Saúde bucal de pré-escolares: do processo carioso aos fatores determinantes e moduladores

  • COSMO HELDER FERREIRA DA SILVA Centro Universitário Católica de Quixadá
  • MIRINDA FERNANDO CANA IÉ Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
  • KARLOS EDUARDO RODRIGUES LIMA Centro Universitário Católica de Quixadá
  • DAVIDE CARLOS JOAQUIM Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
  • ANA CAROLINE ROCHA DE MELO LEITE Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Palavras-chave: Cárie dentária, Saúde bucal, Dieta cariogênica, Pré-escolar, Conhecimento

Resumo

Objetivo: objetivou-se avaliar a experiência de cárie e seus fatores determinantes e moduladores em pré-escolares de um centro de educação infantil localizado no estado do Ceará. Método: trata-se de um estudo exploratório, descritivo e de abordagem quantitativa realizado com crianças do infantil IV e V do Centro de Educação Infantil Francisca Arruda de Pontes (Redenção, CE) e suas mães. Após consentimento, as mães responderam um questionário contendo perguntas desde os aspectos socioeconômicos e acompanhamento pelo serviço de saúde a conhecimento das doenças bucais. Posteriormente, as crianças foram submetidas à avaliação odontológica para registro do índice CEO-D, o qual corresponde à soma do número de dentes decíduos cariados (c), com extração indicada (e) e restaurados (o). Os dados foram tabulados e descritos como frequência relativa e absoluta. Resultados: das mães, 80,75% tinham renda de até 1 salário mínimo, 61,53% utilizavam creme dental na higiene oral de seu filho e 48,07% desconheciam as doenças bucais. Das crianças, 65,38% não eram atendidas pelo cirurgião-dentista e 50,00% consumiam diariamente bolacha doce. Das crianças avaliadas, 52,50% tinham dentes cariados, 70,00% não apresentavam dentes com extração indicada e nenhuma tinha dentes obturados/restaurados. A média do índice CEO-D foi 1,325. Conclusão: conclui-se que as crianças, apesar de terem baixa prevalência de cárie, apresentam, como fatores de risco determinantes, uma dieta cariogênica e, como fatores de risco moduladores, um reduzido conhecimento sobre doenças bucais, higiene oral inadequada, renda familiar insuficiente, baixa escolaridade e limitada procura por serviço de saúde, especialmente o odontológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

COSMO HELDER FERREIRA DA SILVA, Centro Universitário Católica de Quixadá
Mestre em Sociobiodiversidade e tecnologias sustentáveis pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- Brasileira (Unilab), professor o Curso de Odontologia do Centro Universitário Católica de Quixada (Unicatólica), Quixadá, CE, Brasil. 
MIRINDA FERNANDO CANA IÉ, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Enfemeira pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, UNILAB, Redenção, CE, Brasil.
KARLOS EDUARDO RODRIGUES LIMA, Centro Universitário Católica de Quixadá
Acadêmico do Curso de Odontologia do Centro Universitário Católica de Quixadá - UNICATÓLICA, Quixadá, CE, Brasil.
DAVIDE CARLOS JOAQUIM, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Enfermeiro pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, UNILAB, Redenção, CE, Brasil.
ANA CAROLINE ROCHA DE MELO LEITE, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Doutorado em Ciências Médicas pela Universidade Federal do Ceará, professora adjunta da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, UNILAB, Redenção, CE, Brasil

Referências

1. Cangussu MC, Cabral MBBSC, Mota ELA, Vianna MIP. Fatores de risco para a cárie dental em crianças na primeira infância, Salvador – BA. Rev Bras Saúde Matern Infant 2016; 16(1):57-65.
2. Biral AM, Taddei JAAC, Passoni DF, Palma D. Cárie dentária e práticas alimentares entre crianças de creches do município de São Paulo. Rev Nutr 2013; 26(1):37-48.
3. Dias TKS, Ferreira GC, Almeida LHS. Cárie na primeira infância e qualidade de vida de pacientes de zero a 3 anos. Rev Uningá 2019; 56(S3):192-201.
4. De Melo Costa S, Adelário AK, Vasconcelos M, Abreu MHNG. Modelos Explicativos da Cárie Dentária: do Organicista ao Ecossistêmico. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada 2012; 12(2):285-91.
5. Fejerskov O, Manji F. Risk assessment in dental caries. Risk Assessment in Dentistry. Chapel Hill, University of North Carolina Dental Ecology 1990; 215-7.
6. Keyes PH. The infectious and transmissible nature of experimental dental caries: findings and implications. Arch Oral Biol 1960; 1(4):304-20.
7. Krasse B. Exame salivar. In: Risco de cáries: Guia Prático para controle e Assessoramento. 2. ed. São Paulo: Quintessence Editora Ltda; 1988.
8. Seif T. Cariología, Prevención y Diagnóstico Contemporáneos de Caries dental. Actualidades Médico Odontológicas de Latinoamérica, Caracas - Venezuela. 1997.
9. Cecilio L, Chein VS. Factores familiares, socioeconómicos y de comportamiento en salud oral asociados a la severidad de caries en escolares adolescentes. Odontol Sanmarquina 2009; 12(2):57-61.
10. Souza SA, Zajkowski LA, Moraes R, Queiroz Y, Vieira T, Hartwig AD. A cárie é uma doença transmissível? Fatores maternos e da criança relacionados com o desenvolvimento da cárie na primeira infância. Arquivo Brasileiro de Odontologia 2014; 10(2):1-8.
11. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. SB Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal: resultados principais / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em URL: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pesquisa_nacional_saude_bucal.pdf. Acesso em: 15 jun. 2018.
12. Gruebbel AOA. Mesurement of dental caries prevalence and treatment service for deciduos teeth. J Dent Res 1944; 23:163.
13. Klein H, Palmer CE. Dental caries in American Indian children. Public Health Bull 1937; 239-41.
14. Carminatti M, Lavra-Pinto BD, Franzon R, Rodrigues JA, Araújo FBD, Gomes E. Impacto da cárie dentária, maloclusão e hábitos orais na qualidade de vida relacionada à saúde oral em crianças pré-escolares. Audiology-Communication Research 2017; 22(e1801).
15. Garbin C, Soares G, Martin I, Ísper Garbin A, Arcieri R. Saúde bucal na escola: avaliação do conhecimento dos pais e da condição de saúde bucal das crianças. Revista da Faculdade de Odontologia, Passo Fundo 2016; 21(1):81-9.
16. Pittner M, Bonassina M, Pittner, E. Educação para a saúde bucal infantil: da gestação à idade pré-escolar. Revista Uningá 2016; 27(2):22-9.
17. Barbosa MCF, De Moraes M, De Souza DTB, Fernandes LA, De Lima DC. A arte de encantar pré-escolares com histórias sobre saúde bucal. Revista Ciência em Extensão 2019; 15(4):67-81.
18. Araújo MVM, Vieira MA, Costa SM. Atuação dos profissionais de enfermagem nos cuidados com a higiene bucal de idosos institucionalizados em Montes Claros – MG. Revista de APS 2010; 13(1):10-7.
19. Mota-Veloso I, Soares MEC, Alencar BM, Marques LS, Ramos-Jorge ML, Ramos-Jorge J. Impact of untreated dental caries and its clinical consequences on the oral health-related quality of life of schoolchildren aged 8–10 years. Quality of Life Research 2016; 25(1):193-9.
20. Brasil. Resolução CNS n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, n. 12, p. 59, 13 jun. 2013. Seção 1. Disponível em URL: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/ res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 23 jun. 2018.
21. Barbosa SC. Ambiente escolar, comportamento sedentário e atividade física em pré-escolares. Rev Paul Pediatr 2016; 34(3):301-8.
22. Nunes VH, Perosa GB. Cárie dentária em crianças de 5 anos: fatores sociodemográficos, lócus de controle e atitudes parentais. Ciência & Saúde Coletiva 2017; 22(1):191-200.
23. Almeida DLD, Nascimento DOR, Rocha ND, Dias AGA, Castro RFMD, Closs PDS. Avaliação da saúde bucal de pré-escolares de 4 a 7 anos de uma creche filantrópica. RGO - Rev Gaúcha Odontologia 2011: 59(2):271-5.
24. Finelli LAC, Silva JL, Amaral RA. Trajetória da família brasileira: o papel da mulher no desenvolvimento dos modelos atuais. Humanidades 2015; 4(2):52-60.
25. Pomini MC, Galvan J, Dias GF, Gouvêa NSD, Alves FBT. Prevalência de cárie em bebês e sua relação com o conhecimento e hábitos das mães. Archives of Dental Science/Arquivos em Odontologia 2018; 54(16).
26. De Brito Santo NCC, Pinto MB, Henriques AHB, Cavalcanti JDRD, De Brito CC, Da Silva Reichert AP. Vigilância à saúde das crianças em creche municipal: enfoque no perfil nutricional. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste 2013; 14(4):704-12.
27. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil das Regiões de Planejamento Maciço de Baturité, 2017. Disponível em URL: https://www.ipece.ce.gov.br/. Acesso em: 15 jan. 2019.
28. Brasil. Decreto nº 8.794, de 29/06/2016. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília 29 jun. 2016. Disponível em URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20152018/2016/Decreto/D8794.htm. Acesso em: 15 jan. 2019.
29. Costa JSDD, Cesar JA, Pattussi MP, Fontoura LPD, Barazzetti L, Nunes MF, et al. Assistência à criança: preenchimento da caderneta de saúde em municípios do semi-árido brasileiro. Rev Bras Saúde Matern Infant 2014; 14(3):219-27.
30. Amorim LDP, Senna MIB, Soares ARDS, Carneiro GTN, Ferreira EF, Vasconcelos M, et al. Avaliação do preenchimento da Caderneta de Saúde da Criança e qualidade do preenchimento segundo o tipo de serviço de saúde usado pela criança. Ciência & Saúde Coletiva 2018; 23(2):585-97.
31. Demari S, Marques C, Pereira JT, Oliveira RS, Werle SB. Avaliação do conhecimento sobre higiene bucal dos responsáveis por crianças de 0-6 anos de idade. Revista da Faculdade de Odontologia de Lins 2016; 26(1):11-8. 32. Calixto LF, Dias VO, Oliveira MJL, Maia NGF, De Castro Oliveira C, Martins MATS. Impacto das lesões cariosas cativadas e das consequências da cárie dentária não tratada na qualidade de vida de crianças de 08 a 10 anos de idade. Arq Odontologia 2018; 54(e13).
33. Hartwig AD, Romano AR, Pappen FG, Azevedo MS. Fatores maternos relacionados à alta frequência de consumo de sacarose por crianças acompanhadas por um programa de atenção odontológica materno-infantil nos dois primeiros anos de vida. Revista da Faculdade de Odontologia-UPF 2018; 23(2).
34. Singh GM, Micha R, Khatibzadeh S, Shi P, Lim S, Andrews KG, et al. Global, regional and national consumption of sugarsweetened beverages, fruit juices and milk: A systematic assessment of beverage intake in 187 countries. Plos One 2015; 10(8).
35. França JQS, Marchiori JMG. Avaliação do consumo de bebidas açucaradas em universitários da cidade de Bebedouro. Revista Ciências Nutricionais Online 2018; 2(2):37-41.
36. Oliveira MJ, Coimbra F, Mesquita P, Carvalho J, Lopes OP. Characterization of recurrent aphthous stomatitis in a young population. Rev Port Estomatol Med Dent Cir Maxilofac 2018; 59(1):10-7.
37. Brito AS, Clementino MA, Gomes MC, Neves ETB, De Sousa Barbosa A, De Medeiros CA, et al. Sociodemographic and behavioral factors associated with dental caries in preschool children: Analysis using a decision tree. J Indian Soc Pedod Prev Dent 2018; 36:244-9.
38. Silva PF, Freitas CHSM. Análise de motivos que dificultam a adoção de hábitos de higiene bucal saudáveis com relação à cárie dentária: avaliação de uma escola pública da Paraíba. Arq Odontol 2011; 47(1):38-44.
39. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica, n° 33. Brasília, 2012. Disponível em URL: http://bvsms.saude. gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_crescimento_desenvolvimento.pdf. Acesso em: 25 jun. 2019.
40. Kim JA, Choi HM, Seo Y, Kang DR. Relations among obesity, family socioeconomic status, oral health behaviors, and dental caries in adolescents: the 2010-2012 Korea National Health and nutrition examination survey. BMC Oral Health 2018; 18(1):114.
41. Reis DM, Pitta DR, Ferreira HMB, Jesus MCPD, Moraes MELD, Soares MG. Educação em saúde com estratégia de saúde bucal em gestante. Ciência e Saúde Coletiva 2010; 15(1):269-76.
42. Queiroz FS, Nóbrega CBC, Costa LED, Reul MA, Abreu RSA, Leite MS. Avaliação do perfil de armazenamento e descontaminação das escovas dentais. Rev Odontol UNESP 2013; 42(2):89-93.
43. Kumar G, Sethi AK, Ranjan Mani Tripathi P, Barman D. Assessment of Knowledge, Attitude, and Practice of Dental and Medical Interns toward Toothbrush Maintenance and Replacement in Bhubaneswar City, Odisha, India. J Pharm Bioallied Sci 2018; 10(2):77-82.
44. Casais PMM, Moreira IS, Moreira LGP, Ribeiro EP, Rapp GE. Placa bacteriana dental como um biofilme. Revista da Faculdade de Odontologia da UFPA 2013; 43(1).
45. Murthy PS, Shaik N, Deshmukh S, Girish MS. Effectiveness of Plaque Control with Novel Pediatric Oral Hygiene Need Station (Modified Oral Irrigation Device) as Compared with Manual Brushing and Flossing: Randomized Controlled Pilot Trial. Contemp Clin Dent 2018; 9(2):170-3.
46. Ferreira JMS, Bezerra IF, Cruz RESD, Vieira ITDA, Menezes VA, Granville-Garcia AF. Práticas de pais sobre a higiene bucal e dieta de pré-escolares da rede pública. RGO - Rev Gaúcha Odontologia 2011; 59(2):265-70.
47. Veras AP, Rodrigues ECV, De Brito Alves MK, De Carvalho MMP, Ferreira JMS. Higiene bucal em pré-escolares pertencentes a um Centro de Referência de Educação Infantil em João Pessoa-PB. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança 2018; 16(1):48-55.
48. Streb KT, Lauer IM, Oliveira PNR, Batista AK, Sfreddo C, Maraschin BJ. Representações sociais da doença cárie para pais de crianças atendidas em uma clínica de extensão. Expressa Extensão 2019; 24(1):77-84.
49. Atarbashi-Moghadam F, Atarbashi-Moghadam S. Tooth Brushing in Children. Journal of Dental Materials and Techniques 2018; 7(4):181-4.
50. Scalioni FAR, Figueiredo SR, Curcio WB, Alves RT, Leite ICG, Ribeiro RA. Hábitos de dieta e cárie precoce da infância em crianças atendidas em faculdade de odontologia brasileira. Pesq Bras Odontopediatria Clinica Integrada 2012; 12(3):399-404.
51. Menoli APS. Incremento de cárie dental em crianças de 12 a 47 meses de idade: estudo longitudinal. Odontologia Clínico-Científica 2012; 11(3):233-7.
Publicado
2021-06-01
Como Citar
SILVA, C. H., CANA IÉ, M., LIMA, K. E., JOAQUIM, D., & MELO LEITE, A. C. (2021). Saúde bucal de pré-escolares: do processo carioso aos fatores determinantes e moduladores. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 25(2), 175-183. https://doi.org/10.5335/rfo.v25i2.10616
Seção
Investigação Científica