Autopercepção da qualidade de vida relacionada com a saúde bucal de idosos em Fortaleza, Ceará

  • Gemakson Mikael Mendes
  • Jéssica Soares de Sousa Soares de Sousa
  • Raul Anderson Domingues Alves da Silva Universidade Federal do Ceará
  • Walda Viana Brigido de Moura
  • Rômulo Rocha Regis
  • Ana Karine Macedo Teixeira
Palavras-chave: Qualidade de vida, Idosos, Saúde Bucal, Autoimagem

Resumo

Objetivo: avaliar a autopercepção da qualidade de vida relacionada com a saúde bucal de idosos institucionalizados e não institucionalizados. Método: estudo epidemiológico, transversal, tendo como público-alvo, idosos com mais de 60 anos de uma instituição de longa permanência – ILPI (n=23) e de grupo de convivência de idosos (n=22), ambos localizados em Fortaleza - CE. Para a análise da autopercepção em saúde bucal, foi utilizado o índice GOHAI (Geriatric Oral Health Index). Para avaliar o nível de dependência foi aplicado o teste de Barthel e o teste de Pfeiffer para analisar o estado cognitivo. Resultados: A pontuação média dos valores do índice GOHAI foi de 32,6; entretanto foi percebido um alto número de edêntulos, já que apenas 17,7% da amostra possuía 21 dentes ou mais na boca. Percebeu-se que os idosos analfabetos e aqueles que utilizavam prótese total inferior estavam mais satisfeitos com a sua saúde bucal enquanto que outros fatores socioambientais não apresentaram valores estatisticamente significantes. Conclusão: a autopercepção é um conceito variável e subjetivo que nem sempre representa as reais necessidades clínicas do indivíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1- Vasconcelos LCA, Prado Júnior RR, Teles JBM, Mendes RF. Self-perceived oral health among elderly individuals in a medium-sized city in northeast Brazil. Cad Saude Publica. 2012;28(6):1101–10.
2- Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Quality of life and health: a necessary debate. Ciên Saúde Colet. 2000;5(1):7-18.
3- Locker D. Clinical correlates of change in self perceived oral health in older adults. Community Dent Oral Epidemiol 1997; 25(3):199-203.
4- Antunes JLF, Peres MA. Epidemiologia da saúde bucal. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan; 2006.
5- Fonseca PHA, Almeida AM, Silva AM. Condições de saúde bucal em população idosa institucionalizada. RGO. 2011; 59(2): 193-200.
6- Silva DD, de Sousa MLR, Wada RS. Self-perception and oral health conditions in an elderly population. Cad Saude Publica 2005; 21(4): 1251-9
7- Atchison KA, Dolan TA. Development of the Geriatric Oral Health Assessment Index. J Dental Educ 1990;54:680-7.
8- Benedetti TRB, Mello ALSF, Gonçalves LHT. Elderly people living in Florianópolis: self-perception of oral health conditions and use of dental services. Cienc Saude Colet. 2007;12(6):1683-90.
9- Camarano AA, Kanso S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Rev Bras Estud Popul 2010; 27(1):233-235.
10- Carvalho JAM, Garcia RA. The aging process in the Brazilian population: a demographic approach. Cad Saude Publica. 2003;19:725–733.
11- Silva DD da, Held RB de, Torres SV de S, Sousa M da LR de, Neri AL, Antunes JLF. Autopercepção da saúde bucal em idosos e fatores associados em Campinas, SP, 2008-2009. Rev Saude Publica. 2011;45(6):1145–53.
12- BRASIL. SB Brasil 2010: Pesquisa nacional de saúde bucal: resultados principais. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.
13- Souza EHA, Barbosa MBCB, Oliveira PAP, Espíndola J, Gonçalves KJ. Impact of oral health in the daily life of institutionalized and non institutionalized elder in the city of Recife (PE, Brazil). Cien Saude Colet 2010; 15(6):2955-2964.
14- BRASIL. Projeto SB 2010: Condições de saúde bucal da população brasileira no ano 2010. Manual do Coordenador Municipal. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica .Brasília: Ministério da Saúde, 2009.
15- Pfeiffer E. A short portable mental status questionnaire for the assessment of organic brain deficit in elderly patients. Geriatr Soc. 1975;23(10):433–41.
16- Mahoney FI, Barthel DW. Functional evaluation: the Barthel Index. Md State Med J 1965;14:61-65
17- Cincura C, Pontes-Neto OM, Neville IS, Mendes HF, Menezes DF, Mariano DC, et al. Validation of the National Institutes of Health Stroke Scale, modified Rankin Scale and Barthel Index in Brazil: the role of cultural adaptation and structured interviewing. Cerebrovasc Dis. 2009;27(2):119-22.
18- Atchison KA, Dolan TA. Development of the geriatric oral health assessment index. J Dent Educ 1990; 54(11):680-686.
19- Lourenço TM, Lenardt MH, Kletemberg DF, Seima MD, Tallmann AEC, Neu DKM. Capacidade funcional no idoso longevo: uma revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm 2012;33(2):176-85.
20- BRASIL. Cadernos de Atenção Básica- n.º 19: Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
21- Gottlieb MG, Schwanke CH, Gomes I, Cruz IB. Longevity and aging in Rio Grande do Sul state: a hystorical, ethnic and morbi-mortality profile of elderly people. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011;14(2):365-80
22- Silva SR, Castellanos Fernández SA Self-perception of oral health status by the elderly. Rev Saude Public. 2001; 35: 349(4):349-55.
23- Costa EHM, Saintrain MVL, Vieira APG. Self-perception of oral health condition of the institutionalized and non-institutionalized elders. Ciênc saúde coletiva 2010; 15(6): 2925-2930.
24- Joaquim AM, Wyatt CC, AleksejŪnienĖ J, Greghi SL, Pegoraro LF, Kiyak HA. A comparison of the dental health of Brazilian and Canadian independently living elderly. Gerodontology. 2010;27(4):258-65.
25- Matos DL, Lima‐Costa MF, Guerra HL, Marcenes W. The Bambui Project: a population‐based study of factors associated with regular utilization of dental services in adults. Cad Saude Publica. 2001; 17: 661‐ 8
26- Matos DL, Lima-Costa MF. Self-rated oral health among Brazilian adults and older adults in Southeast Brazil: results from the SB-Brasil Project, 2003. Cad Saúde Pública. 2006; 22:1699-707.
27- Bulgarelli AF, Manço ARX. Idosos vivendo na comunidade e a satisfação com a própria saúde bucal. Cien Saude Colet 2008; 13(4):1165-1174.
28- Haikal DS, Paula AM, Martins AM, Moreira AN, Ferreira EF. Self-perception of oral health and impact on quality of life among the elderly: a quantitative-qualitative approach. Cien Saude Colet. 2011 Jul;16(7):3317-29.
29- Narvai PC, Antunes JLF. Saúde bucal: a autopercepção da mutilação e das incapacidades. In: Lebrão ML, Duarte YAO, organizadores. SABE - Saúde, Bem-estar e Envelhecimento. O projeto SABE no Município de São Paulo: uma abordagem inicial. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2003. p. 121-37.
30- Martins AMEBL, Barreto SM, Pordeus IA. Objective and subjective factors related to self-rated oral health among the elderly. Cad. Saúde Pública. 2009; 25: 421-35.
31- Dawalibi NW, Goulart RMM, Prearo LC. Factors related to the quality of life of the elderly in programs for senior citizens. Ciênc saúde coletiva. 2014; 19(8):3505-12.
Publicado
2020-12-11
Como Citar
Mendes, G., Sousa, J. S. de S., da Silva, R. A., Moura, W., Regis, R., & Teixeira, A. K. (2020). Autopercepção da qualidade de vida relacionada com a saúde bucal de idosos em Fortaleza, Ceará. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF, 25(1), 50-58. https://doi.org/10.5335/rfo.v25i1.10151
Seção
Investigação Científica