Tratamento de disfunção temporomandibular com ozonioterapia: revisão sistemática

  • Leonardo Saraiva Universidade de Passo Fundo
  • Siglia Adriana Campos Tortelli Universidade de Passo Fundo
  • Matheus Santos Gomes Jorge Universidade de Passo Fundo, Soledade
  • Márcia Oliveira Siqueira Universidade de Passo Fundo
  • Lia Mara Wibelinger Universidade de Passo Fundo
  • Daniela Cristina Miyagaki Universidade de Passo Fundo
Palavras-chave: Desordem da articulação temporomandibular, Ozônio, Síndrome da Disfunção da Articulação Temporomandibular

Resumo

Dentre as dores orofaciais crônicas, as disfunções temporomandibulares são as mais comuns. Essa disfunção causa dor, tendo impacto nas atividades do dia a dia e na qualidade de vida das pessoas. Objetivo: verificar os efeitos da ozonioterapia no tratamento e na diminuição da dor da disfunção temporomandibular. Métodos: foi realizada uma revisão sistemática nas bases de dados SciELO, PubMed, Medline Bireme, Lilacs e Cochrane Library, a partir dos descritores: “Temporomandibular Joint Disorders”, “Ozone” e “Ozone therapy” e do equivalente em português “ozonioterapia”, nos idiomas português, inglês e espanhol, no período de março a junho de 2019. Resultados: foram encontrados 16 artigos, mas, após uma análise minuciosa e a aplicação dos critérios de exclusão, foram selecionados 4 artigos completos que preencheram os critérios de inclusão exigidos. Conclusão: a ozonioterapia é um método eficaz e seguro para o tratamento da dor relacionada à disfunção temporomandibular. As quatro pesquisas incluídas neste estudo mostraram que a articulação temporomandibular se cura muito mais rapidamente com a ozonioterapia do que com as outras terapias tradicionais que foram comparadas. Todavia, é importante que se façam futuros estudos para padronizar a questão das concentrações que devem ser utilizadas, bem como o tempo de tratamento da disfunção temporomandibular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. American Association of Orofacial Pain. [Citado em: 21 maio 2019]. Disponível em: http://www.aaop.org/content.aspx?page_id=22&club_id=508439&module_ id=107325.

2. Barreto DC, Barbosa ARC, Frizzo ACF. Relação entre disfunção temporomandibular e alterações auditivas. Rev Cefac 2010; 12(6):1067-76.

3. Branco RS, Branco CS, Tesch RS, Rapoport A. Frequência de relatos de parafunções nos sub-grupos diagnósticos de DTM de acordo com os critérios para pesquisa em disfunções temporomandibulares (RDC/TMD). R Dental Press OrtodonOrtop Facial 2008; 13(2):61-9.

4. Donnarumma MDC, Muzilli CA, Ferreira C, Nemr K. Disfunções Temporomandibulares: sinais, sintomas e abordagem multidisciplinar. Rev Cefac 2010; 12(5):788-94.

5. Santos ECA, Bertoz FA, Pignatta LMB, Arantes FM. Avaliação clínica de sinais e sintomas da disfunção temporomandibular em crianças. Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial 2006; 11(2):29-34.

6. Furlan, RM, Giovanardi RS, Britto ATB, Britto DBO. O emprego do calor superficial para tratamento das disfunções temporomandibulares: uma revisão integrativa. CoDAS 2015; 27(2):207-12.

7. Braslavsky SE, Rubin MB. The history of ozone. Part VIII. Photochemical formation of ozone. Photochem Photobiol Sci 2011; 10:1515-20.

8. Celakil T, Muric A, Gokcen Roehlig B, Evlioglu G, Keskin H. Effect of highfrequency bio-oxidative ozone therapy for masticatory muscle pain: a double-blind randomised clinical trial. J Oral Rehabil 2017; 44(6):442-51.

9. Bocci V, Zanardi I, Travagli V. Has oxygenozone therapy a future in medicine? J Exp Integr Med 2011; 1(1):5-11.

10. Doğan M, Dogan DO, Düger C, Kol IO, Akipinar A, Mutaf B, et al. Effects of High-Frequency Bio-Oxidative Ozone Therapy in Temporomandibular Disorder-Related Pain. Med Princ Pract 2014; 23(6):507-10.

11. Daif ET. Role of intra-articular ozone gas injection in the management of internal derangement of the temporomandibular joint. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol2012; 113(6):e10-4.

12. Celakil T, Muric A, Roehlig BG, Evlioglu G. Management of pain in TMD patients : Bio- oxidative ozone therapy versus occlusal splints. Cranio 2019; 37(2):85-93.

13. Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução nº 196, de 16 de outubro de 1996. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União 1996; seção 1.

14. Rahimi-Movaghar V. The major eficiente mechanisms of ozone therapy are obtained in intradiscal procedures. Pain Physician 2012; 15(6):E1007-8.

15. Granja DVA, Lima AP. Influência dos recursos fisioterapêuticos nas algias orofaciais. Rev Fisioter Brasil 2003; 4(6):394-401.

16. Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. São Paulo: Artes Médicas; 2000.

17. Figueiredo VGM, Cavalcanti AL, Farias ABL, Nascimento SR. Prevalência de sinais, sintomas e fatores associados em portadores de disfunção temporomandibular. Acta Scient Health Sci 2009; 31(2):159-63.
Publicado
2019-12-19
Como Citar
Saraiva, L., Adriana Campos Tortelli, S., Santos Gomes Jorge, M., Oliveira Siqueira, M., Mara Wibelinger, L., & Cristina Miyagaki, D. (2019). Tratamento de disfunção temporomandibular com ozonioterapia: revisão sistemática. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 24(2), 316-321. https://doi.org/10.5335/rfo.v24i2.10461
Seção
Revisão de Literatura