Pedagogia da ameaça: Uma análise dos padrões comunicativos de socialização no WhatsApp bolsonarista

Palavras-chave: socialização, nova direita, WhatsApp, bolsonarismo

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar aspectos da socialização nos grupos públicos bolsonaristas no aplicativo WhatsApp. O foco são os padrões comunicativos recorrentes nesse espaço. Utilizando como material de análise mensagens textuais e visuais, animações, memes e vídeos veiculados em comunidades virtuais de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, indica-se a existência de uma “pedagogia da ameaça”, com fluxo comunicativo centralizado, ausência de debates e nenhum espaço para o contraditório. A análise de conteúdo aponta intensa circulação de mensagens apoiadas em três padrões comunicativos fundamentais: 1- binômio amigo-inimigo, 2- apelo à emoção e 3- estratégias de desinformação. Defende-se que a plataforma virtual em tela se configura como uma mídia ideológica na acepção proposta por Thompson (1995), a de sentido a serviço do poder. Ao emular um estado de ameaça constante, o WhatsApp bolsonarista ambiciona reunir, alertar e convocar a militância para a defesa do presidente diante de perigos e intimidações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Pelegrini Ratier, Faculdade Cásper Líbero
Professor assistente do curso de jornalismo da Faculdade Cásper Líbero (FCL-SP). Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (FE-USP), com participação no Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior, fomentado pela CAPES, na Université Lumière Lyon 2. Pesquisador do Grupo de Pesquisa Práticas de Socialização Contemporâneas (GPS-FEUSP) e do Grupo Comunicação e Sociedade do Espetáculo (FCL). Colunista de educação no UOL, coordenador do blog Entendendo Bolsonaro (UOL) e cofundador do curso online Vaza, Falsiane contra notícias falsas. Integrante do Conselho de Ética do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP). Anteriormente, trabalhou nas seguintes publicações: Nova Escola (2008-2018), Superinteressante (2007-2008), Mundo Estranho (2003-2007) e Galileu (1998-2000). Atuou como professor no Colégio Stockler (2001-2003) e Projeto Redigir (1999-2004), em que foi um dos fundadores. Possui experiência nas áreas de Comunicação, com ênfase em jornalismo (jornalismo impresso e digital, jornalismo de educação, desinformação e fake news) e Educação, com ênfase em Sociologia da Educação e em educação midiática.
Publicado
2021-09-16
Como Citar
RATIER, R. Pedagogia da ameaça: Uma análise dos padrões comunicativos de socialização no WhatsApp bolsonarista. Revista Espaço Pedagógico, v. 28, n. 1, p. 166-191, 16 set. 2021.