (58,4%) do sexo feminino, com idade média de 35 anos. O anestésico mais utilizado pelos cirurgiões-dentistas avaliados foi a lidocaína 2% + adrenalina 1:100.000 (53,1%), o qual também é o mais utilizado para pacientes diabéticos controlados (64,6%). Quanto à variedade de anestésicos, 47,8% dos avaliados relataram possuir somente 3 tipos de anestésicos no consultório e que 83,2% nunca presenciaram nenhum problema decorrente do uso de anestésico. Além disso, 65,5% relataram não participar de cursos para atualização de conhecimentos, sendo que 53,1% mostraram-se insatisfeitos com o ensino de anestesiologia que receberam na graduação. Conclusão: observou-se que os cirurgiões-dentistas do atendimento odontológico particular de Palmas precisam de uma reciclagem profissional, a fim de atualizarem conhecimentos adquiridos na graduação sobre indicação e utilização de anestésicos locais em tratamentos odontológicos de pacientes com necessidades especiais, com ênfase em pacientes portadores de diabetes mellitus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. World Health Organization. Health. Doenças não comunicáveis. Rio de Janeiro: WHO; 2018 [acesso em 12 dez. 2019]. Disponível em URL: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/noncommunicable-diseases. 2. Greenberg BL, Glick M. Providing Health Screenings in a Dental Setting to Enhance Overall Health Outcomes. Dent Clin N 2017: 2-8.
3. Mahase E. Dentists could help detect diabetes and cardiovascular disease during oral health checks. BMJ 2019; 365:1.
4. Ziebolz D, Reiss L, Schmalz G, Krause, F, Haak R, Mausberg RF. Different views of dentists and general medical practitioners on dental care for patients with diabetes mellitus and coronary heart diseases: results of a questionnaire-based survey in a district of Germany. International Dental Journal 2017; 68(3):197-203.
5. Milic MS, Brkovic B, Krsljak E, Stojic D. Comparison of pulpal anesthesia and cardiovascular parameters with lidocaine with epinephrine and lidocaine with clonidine after maxillary infiltration in type 2 diabetic volunteers. Clinical Oral Investigations 2015; 20(6):1283-93.
6. American Diabetes Association. 12. Children and adolescents: Standards of Medical Care in Diabetesd 2018. Diabetes Care 2018; 41:126-36.
7. Rabêlo HTLB, Cruz JHA, Guênes GMT, Filho AAO, Alves MASG. Anestésicos locais utilizados na Odontologia: uma revisão de literatura. Arch Health Invest 2019; 8(9):540-8.
8. Santos-Paul MA, Neves ILI, Neves RS, Ramires JAF. Local anesthesia with epinephrine is safe and effective for oral surgery in patients with type 2 diabetes mellitus and coronary disease: a prospective randomized study. CLINICS 2015; 70(3):185-9.
9. Oliveira MF, Damo NG, Raitz IW, Veiga ML, Pereira L. Cuidado Odontológico em Pacientes Diabéticos. Arquivos Catarinenses de Medicina 2019; 48(3):158-70.
10. Nascimento ERV, Viana KAS, Azevedo LC, Araújo LCD, Dias RH, Assis VKS, et al. Conduta tomada pelo cirurgião-dentista durante o atendimento em pacientes portadores de diabetes mellitus tipo I. IV Seminário Científico da FACIG 2018; 1-5.
11. Silva CHF, Marques B, Martins LFB, Leite ACRM, Nascimento VB. Atendimento odontológico a hipertensão e diabéticos na atenção primária à saúde. Revista Destaques Acadêmicos Lajeado 2019; 11:152-64.
12. Labolita KA, Santos IB, Balbino VC, Andrade GL, Araujo IC, Fernandes DC. Assistência Odontológica à pacientes diabéticos. Ciências Biológicas e de Saúde Unit 2020; 6:89-98.
13. Leite RB, Marssoni ACLT, Barbosa DN, Sousa KD, Soares RSC, Gomes RCB. Conhecimento de cirurgiões-dentistas em relação ao atendimento de diabéticos. Cadernos UniFOA 2019; 41:119-25.
14. Oliveira TF, Mafra RP, Vasconcelos MG, Vasconcelos RG. Conduta odontológica em pacientes diabéticos: Considerações clínicas. Odontol Clín-Cient 2016; 15(1):13-7.
15. Fabris V, Scortegagna AR, Oliveira GR, Scortegagna GT, Malmann F. Conhecimento dos cirurgiões dentistas sobre o uso de anestésicos locais em pacientes: diabéticos, hipertensos, cardiopatas, gestantes e com hipertireoidismo. Journal of Oral Invertigations 2018; 7:33-51.
16. Andrade ED. Terapêutica Medicamentosa em Odontologia. 3. ed. São Paulo: Artes Médicas; 2014.
17. Pontanegra RSM, Camboim CCL, Freire JCP, Nóbrega MTC, Santos JA, Ribeiro ED. Análise do conhecimento de Graduandos em Odontologia sobre o uso de anestésico local em pacientes com necessidades especiais. Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep 2017; 27(1):5-14.
18. Mello RP, Ramacciato JC, Peruzzo DC, Vicentini CB, Bergamaschi CC, Motta RHL. Evaluation of blood glucose in type II diabetic patients submitted to local anesthesia with different vasoconstrictor. RGO Rev Gaúch Odontol 2016; 64(4):425-31.
19. Ha SW, Choi YJ, Lee SE, Chi SI, Kim HJ, Han JH, et al. Activation of the emergency response team in the outpatient clinic of a single dental teaching hospital in Korea: a 10-year retrospective study. J Dent Anesth Pain Med 2015; (2):77-83.
20. Haese RDP, Cançado RP. Urgências e emergências médicas em odontologia: avaliação da capacitação e estrutura dos consultórios de cirurgiões-dentistas. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac Camaragibe 2016; 16:31-9. 21. Vaughan M, Park A, Esterman A. Medical Emergencies in the dental practice – Management Requirements and International Practitioner Proficiency. A Scoping Review. Australian Dental Journal 2018; 63(4):455-66.
22. Afrashtehfar KI, Assery MK. From dental science to clinical practice: Knowledge translation and evidence-based dentistry principles. Saudi Dent J 2017; 3:83-92.
23. Gonçalves APR, Marcos B Correa, Nahsan FPS, Soares CJ, Moraes RR. Use of scientific evidence by dentists in Brazil: Room for improving the evidence-based practice. PLoS One 2018; 13(9):1-12.
24. Sarani A, Sarani M, Abdar ME, Abdar ZE. Awareness, knowledge, and attitude of dentistry students in Kerman towards evidence-based dentistry. Electron Physician 2016; (5):2366-70.
25. Silva LQ, John ESS, Martins LFB, Fraga EGS, Santos SLF, Alves HHS. Anestésicos locais em clínica universitária odontológica: conhecimento dos graduandos acerca de efeitos adversos e tóxicos. Revista Saúde (Santa Maria) 2019; 45(2):1-7.
Publicado
2021-06-01
Como Citar
dos Santos, M., Gellen, P. V., Moreira, H., Borges, T., & Rodrigues, R. (2021). Perfil de utilização de anestésicos locais de uma cidade brasileira com ênfase em diabéticos. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 25(2), 215-223. https://doi.org/10.5335/rfo.v25i2.10620
Seção
Investigação Científica