http://seer.upf.br/index.php/rep/issue/feed Revista Espaço Pedagógico 2022-11-27T09:48:41-03:00 Telmo Marcon espacopedagogico@upf.br Open Journal Systems <p>A revista Espaço Pedagógico é uma publicação científica do<a href="https://www.upf.br/ppgedu" target="_blank" rel="noopener"> Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU)</a> e da Faculdade de Educação (FAED) da <a title="UPF" href="https://www.upf.br/" target="_blank" rel="noopener">Universidade de Passo Fundo</a>, apresentada em versão online. Publica trabalhos originais e inéditos em português, espanhol e inglês, resultantes de estudos teóricos, pesquisas, reflexões sobre experiências pedagógicas, entrevistas com educadores, traduções e resenhas críticas de obras que abordem temas relevantes na área da educação. Excepcionalmente, publica trabalhos em outras línguas, como italiano, francês e alemão.<br> É uma publicação de acesso livre, classificada no <a href="https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/veiculoPublicacaoQualis/listaConsultaGeralPeriodicos.jsf?" target="_blank" rel="noopener">Qualis CAPES</a> (2013-2016) no estrato B1 em Educação.</p> http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/14141 Expediente 2022-11-26T10:38:50-03:00 Telmo Marcon telmomarcon@upf.br 2022-11-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/14140 Editorial 2022-11-26T10:38:50-03:00 Luiz Marcelo Darroz ldarroz@upf.br Telmo Marcon telmomarcon@upf.br 2022-11-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13887 Aprendizagem ativa com significado 2022-11-26T10:38:51-03:00 Marco Antonio Moreira moreira@if.ufrgs.br <p>O ensino de ciências tradicional, centrado no professor que “dá a matéria”, tentando explicá-la o melhor possível, é pior do que ineficaz, é anticientífico (Carl Wieman). O ensino não pode ser monológico, mas sim dialógico (Paulo Freire), e o aluno deve participar ativamente no processo ensino-aprendizagem. No entanto, participação ativa não é simplesmente “mão na massa”, pois deve envolver, fundamentalmente, aspectos cognitivos significativos. Por mais ativo que seja o ensino, por mais tecnológico que seja, a aprendizagem tem que ser significativa (David Ausubel), i.e, com significado, compreensão, capacidade de explicar, de aplicar conhecimentos adquiridos, declarativos ou procedimentais. Aprendizagem ativa sem significado não tem sentido.</p> 2022-11-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13108 Aprendizagem significativa: uma teoria para a sala de aula e sua perspectiva paradigmática 2022-11-26T10:38:51-03:00 Iramaia Jorge Cabral de Paulo irafisufmt@gmail.com <p>Atualmente, no contexto educativo, a palavra de ordem é aprendizagem significativa ou aprendizagem com significado. É pouco provável que esse objetivo seja alcançado sem que a Teoria da Aprendizagem Significativa, que o subjaz, seja compreendida. A partir de seus fundamentos, documentos norteadores da educação brasileira, sequências didáticas e metodologias facilitadoras têm sido criadas e testadas por professores e educadores nos mais variados contextos de ensino e aprendizagem o que nos remete a considerar que aprendizagem significativa se constitui um paradigma. Esse artigo objetiva apresentar os principais construtos da Teoria e apontar a aproximação com os preceitos kuhnianos que a legitimam como um paradigma.</p> 2022-11-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/12999 A Teoria da Aprendizagem Significativa em pesquisas na área de Ensino de Ciências da Natureza: uma revisão sistemática da literatura 2022-11-26T10:38:51-03:00 Luiz Henrique Ferreira ferreiraufscar@gmail.com Paola Gimenez Mateus paolagimenezm@gmail.com Andressa Algayer da Silva Moretti andressa.algayers@gmail.com <p>No presente trabalho o objetivo foi caracterizar como a Teoria da Aprendizagem Significativa (TAS) tem sido utilizada em pesquisas brasileiras da área de Ensino de Ciências da Natureza. Para isso, adotamos como método de pesquisa a revisão sistemática da literatura. Como banco de dados para busca, utilizamos o portal de periódicos da Capes e como descritores “aprendizagem significativa”, “Ausubel” e “Unidade de Ensino Potencialmente Significativa”. A partir da aplicação de uma série de filtros avançados de busca e, da consideração de uma série de critérios de inclusão e exclusão de artigos, analisamos um total de 16 trabalhos publicados que utilizavam a TAS como referencial teórico-metodológico. Desta análise, pudemos inferir que: a área de Ensino de Física corresponde aquela em que a teoria é mais empregada; apesar de em menor frequência, são encontrados trabalhos atuais que se baseiam na TAS; a Educação Básica corresponde ao nível de ensino em que mais se investiga as implicações da TAS, por meio de propostas de sequências de ensino; não encontramos trabalhos voltados para o Ensino Superior; enquanto instrumento de constituição de dados de pesquisa, temos que o mapa conceitual é o mais empregado; infere-se, na limitação da presente pesquisa, que poucas pesquisas da área em questão se fundamentam na TAS.</p> 2022-11-25T22:04:32-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13265 Os significados de Intenção e Disposição para aprender na Teoria da Aprendizagem Significativa 2022-11-26T10:38:52-03:00 Rachel Belmont rachelsbelmont@gmail.com Karla Maria Castello Branco da Cunha karla.castellobranco@gmail.com Evelyse dos Santos Lemos evelyse.lemos@gmail.com <p>O conceito Aprendizagem Significativa, ainda polissêmico no contexto educativo e da sua investigação, foi cunhado no escopo de uma teoria que explica seu processo, condições de ocorrência e facilitação. Intenção e disposição (para aprender) são momentos diferentes da aprendizagem, mas comumente assumidos como sinônimos em estudos de língua portuguesa que se baseiam na Teoria. O objetivo deste manuscrito é apresentar reflexões sobre os significados dos referidos conceitos presentes na obra original de Ausubel, publicada em 2000, e em sua tradução para o português, em 2003. A análise do texto original revela inconsistência na tradução de termos essenciais para a compreensão do processo da aprendizagem, especialmente o <em>meaningful learning set</em>. Este fato pode ter contribuído para um entendimento superficial desses significados. Propomos o uso do termo “<em>learning set</em> com significado” pela complexidade do conceito e inexistência de palavra em português com correspondência direta para o seu significado. Por fim, sugerimos maior atenção a tais conceitos e que novos estudos sejam realizados.</p> 2022-11-25T22:13:21-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13201 Por que devemos ensinar História das Ciências em aulas de Ciências?: Contribuições a partir da Teoria da Aprendizagem Significativa Crítica 2022-11-26T10:38:53-03:00 Nathan Willig Lima nathan.lima@ufrgs.br Cleci Teresinha Werner da Rosa cwerner@upf.br <p>A abordagem histórica tem uma tradição consolidada na pesquisa em ensino de Ciências. Mesmo assim, artigos recentes têm apontado a persistente necessidade de explicitar os objetivos pedagógicos de tais propostas. Ademais, objeções diversas à abordagem histórica ainda são comuns na área de ensino de ciências. A partir disso, no presente trabalho, temos por objetivo discutir as potencialidades e os cuidados pedagógicos necessários em atividades didáticas com abordagem histórica, a partir do quadro teórico formado pela Teoria da Aprendizagem Significativa Crítica. Em especial, argumentamos que, diante do cenário contemporâneo, é necessário que os alunos construam conhecimentos científicos bem como desenvolvam uma postura crítica, de “distanciamento antropológico”, para que sejam capazes de atuar no sentido de articular um mundo habitável e mais justo. Ao longo do trabalho, apresentamos brevemente os pressupostos da teoria, discutimos as potencialidades da abordagem histórica à luz de seus princípios, expomos alguns cuidados metodológicos e, por fim, respondemos a objeções comuns à abordagem histórica.</p> 2022-11-25T22:17:27-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13110 Um possível percurso formativo visando a promoção da Aprendizagem Significativa de Física no Ensino Médio 2022-11-27T09:48:41-03:00 Angelisa Benetti Clebsch angelisa.clebsch@ifc.edu.br Adriana Marin andriana.marin@ifc.edu.br José de Pinho Alves Filho jopinhofilho@gmail.com <p style="margin-bottom: 0cm; line-height: 100%;" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;">As políticas públicas recentes relacionadas ao Ensino Médio, definiram uma base nacional comum curricular como referência </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;">para a</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"> elaboração dos currículos bem como uma nova estrutura para este nível de ensino que deve ser organizado em Formação Geral Básica e Itinerários Formativos. Apresenta-se um olhar crítico a estas políticas e discute-se sobre a necessidade da promoção da aprendizagem significativa de conceitos de </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;">F</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;">ísica, como alternativa necessária à aprendizagem mecânica. O problema de pesquisa que motivou os autores foi: como obter um percurso formativo de Física para o Ensino Médio com vistas à aprendizagem significativa de conceitos físicos? O objetivo deste artigo é apresentar indicativos para o desenvolvimento de percursos formativos para o ensino de Física no Ensino Médio, de forma a contribuir com a implementação do currículo oficial no âmbito das escolas e da sala de aula. Trata-se de uma pesquisa documental com análise qualitativa e teórica utilizando como ferramenta mapas conceituais e como base teórica a teoria da aprendizagem significativa. Como resultado, apresenta-se uma proposição teórica de uma perspectiva possível para o percurso formativo </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;">para a</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"> Física do Ensino Médio.</span></span></p> 2022-11-25T22:26:52-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13269 Tendências para organizadores prévios com vistas à apredizagem significativa em demonstrações matemáticas 2022-11-26T10:38:55-03:00 Maria Cecília Pereira Santarosa maria-cecilia.santarosa@ufsm.br Vaneza de Carli Tibulo vaneza.tibulo@ufsm.br <p>Na perspectiva da Teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel, para que haja Aprendizagem Significativa, o novo conhecimento deve se relacionar com conceitos prévios específicos da estrutura cognitiva do aprendiz, de forma não arbitrária e não literal. No que se refere às demonstrações matemáticas, é necessário a ocorrência dos três tipos de aprendizagem significativa: representacional, conceitual e proposicional. Uma forma de favorecer aprendizagens significativas, quando o aluno não possui conhecimentos prévios necessários, é a utilização de Organizadores Prévios, que funcionam como “pontes cognitivas” entre o que ele já sabe e o que precisa saber para a nova aprendizagem. A presente pesquisa tem por objetivo apresentar e investigar estratégias de ensino para demonstrações matemáticas, que possam favorecer a aprendizagem significativa de acadêmicos do Curso de Licenciatura em Matemática. Desta forma, foi elaborada e implementada uma proposta de Organizadores Prévios no ensino de demonstrações matemáticas, ancoradas nas tendências em Educação Matemática: a História da Matemática, a Manipulação de Material Concreto e a Resolução de Problemas. A implemetação do Organizador Prévio proposto, por meio de uma pesquisa-ação, tem apresentado resultados satisfatórios no que se refere a evidências de aprendizagem significativa em demonstrações matemáticas, favorecendo a formação profissional dos acadêmicos.</p> 2022-11-25T22:33:44-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13184 Contribuições da sala de aula invertida para a promoção de subsunçores de energia mecânica 2022-11-26T10:38:55-03:00 Maria Aparecida Monteiro Deponti cidadeponti@gmail.com Ana Marli Bulegon anabulegon@gmail.com <p>Neste artigo, discutem-se os resultados de um estudo que objetivou analisar as contribuições da Sala de Aula Invertida (SAI) para abordar conceitos de Energia Mecânica (EM), por um viés da Teoria da Aprendizagem Significativa (TAS), realizado em 2018 e 2019, com estudantes do primeiro ano do Ensino Médio do curso técnico em Sistemas de Energia Renovável, numa escola pública federal do Rio Grande do Sul. Duas Unidades de Ensino foram organizadas a fim de verificar indícios de aprendizagem significativa acerca de EM: uma seguindo os pressupostos da SAI (grupo experimental - GE), planejada na perspectiva dos Três Momentos Pedagógicos (TMP) e outra organizada com a metodologia expositiva (grupo controle – GC). Numa abordagem quali-quanti, utilizou-se como instrumentos de coleta de dados: pré-teste, pós-teste, diário de campo, material de aula dos estudantes, registros de áudio, imagem e das interações com o ambiente virtual de aprendizagem (AVA). Utilizou-se as cinco etapas de Moraes (1999) para a análise de conteúdo e o teste estatístico <em>t-Student</em> para a análise quantitativa. Os resultados indicaram significativa evolução conceitual dos estudantes do GE em relação aos do GC e a SAI, organizada de acordo com os TMP, contribuiu para a promoção de subsunçores sobre conceitos de EM.</p> 2022-11-25T22:44:01-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13271 Formação continuada de professores na perspectiva da teoria da aprendizagem significativa 2022-11-26T10:38:56-03:00 Graziela Ferreira de Souza grazi.fsouza@gmail.com Nilcéia Aparecida Maciel Pinheiro nilceia@utfpr.edu.br Sani de Carvalho Rutz da Silva sani@utfpr.edu.br <p>Este artigo tem por objetivo propor uma reflexão sobre as mudanças e demandas do trabalho docente, em busca do aperfeiçoamento e qualidade das aprendizagens, tendo como contexto a formação continuada de professores. Nesse sentido, articula-se no estudo, a Teoria da Aprendizagem Significativa como um caminho à formação docente, a partir da proposição de um curso de formação continuada ofertado a um grupo de professores dos anos iniciais do ensino fundamental. A formação, organizada na forma de uma Unidade de Ensino Potencialmente Significativa (UEPS), teve como intuito subsidiar teoricamente os docentes para o desenvolvimento do conhecimento pedagógico de conteúdo-PCK (SHULMAN,2015) e também oferecer ferramentas para a articulação de procedimentos práticos e didáticos, em busca de aprendizagens mais qualificadas. Conclui-se que movimento teórico-prática proposto no curso, possibilitou aos participantes reflexões sobre sua práxis, bem como a tomada de consciência e o fortalecimento das práticas de ensino, consolidando saberes e aprimorando os conhecimentos que auxiliam professores na docência.</p> 2022-11-25T22:49:03-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13114 Avaliação da aprendizagem por parâmetros ausubelianos após vivência em uma unidade de ensino potencialmente significativa 2022-11-26T10:38:56-03:00 Kátia Aparecida da Silva Aquino aquino@ufpe.br Saulo de Tárcio Gomes do Nascimento saulo.tarcio@hotmail.com José Antônio Bezerra de Oliveira j.antoniobezerra@gmail.com <p>Percursos didáticos que se amparem em perspectivas construtivistas de aprendizagem são caminhos aspirados desde o final do século XX pelos estudiosos em educação. Outrossim, o processo avaliativo é um movimento complexo que demanda do professor certo esforço na busca por evidências da consolidação da aprendizagem. Posto isto, na perspectiva de uma aprendizagem significativa, este estudo apresenta uma proposta de Unidade de Ensino Potencialmente Significativa (UEPS) para a educação básica, além de uma sugestão para avaliar, por meio de parâmetros ausubelianos práticos, uma possível aprendizagem significativa que possa se desenvolver a partir da aplicação da Unidade. Para a avaliação do aprendizado com significado de forma mais assertiva, sugere-se a análise de critérios e itens que abarquem os domínios cognitivo, atitudinal, ciente, consciente e contextual da aprendizagem, utilizando múltiplos instrumentos avaliativos. Desta forma, as propostas aqui discutidas constituem-se como um recurso para subsidiar a análise e entendimento acerca dos episódios de aprendizagem significativa.</p> 2022-11-25T22:55:29-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/11218 O currículo de ciências na perspectiva dos professores da rede estadual de ensino de São Paulo 2022-11-26T10:38:57-03:00 Celso do Prado Ferraz de Carvalho cpfcarvalho@gmail.com Luciane da Silva Vicente lusivisv@hotmail.com <p>O artigo em tela tem como objeto de problematização o currículo da disciplina de ciências da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, elaborado por um grupo de especialistas definidos pela SEESP, sem a participação dos professores.&nbsp; Apresentamos dados de pesquisa que apresentam a compreensão que os professores de ciências possuem do currículo oficial e como esse entendimento tem impactado em seu trabalho. Realizamos um conjunto de entrevistas semiestruturadas com professores de Ciências, que tratou da experiência, percepção e compreensão que eles possuem do currículo e de como impactou a prática escolar.&nbsp; As entrevistas foram analisadas por meio da articulação entre técnicas de pesquisa qualitativa e metodologia da análise de conteúdo. Os resultados dessa investigação indicam que a Currículo Oficial para a Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo desconsidera as peculiaridades dos contextos escolares, não disponibiliza recursos didáticos e infraestrutura adequada para que os professores realizem seu trabalho. Além disso, sua concepção, reduz os professores à meros reprodutores de um currículo construído sem a participação dos envolvidos diretamente no processo educativo da rede.</p> 2022-11-25T23:00:04-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/8396 Metodologias ativas: Aprendizagem Baseada em Projetos como proposta interdisciplinar no Ensino Médio 2022-11-26T10:38:57-03:00 Fernando Augusto Treptow Brod ftbrod@gmail.com Valesca de Matos Duarte valesca.gat.mesko@gmail.com <p>A sociedade atual demanda mudanças e inovação no processo educativo, motivando reflexões sobre a diversificação metodológica no ensino e na aprendizagem. O estudo apresenta uma proposta de transformação do fazer docente no Ensino Médio, utilizando a Aprendizagem Baseada em Projetos, como metodologia ativa interdisciplinar associada a um Ambiente Virtual de Aprendizagem. A pesquisa buscou analisar o que dizem os docentes sobre a estratégia metodológica realizada em duas turmas de terceiro ano do Ensino Médio de uma escola localizada no interior do município de Canguçu/RS. O procedimento metodológico foi efetivado com abordagem qualitativa utilizando os princípios da pesquisa-ação. Os dados foram coletados através de questionário e analisados pela técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. A análise dos dados constatou que a efetivação de práticas relacionadas a ensinar e aprender através de metodologias ativas, de maneira interdisciplinar em redes de conversação, oportunizou um transformar no fazer pedagógico dos docentes, possibilitando a interação entre os conhecimentos abordados e o cotidiano, a integração entre as diversas áreas do conhecimento e a construção de um trabalho colaborativo. Palavras-chave: Metodologias Ativas. Aprendizagem Baseada em Projetos. Ambiente Virtual de Aprendizagem</p> 2022-11-25T23:06:07-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/11230 Práticas colaborativas com o uso de artefatos: o Google Drive como estratégia para apropriação dos conceitos 2022-11-26T10:38:58-03:00 Edilaine Vagula laine@uel.br <p>Este artigo relata a experiência desenvolvida em uma disciplina do curso de pedagogia que tem como foco de sua ementa o planejamento de ensino. O objetivo foi compreender as percepções dos estudantes sobre a proposta de mediação centrada na participação colaborativa para aprender conceitos. Partindo da noção de colaboração como processo de ampliação da aprendizagem, a proposta analisou variáveis a partir dos objetivos, a fim de verificar como afetam o processo ensino-aprendizagem: <em>Experiências significativas em seu processo formativo; Aprendizagem conceitual e o Instrumento Mediado</em>r. A metodologia utilizada foi a Qualitativa, tipo exploratória e descritiva, os dados foram coletados por meio de um questionário e foram analisados através da análise de conteúdo. Conforme resultados, identificou-se que os alunos valorizaram a oportunidade de planejar, aprender conceitos e construir conhecimentos de forma colaborativa, sentiram-se atuantes na disciplina, sendo que o instrumento mediador fomentou o aprender a aprender, possibilitando rever o erro e promover a aprendizagem. O uso do glossário elaborado com o <em>Google Drive</em> possibilitou o aprofundamento dos conceitos trabalhados na disciplina. Conclui-se que as atividades ampliaram o pensamento, a criticidade e o compartilhamento das ideias, surgindo novas formas de conceber a tecnologia.</p> 2022-11-25T23:10:35-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/10852 Ensino de leitura em prol do desenvolvimento humano: o lugar da BNCC 2022-11-26T10:38:59-03:00 Carina Andrade de Freitas carinaandrade.freitas@gmail.com Angela Cristina Di Palma Back acb@unesc.net <p>O presente artigo apresenta resultados de uma pesquisa documental em que se buscou reunir, analisar e discutir conteúdos relacionados ao ensino de leitura no documento da BNCC – Base Nacional Comum Curricular, homologado em dezembro de 2018. Por meio deste estudo, procurou-se compreender como se manifesta junto a BNCC o conceito desse conteúdo nas séries iniciais e finais. Defende-se o estudo sobre a leitura como uma atividade de construção do sentido, que, de acordo com Kleiman (2008), proporciona que o leitor seja um sujeito ativo, que deixa de ser apenas o receptor de conhecimento para passar a ser um (re) criador de significado. Sobretudo, como um processo cognitivo de construção de sentido para um texto em que o leitor utiliza diversas estratégias cognitivas baseadas em conhecimentos prévios e em interações, numa concepção interativa de leitura.</p> 2022-11-25T23:16:47-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/9641 Gamificação em foco: uma experiência com a plataforma Symbaloo Learning Paths na pós-graduação 2022-11-26T10:38:59-03:00 José Ricardo Lopes Ferreira r2ferreira.edf@gmail.com Fernando Silvio Cavalcante Pimentel prof.fernandoscp@gmail.com <p>Este estudo apresenta uma experiência como uso da gamificação a partir da plataforma <em>Symballo Learning Paths</em> com estudantes de mestrado e doutorado em Educação de uma instituição pública de ensino superior (IPES) na disciplina de Recursos Digitais Educacionais. Para desenvolver essa experiência, utilizou-se como suporte o recurso da Realidade Aumentada, por meio de códigos QR, a partir da gamificação do conteúdo “Introdução à Cibercultura”. Como metodologia de pesquisa adotou-se uma abordagem qualitativa do tipo relato de experiência. Os dados foram coletados a partir da observação participante e com o uso de um diário de campo e registros audiovisuais, em seguida foram analisados a partir da técnica da Análise de Conteúdo. Foi possível concluir que a plataforma <em>Symballo Learning Paths</em> ofereceu um suporte eficaz para o desenvolvimento da gamificação do conteúdo proposto. No contexto da intervenção, os elementos do <em>designe</em> dos games proporcionaram aumento da motivação e do engajamento dos estudantes, o que resultou em um ambiente favorável para a construção do conhecimento crítico e colaborativo.</p> 2022-11-25T23:21:13-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/14081 Diálogo com Educadores 2022-11-26T10:39:00-03:00 Marco Antonio Moreira moreira@if.ufrgs.br Cleci Teresinha Werner da Rosa cwerner@upf.br 2022-11-25T23:34:34-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/13922 Metacognição no ensino da física: da concepção à aplicação 2022-11-26T10:39:00-03:00 Camila Boszko camila.boszko@gmail.com 2022-11-25T23:40:08-03:00 ##submission.copyrightStatement##