Avaliação do volume das vias aéreas superiores conforme o padrão facial

  • Tiago Nascimento Mileto, Mr. Universidade de Passo Fundo https://orcid.org/0000-0003-2769-7859
  • Cassian Taparello Universidade de Passo Fundo
  • Francieli Pasqualotto Universidade de Passo Fundo
  • Ferdinando De Conto, Dr. Universidade de Passo Fundo
  • Adriano Pasqualoti, Dr. Universidade de Passo Fundo
  • Mateus Ericson Flores, Dr. Universidade de Passo Fundo
Palavras-chave: Faringe, apneia obstrutiva do sono, cirurgia ortognática, tomografia computadorizada de feixe cônico

Resumo

Objetivo: Analisar o volume da via aérea superior em pacientes adultos saudáveis, a partir de exames de TCFC, comparando o padrão facial esquelético I, II e III, considerando a idade e o sexo. Método: Um estudo retrospectivo de análise do banco de dados de uma clínica radiológica, com uma amostra de 129 exames de face total em formato DICOM, datados de 2015 a 2018. Após a divisão da amostra em três grupos, conforme o padrão esquelético, as medidas volumétricas foram obtidas através do aplicativo ITK-SNAP versão 3.6.0, um processador gratuito de segmentação anatômica 3D. Resultados: A amostra foi separada em padrão I com 60 exames, padrão II com 48 e padrão III com 21 exames. O sexo feminino foi o mais frequente com 69,8% (n = 90) e a média de idade foi definida em 35 anos. O volume médio geral foi de 22.774,2 mm³ e a média entre os padrões esqueléticas não apresentou diferença significante (p = 0,251), segundo o teste não paramétrico de Kruskal-Wallis (p < 0,05). Na análise do dimorfismo sexual, os homens apresentaram maior volume, com diferença estatística (p = 0,033) através do teste de Mann-Whitney. Conclusão: O volume médio da VAS entre indivíduos saudáveis com padrão facial I, II e III não apresentou diferença significativa, apenas uma discreta variação, sendo o padrão III maior em 14,8% do que o padrão I. O sexo masculino se destacou com maior volume e a variação da idade não teve correlação com o volume do EAF.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Nascimento Mileto, Mr., Universidade de Passo Fundo
Cirurgião-Dentista, graduado pela UNESC em Criciúma - SC, no último ano da especialização em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofaciais, em formato de Residência com dedicação exclusiva, pela Universidade de Passo Fundo, Hospital de Clínicas e Secretaria Municipal de Saúde de Passo Fundo - RS. Podendo atuar na área docente e nas áreas de cirurgia dento-alveolar (oral menor: extrações simples e complexas, como dentes inclusos, biópsias de lesões orais, cirurgia pré-protética, etc.), implantodontia, enxertos ósseos, infecções odontogênicas, bem como cirurgias maiores em ambiente hospitalar, como ortognática e traumatologia.

Referências

1. Mattos CT, Vilani GNL, Sant’Anna EF, Ruellas ACO, Maia LC. Effects of orthognathic surgery on oropharyngeal airway: a meta-analysis. Int J Oral Maxillofac Surg. 2011; 40: 1347-56.

2. Al-Hadi N, Chegini S, Klontzas ME, McKenny J, Heliotis M. Patient expectations and satisfaction following orthognathic surgery. Int J Oral Maxillofac Surg. 2018; xxx: xxx-xxx.

3. Holty JEC, Guilleminault C. Maxillomandibular advancement for the treatment of obstructive sleep apnea: a systematic review and meta-analysis. Sleep Med Rev. 2010; 14: 287-97.

4. Vaezi T, Zarch SHH, Eshghpour M, Kermani H. Two-dimensional and volumetric airway changes after bimaxillary surgery for class III malocclusion. J Korean Assoc Oral Maxillofac Surg. 2017; 43: 88-93.

5. Parsi GK, Alsulaiman AA, Kotak B, Mehra P, Will LA, Motro M. Volumetric changes of the upper airway following maxillary and mandibular advancement using cone beam computed tomography. Int J Oral Maxillofac Surg. 2018; xxx: xxx-xxx.

6. Kamasová M, Václavík J, Kociánová E, Táborský M. Obstructive sleep apnea in outpatient care - what to do with? Cor Et Vasa. 2017; e1-e7.

7. Dultra FKAA, Tavares A, Dultra JA, Salles C, Crusoé-Rebelo IM, Barbosa I, Souza-Machado A. Pharyngeal airspace of asthmatic individuals and those suffering from obstructive sleep apnea syndrome: study by CBCT. Eur J Rad. 2017; 95: 342-48.

8. Zinsly SR, Moraes LC, Moura P, Ursi W. Avaliação do espaço aéreo faríngeo por meio da tomografia computadorizada de feixe cônico. Dental Press J Orthod. 2010; 15(5): 150-8.

9. Guijarro-Martínez R, Swennen GRJ. Cone-beam computerized tomography imaging and analysis of the upper airway: a systematic review of the literature. Int J Oral Maxillofac Surg. 2011; 40: 1227-37.

10. Eslami E, Katz ES, Baghdady M, Abramovitchd K, Masoud MI. Are three-dimensional airway evaluations obtained through computed and cone-beam computed tomography scans predictable from lateral cephalograms? a systematic review of evidence. Angle Orthod. 2017; 87: 159-67.

11. Haiter-Neto F, Oliveira SS, Casanova MS, Caldas MP. Telerradiografias obtidas em posição natural da cabeça alteram as grandezas cefalométricas? Rev Dent Press Ortodon Ortop Facial. 2007; 12(4): 117-23.

12. Rodrigues MM, Pereira Filho VA, Real Gabrielli M, De Oliveira TFM, Batatinha JAP, Passeri LA. Avaliação volumétrica de segmentos faríngeos em pacientes com apneia obstrutiva do sono. Braz J Otorhinolaryngol. 2018; 84(1): 89-94.

13. Steiner CC. Cephalometric for you and me. Am J Orthod. 1953; 39: 729-755.

14. Zamora N, Paredes V, Cibrian RM. Study between ANB angle and Wits appraisal in cone beam computed tomography (CBCT). Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2013; 18(4): e725-32.

15. Jakobsone G, Neimane L, Krumina G. Two- and three-dimensional evaluation of the upper airway after bimaxillary correction of class III malocclusion. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2010; 110(2): 234-42.

16. Yushkevich PA, Piven J, Hazlett HC, Smith RG, Ho S, Gee JC, Gerig G. User-guided 3D active contour segmentation of anatomical structures: significantly improved efficiency and reliability. Neuro Image. 2006; 31: 1116-28.

17. Hernández-Alfaro F, Guijarro-Martínez R, Mareque-Bueno J. Effect of mono- and bimaxillary advancement on pharyngeal airway volume: cone-beam computed tomography evaluation. J Oral Maxillofac Surg. 2011; 69: e395-e400.

18. Tan SK, Leung WK, Tang ATH, Zwahlen RA. How does mandibular advancement with or without maxillary procedures affect pharyngeal airways? An overview of systematic reviews. PLoS One. 2017; 12(7): e0181146.

19. Guijarro-Martínez R, Swennen GRJ. Three-dimensional cone beam computed tomography definition of the anatomical subregions of the upper airway: a validation study. Int J Oral Maxillofac Surg. 2013; 42: 1140-49.

20. Dalmau E, Zamora N, Tarazona B, Gandia JL, Paredes V. A comparative study of the pharyngeal airway space, measured with cone beam computed tomography, between patients with different craniofacial morphologies. J Craniomaxillofac Surg. 2015; 43(8): 1438-46.

21. Kikuchi Y. Three-dimensional relationship between pharyngeal airway and maxillo-facial morphology. Bull Tokyo Dent Coll. 2008; 49(2): 65-75.

22. Castro-Silva L, Monnazzi MS, Spin-Neto R, Moraes M, Miranda S, Real Gabrielli MF, Pereira-Filho VA. Cone-beam evaluation of pharyngeal airway space in class I, II, and III patients. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol. 2015; 120(6), 679-83.
Publicado
2020-12-11
Como Citar
Mileto, T., Taparello, C., Pasqualotto, F., De Conto, F., Pasqualoti, A., & Flores, M. (2020). Avaliação do volume das vias aéreas superiores conforme o padrão facial. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 25(1), 7-15. https://doi.org/10.5335/rfo.v25i1.10390
Seção
Investigação Científica