Entendimento de professores universitários sobre o seu fazer: ensino como atividade preponderante e extensão como atividade ainda periférica

  • Cátia Maria Nehring Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)
  • Isabel Koltermann Battisti Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)
  • Marta Cristina Cezar Pozzobon Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)
Palavras-chave: Atividades de ensino. Atividade de extensão. Princípio pedagógico da indissociabilidade. Professor universitário.

Resumo

As dimensões ensino, pesquisa e extensão são tratadas de diferentes formas a partir da natureza e da organização acadêmica das instituições de educação superior. A indissociabilidade entre elas possibilita o estabelecimento e o desenvolvimento do espírito científico universal. Esta escrita baseia-se em uma investigação que objetiva discutir a constituição do professor da educação superior e levanta as seguintes questões: qual relação os professores que atuam em universidades estabelecem entre suas atividades de ensino, de pesquisa e de extensão? Eles compreendem a indissociabilidade entre as três atividades como política de suas instituições? Qual é o papel atribuído à extensão a partir da perspectiva de que esta dimensão é um elemento de diálogo e aprendizagem entre universidade e sociedade? Os dados empíricos consideraram um questionário respondido por professores que atuam em universidades com jornada de trabalho de tempo integral. As análises organizaram-se a partir de duas unidades e consideram proposições apresentadas, especialmente, por Mazzilli (2011), Síveres (2011, 2013) e Dias e Ketzer (2007) e identificadas no documento “Plano nacional de graduação: um projeto em construção” (FORGRAD, 2004). De acordo com o levantamento, o princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão não está estabelecido, essa relação precisa ser construída como uma política institucional, e a atividade de extensão ainda é percebida como atividade periférica no fazer do professor universitário.

Biografia do Autor

Cátia Maria Nehring, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)
Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí). Líder do Grupo de Estudos em Educação Matemática (Geem).
Isabel Koltermann Battisti, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)
Doutora em Educação nas Ciências pela Unijuí. Docente do Departamento de Ciências Exatas e Engenharias na mesma instituição. Coordenadora de subprojeto na área de matemática do Pibid/Unijuí.
Marta Cristina Cezar Pozzobon, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)
Doutora em Educação pela Unisinos. Professora adjunta nos cursos de Pedagogia e mestrado profissional em Educação na Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão.
Publicado
2018-08-30
Como Citar
Nehring, C., Koltermann Battisti, I., & Cezar Pozzobon, M. (2018). Entendimento de professores universitários sobre o seu fazer: ensino como atividade preponderante e extensão como atividade ainda periférica. Revista Espaço Pedagógico, 25(3), 647-664. https://doi.org/10.5335/rep.v25i3.8569