A metáfora, o Enem e a democracia

Palavras-chave: Democracia. Enem. Metáfora. Ditadura Militar

Resumo

O presente trabalho buscou problematizar os sentidos de “democracia” nas edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O objetivo deste trabalho se insere no atual contexto educacional e político do país, em que as garantias dos direitos civis estão ameaçadas e em que consideramos necessário, na posição de docentes da Educação Básica e do Ensino Superior, discutir as disputas pela significação/validação da categoria “democracia” dentro de uma política curricular nacional avaliativa de acesso aos cursos de graduação. A fundamentação teórica se construiu no intenso debate entre a teoria do discurso e a teoria política, a partir de Ernesto Laclau e seus interlocutores. O procedimento metodológico de análise dos itens do Enem observou a estrutura e a proposta de gabarito da questão, indicando como as significações de “democracia” possibilitaram ou não produções de subjetividades ativas. Em linhas gerais, nossas reflexões foram construídas a partir dos discursos produzidos sobre a categoria “democracia” dentro das questões referentes ao tema da Ditadura Civil-Militar (1964-1985) nas edições de 2009 até 2017. A hipótese inicial deste trabalho observou que a democracia é uma potente metáfora para conjugar conteúdos voltados para formação cidadã, ainda pouco explorada pelo exame. Em termos de conclusão, destacamos que o conceito de “democracia” ficou mais restrito a uma concepção tradicional de direito ao voto, mobilizando poucos outros sentidos. Ao mesmo tempo, constatamos que o Enem reforçou a produção de discursos que tenderam a antagonizar o período da Ditadura Civil-Militar com o período da história política do país que se inicia em 1985,  apresentando poucos eixos conectivos entre tais momentos históricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Bruno Velasco, Colégio de Aplicação da UFRJ
Mestrado e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atua como professor de História no Colégio de Aplicação da UFRJ. Concentra os estudos nas áreas do Currículo e Ensino de História da Educação Básica, analisando livros didáticos, propostas curriculares, provas, entrevistas com profissionais do magistério, dentre outros.
Ana Angelita Costa Neves da Rocha, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Mestrado e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; pós-doutorado em Geografia pela Universidade Federal Fluminense; Professora (Adjunto IV) do Departamento de Didática da Faculdade de Educação na Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Publicado
2021-03-16
Como Citar
VELASCO, D.; ROCHA, A. A metáfora, o Enem e a democracia. Revista Espaço Pedagógico, v. 27, n. 3, p. 834-857, 16 mar. 2021.