Teoria da instrução como cultivo social do espírito humano: papel formativo do interesse e da disciplina em John Dewey

  • Claudio Almir Dalbosco Universidade de Passo Fundo
Palavras-chave: Ação. Democracia. Disciplina. Espírito. Instrução. Interesse. Páginas, 44 -64

Resumo

O ensaio investiga aspectos da teoria educacional de John Dewey, tomando como referência textual o capítulo X de Democracy and Education. Procura mostrar a profunda influência que o pedagogo americano sofre da tradição filosófica passada e, simultaneamente, sua extraordinária capacidade de ir além de tal tradição. Trata, na primeira parte, de sua nova noção de Mind (Geist), resultante de sua crítica ao modelo idealista, deixando claro o conflito entre, por um lado, o espírito como entidade mental isolada e independente da experiência humana e, por outro, como ação mediada simbolicamente, cujo sentido brota da condição social da linguagem humana. Na segunda parte, mostra que a condição ativa e participante do espírito permite a Dewey conceber sua teoria da educação como teoria da instrução, interpretando-a no sentido de preparação do ser humano para assumir formas democráticas de vida. É nesse contexto que ele atribui papel indispensável tanto ao interesse como à disciplina. O ensaio procura mostrar, em síntese, que a teoria da instrução ancorada nas noções de interesse e disciplina torna-se referência moral indispensável para Dewey pensar a democracia como forma de vida e organização social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudio Almir Dalbosco, Universidade de Passo Fundo
Doutor em Filosofia pela Universidade de Kassel (Alemanha). Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo e bolsista de produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Publicado
2018-04-25
Como Citar
DALBOSCO, C. Teoria da instrução como cultivo social do espírito humano: papel formativo do interesse e da disciplina em John Dewey. Revista Espaço Pedagógico, v. 25, n. 1, 25 abr. 2018.