Infâncias e direitos na contemporaneidade: em foco as crianças do campo

Palavras-chave: Infância. Criança do campo. Direitos

Resumo

Este estudo tem como objetivo refletir sobre as infâncias e as crianças, seus direitos e a constituição de suas identidades, considerando a pluralidade de espaços em que a infância acontece e dando destaque às crianças do campo. Trata-se de um ensaio teórico. A justificativa deste escrito está voltada à necessidade de problematizar, bem como dar visibilidade às diferentes infâncias e legitimar as experiências vivenciadas pelas crianças partícipes de contextos históricos marcados pela desigualdade social. As principais considerações deste estudo sublinham a coexistência de distintas infâncias e formas de ser crianças. Da mesma forma, evidenciam a invisibilização e o ocultamento de experiências infantis bem como a efetivação de direitos para crianças que foram segregadas ao longo da história e continuam sendo, quando homogeneizadas por uma concepção de infância de origem europeia, branca, cristã e urbana. A principal contribuição deste estudo consiste em problematizar junto às discussões relativas à infância a condição da experiência infantil das crianças no campo para que tenham seus direitos legitimados e a constituição de suas identidades reconhecidas com base na pluralidade de espaços em que suas vidas se fazem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciele Clara Peloso, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Pato Branco
Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente permanente do PPG em Desenvolvimento Regional da UTFPR, Campus Pato Branco, Brasil.
Najela Tavares Ujiie, Universidade Estadual do Paraná, Campus de Paranavaí
Pedagoga. Doutora em Ensino de Ciência e Tecnologia (UTFPR/PG). Professora Assistente da Universidade Estadual do Paraná, Campus de Paranavaí, Brasil.
Publicado
2020-07-27
Como Citar
PELOSO, F.; UJIIE, N. Infâncias e direitos na contemporaneidade: em foco as crianças do campo. Revista Espaço Pedagógico, v. 27, n. 2, 27 jul. 2020.