Avaliação da ocorrência e dos conhecimentos sobre disfunção temporomandibular em profissionais da Equipe de Saúde da Família do Grupo Hospitalar Conceição

  • Angélica Rhoden
  • Marcylene Arruda Braz
  • Myrian Camara Brew
  • Raul Antônio Cruz
  • Eduardo Grossmann
  • Caren Serra Bavaresco Grupo Hospitalar Conceição Programa de Pós-graduação ULBRA
Palavras-chave: Transtornos da Articulação Temporomandibular, Atenção Primária à Saúde, Síndrome da Disfunção da Articulação Temporomandibular

Resumo

As disfunções temporomandibulares (DTM) são caracterizadas por um conjunto de problemas clínicos que envolvem a articulação temporomandibular, os músculos da mastigação e as estruturas associadas. Considerando-se o elevado número de pessoas com DTM e que a busca por tratamento tem aumentado nos últimos anos, o objetivo do presente estudo foi avaliar a prevalência de DTM entre os integrantes da Equipe de Saúde da Família (ESF) e o conhecimento dos profissionais em relação a essa condição. Os questionários foram aplicados em 87 profissionais da ESF do Grupo Hospitalar Conceição. O primeiro questionário avaliou a prevalência de DTM, no segundo foi coletado os dados sociodemográficos e, por último, avaliou-se o conhecimento sobre a etiologia, o diagnóstico e o tratamento das DTM. A análise dos dados foi realizada através dos testes Qui-quadrado ou Teste T de Student para um p≤0,05.  Os resultados demonstraram que os profissionais incluídos, em sua maioria, apresentam DTM leve e que o percentual de acertos dos dentistas foi superior estatisticamente ao dos médicos apenas no item tratamento. É de suma importância que os profissionais das ESF estejam preparados para atender a demanda de pacientes que apresentam os sinais e sintomas compatíveis com DTM.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Leeuw R. Dor orofacial: guia de avaliação, diagnóstico e tratamento. 4ª ed. São Paulo: Quintessence; 2010.

2. Okeson JP. Bell’s Orofacial Pain. 5ª ed. Chicago: Quintessense; 2005.

3. Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 7ª ed. Elsevier; 2013.

4. Valle RT, Grossmann E, Fernandes RSM. Disfunções Temporomandibulares: abordagem clínica. 1ª ed. Napoleão; 2015.

5. Tomacheski DF, Barboza VL, Fernandes MR, Fernandes F. Disfunção têmporo-mandibular: estudo introdutório visando estruturação de prontuário odontológico. Publ UEPG Ci Biol Saude. 2004;10(2):17-25.

6. Rizzatti-Barbosa CM, Arana ARS, Cunha Jr AC, Morais ABA, Gil IA. Avaliação diária da dor na desordem temporomandibular: caso clínico. Rev ABO Nac. 2000;8(3):171-5.

7. Oliveira W. Disfunções Temporomandibulares. 6ª ed. São Paulo: Artes Médicas; 2002.

8. Dantas AMX, Santos EJL, Vilela RM, Lucena LBS. Perfil epidemiológico de pacientes atendidos em um Serviço de Controle de Dor Orofacial. Rev Odontol UNESP. 2015 Nov-Dec; 44(6): 313-319.

9. Beroli FMP, Bruzamolin CD, Pizatto E, Losso EM. Brancher JA, de Souza JF. Prevalence of diagnosed temporomandibular disorders: A cross-sectional study in Brazilian adolescentes. PLoS One. 2018 Feb 8;13(2):e0192254.

10. Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002. 726 p.

11. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 648, de 28 de Março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
12. Francesquini Junior L, Francesquini MA, Darugue E, Gonçalves RJ, Ambrosano GMB, Barbosa CMR, Duz S. Disfunção de ATM: verificação do conhecimento do cirurgião-dentista sobre etiologia, incidência e dignóstico. J. bras. ortodon. ortop. facial; 1999; 4(19):67-79.

13. Martins Junior RL, Kerber FC, Stuginski-Barbosa J. Atitudes e conhecimento de médicos cefaliatras em relação à disfunção temporomandibular. Migrâneas cefaleias 2009; 12(1):10-15.

14. Fonseca DM, Bonfante G, Valle AL, Freitas SFT. Diagnóstico pela anamnese da disfunção craniomandibular. RGO - Rev Gaúcha Odontol. 1994;42(1):23-8.

15. Dekon SFC, Zavanelli, AC, Baleeiro RP, Vidotti MA, Pelisser J. Estudo comparativo entre índice anamnésico de DTM e análise oclusal funcional. J Bras Oclus ATM & Dor Orofacial. 2002;2(6):135-40.

16. Calvanti MOA, Lima JMC, Batista AUD, Oliveira LMC, Lucena LBS. Grau de severidade da disfunção temporomandibular e hábitos parafuncionais em policiais militares. RGO - Rev Gaúcha Odontol. 2011; 59(3):351-356.

17. Medeiros SP, Batista AUD, Forte FDS. Prevalência de sintomas de disfunção temporomandibular e hábitos parafuncionais em estudantes universitários. RGO - Rev Gaúcha Odontol. 2011; 59(2):201-208.

18. Martins PF, Stechman J Neto, Marques JM, Martins SK, Cristoff KE, Sampaio RS, Massi G, Hummig W. Tinnitus and temporomandibular disorders: the knowledge of profissionals for primary health care in the city of Curitiba. International Tinnitus Journal. 2016;20(1):18-23.

19. Manfredini D, Lombardo L, Siciliani G. Temporomandibular disorders and dental occlusion. A systemaric review od association studies: end of na era? J Oral Rehabil 2017;44(11):908-23.

20. Stone JC, Hannah A, Nagar N. Dental occlusion and temporomandibular disorders. Evid Based Dent 2017;18(3):86-7.

21. Jesus LAD, Martins MD, Andrade DVD, Biasotto-Gonzalez DA. Estudo transversal de prevalência da disfunção temporomandibular e bruxismo em estudantes universitários. Revista Terapia Manual 2009; 7(29).

22. Jiménez-Silva A, Peña-Durán C, Tobar-Reyes J, Frugone-Zambra R. Sleep and awake bruxism in adults and its relationship with temporomandibular disordes: A systematic review from 2003 to 2014. Acta. Odontolo. Scand 2017; 75(1):36-58.

23. Reismann DR, John MT, Aigner A, Schon G, Sierwald I, Schiffman EL. Interaction between awake and sleep bruxism is associated with incressed presence of peinful temporomandibular disorders. J Orofacial Pain 2017; 31(4):299-305.

24. Berger M, Szalewski L, Szkutnik J, Ginszt M, Ginszt A. Different association between specific manifestations of bruxism and temporomandibular disorder pain. Neurol Neurochir Pol 2017;51(1):7-11.

25. Lobbezo F, Ahlberg J, Glaros AG, Kato T, Koyano K, Lavigne GJ, et al. Bruxism defined and graded: an international consensus. J Oral Rehabil 2013; 40(1):2-4.

26. Treede RD, Jensen TS, Campbell JN, Cruccu G, Dostrovsky JO, Griffin JW et al. Neuropathic pain: redefinition and a grading system for clinical and research purposes. Neurology. 2008;70:1630–1635.

27. Paulino MR, Moreira VG, Lemos GA, Silva PLPD, Bonan PRF, Batista AUD. Prevalence of signs and symptoms of temporomandibular disorders in college preparatory students: associations with emocional factors, parafuncional habits, and impacto on quality life. Ciência e Saúde Coletiva. 2018; 23(1):173-186.

28. Gameiro GH1, Silva Andrade A, Nouer DF, Ferraz de Arruda Veiga MC. How may stressful experiences contribute to the development of temporomandibular disorders? Clin Oral Investig 2006; 10(4):261-268.

29. Minghelli B, Kiselova L, Pereira C. Associação entre os sintomas da disfunção temporo-mandibular com factores psicológicos e alterações na coluna cervical em alunos da Escola Superior de Saúde Jean Piaget do Algarve. Rev Port Sau Pub. 2011; 29(2):140-147.

30. Glaros AG, Glass EG, McLaughlin L. Knowledge and beliefs of dentists regarding temporomandibular disorders and chronic pain. J Orofac Pain. 1994;8(2):216-22.

31. Feteih RM. Signs and symptoms of temporomandibular disorders and oral parafunctions in urban Saudi Arabian adolescents: a research report. Head Face Med. 2006;25(2):1-7.

32. Manfredi APS, Silva AA, Vendite LL. Avaliação da sensibilidade do questionário de triagem para dor orofacial e desordens temporomandibulares recomendado pela Academia Americana de Dor Orofacial. Rev Bras Otorrinolaringol. 2001;67(6):763-8.

33. American Association dor Dental Research. AADR policy statement on temporomandibular disorder 2010.

34. Coombe AR, Ho CT, Darendeliler MA, Hunter N, Philips JR, Chapple CC, et al. The effects of low level laser irradiation on osteoblastic cells. Clin Orthod Res. 2001;4:3–14.

35. Nitzan DW. Intraarticular pressure in the functioning human temporomandibular joint and its alteration by uniform elevation of the occlusal plane. J OralMaxillofac Surg 1994;52:671-679.

36. Candirli C, Korkmaz YT, Celikoglu M, Altintas SH, Coskun U, Mmemis S. Dentists’ knowledge of occlusal splint therapy for bruxism and temporomandibular joint disorders. Niger J Clin Pract. 2016;19(4):496-501.

37. Dionne RA. Pharmacologic treatments for temporomandibular disorders. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 1997;83(1):134-42.

38. Rizzatti-Barbosa CM, Nogueira MT, de Andrade ED, Ambrosano GM, de Barbosa JR. Clinical evaluation of amitriptyline for the control of chronic pain caused by temporomandibular joint disorders. Cranio. 2003;21(3):221-5.
39. Manfredini D, Stellini E, Gracco A, Lombardo L, Nardini LG, Siciliani G. Orthodontics is temporomandibular disorder-neutral. Angle Ortho. 2016; 86(4):649-54.

40. Fernández-González FJ, Cañigral A, López-Caballo JL, Brizula A, Moreno-Hay I, Del Rio-Highsmith J et al. Influence of othodontic treatment on temporomandibular disorders: A systematic review. J Clin Exp Dent. 2015; 1:7(2)e320-7.
Publicado
2020-12-11
Como Citar
Rhoden, A., Braz, M., Brew, M., Cruz, R. A., Grossmann, E., & Bavaresco, C. (2020). Avaliação da ocorrência e dos conhecimentos sobre disfunção temporomandibular em profissionais da Equipe de Saúde da Família do Grupo Hospitalar Conceição. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 25(1), 16-25. https://doi.org/10.5335/rfo.v25i1.10285
Seção
Investigação Científica