Governamentalidade neoliberal, infâncias e educação: reflexões sobre a nova linguagem da aprendizagem

Palavras-chave: Governamentalidade Neoliberal, Infâncias, Linguagem, Educação Escolar.

Resumo

O presente artigo tematiza a arte da governamentalidade neoliberal e a relação intrínseca com o controle e regulação das populações infantis e seus efeitos no campo educacional. Nesse sentido, toma-se como ponto de partida a consideração de que o governo da infância adota por referência três condições: i) a questão do consumo-criança; ii) a questão da concorrência individual; iii) as intervenções educacionais cada vez mais precoces na infância e em sua educação escolarizada. Considera-se que estas condições adquirem uma linguagem específica no campo educacional, que denominamos de a nova linguagem da aprendizagem. Ademais, a nova linguagem da aprendizagem tem facilitado uma nova descrição do processo da educação escolar em termos de uma transação econômica, em que o aluno se torna um (potencial) consumidor, com necessidades e anseios que precisam ser satisfeitos – uma vez que passam a ser o centro do processo educativo. Nesse caso, o professor passa a ser apenas um provedor, um facilitador, um mediador, um orientador a serviço dos aprendentes (clientes). Esse modo de pensar engendra uma nova lógica que faz com que o próprio processo de educação se torne uma mercadoria, uma “coisa” que precisa ser fornecida ou entregue pelo professor e consumida pelo aprendente. Exatamente como exige a lógica neoliberal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jenerton Arlan Schütz, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)
Doutorando em Educação nas Ciências (UnijuÍ), Mestre em Educação nas Ciências (Unijuí), Especialista em Metodologia de Ensino de História (Uniasselvi), Licenciado em História e Sociologia (Uniasselvi) e Licenciado em Pedagogia (FCE). Bolsista CAPES.
Maria Simone Vione Schwengber, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)
Doutora em Educação (UFRGS). Professora do Mestrado e do Doutorado em Educação nas Ciências da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Participante do Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero (Geerge), vinculado ao PPG-EDU da UFRGS e do grupo Paidotribas da Unijuí.
Publicado
2019-06-24
Como Citar
Schütz, J., & Schwengber, M. S. (2019). Governamentalidade neoliberal, infâncias e educação: reflexões sobre a nova linguagem da aprendizagem. Revista Desenredo, 15(2). https://doi.org/10.5335/rdes.v15i2.8549